Luiz Alves Paes de Barros: Conheça o investidor “Bilionário Anônimo” da Bolsa de Valores

1372
Luiz Alves Paes de Barros: Conheça o investidor
Luiz Alves Paes de Barros: Conheça o investidor "Bilionário Anônimo" da Bolsa de Valores

Luiz Alves Paes de Barros é um dos maiores investidores da Bolsa de Valores do Brasil e um dos fundadores do Alaska Black, um dos fundos de investimento mais imponentes do mercado nacional. 

Se você acompanha de o mercado financeiro, certamente já ouviu falar de Luiz Alves Paes de Barros. O investidor bilionário, leva uma vida mais discreta, por isso, inclusive, recebeu o apelido de “bilionário anônimo”. 

Mas mesmo evitando os holofotes, Barros é um dos investidores mais conhecidos no mercado, sobretudo pela sua trajetória de sucesso nos seus investimentos no mercado de ações. 

Ainda na sua adolescência Barros começou a investir com capital próprio na Bolsa de Valores e ao longo de sua trajetória transformou um patrimônio de 10 mil dólares em uma mega fortuna estimada em US $ 1,5 bilhão. 

Por isso nesse artigo, vamos falar um pouco mais sobre Luiz Alves Paes de Barros, como ele ficou rico e quais suas estratégias de investimentos. 

Quem é Luiz Alves Paes de Barros

Luiz Alves Paes de Barros é um dos maiores investidores individuais da Bolsa de Valores do Brasil e um dos fundadores do Alaska Black, um dos mais famosos fundos de investimentos do mercado nacional. 

Mas apesar de ser uma figura importante no cenário de investimentos, Barros leva uma vida discreta longe dos holofotes. 

São raras as ocasiões em que o investidor aparece em eventos do mercado financeiro ou concede entrevistas. Esse comportamento mais reservado de Luiz, rendeu a ele o apelido de “investidor fantasma”. 

Luiz Alves Paes de Barros é adepto da análise fundamentalista e investimentos em valor, além de seguir sempre a estratégia de comprar na baixa e vender na alta. 

Vida e Carreira de Luiz Alves Paes de Barros

Luiz Alves Paes de Barros nasceu em 1948 em uma família tradicional do interior de São Paulo, dona de várias fábricas de açúcar. 

Mas como afirmou o próprio investidor em uma entrevista ao Valor Econômico, grande parte da fortuna foi perdida pela falta de controle de gastos. 

Mas a experiência foi importante e moldou o modelo de negócios do economista e investidor. 

Diferentemente de sua família, Luiz sempre buscou ser mais conservador, inclusive, quando os negócios familiares desmoronaram, ele era um dos únicos que possuíam dinheiro guardado.

Ao 16 anos, Luiz começou a investir no mercado financeiro. Usando seu próprio dinheiro comprou ações do Comind, banco dos grandes lavradores de São Paulo.

O interesse de Luiz, desde então continuou crescendo, tanto que ele resolveu cursar economia pela Universidade de São Paulo. 

Já na década de 1980 o nome do investidor ficou pela primeira vez em evidência no mercado financeiro, quando Luiz firmou sociedade com Luiz Stuhlberger, um dos maiores gestores do Brasil. 

Juntos, Barros e Stuhlberger criaram o projeto que deu origem ao Credit Suisse Hedging-Griffo. 

Mas foi no começo do século XXI que sua imagem passou a ser mais conhecida no mercado financeiro. Em 2003 Luiz criou a própria carteira o fundo Poland, que foi em 2015 rebatizado para Alask Poland

A carteira do fundo tem três cotistas, Luiz, seu filho e sua esposa. 

Já em 2015, Barros em parceria com Henrique Bredda e Ney Miyamoto criaram o Alaska Black, um dos fundos renomados no mercado brasileiro. 

O crescimento estrondoso do negócio, no entanto, gerou certo desconforto em alguns integrantes do mercado. 

Só 2017 o Alaska Black acumulou uma alta de mais de 325%, sendo a principal aposta na época as ações da Magazine Luiza que cresceram cerca de 500% no mesmo ano. 

Alguns investidores acusam o Alaska de ter puxado o preço do papel da empresa de varejo no mercado. 

Como Luiz Alves Paes de Barros ficou bilionário?

Luiz Alves Paes de Barros ficou milionário investindo seu próprio capital na Bolsa de Valores. O investidor se orgulha de ter transformado um patrimônio de cerca de US $ 10 mil em mais de US $ 1,5 bilhão. 

Antes de mesmo de criar sua gestora Luiz já era um dos maiores investidores individuais da Bolsa de Valores do Brasil. 

Isso em razão do seu fundo que abriga a sua carteira pessoal, o Alaska Poland, muito conhecido e acompanhado pelos profissionais do mercado. 

O Alaska Poland foi criado em 2003 obteve nos 10 anos subsequentes uma valorização de 1000% frente a uma valorização de cerca de 300% do Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores, no mesmo período, nesse período o fundo pagava dividendos direto na conta do LAPB, portanto os primeiros 13 anos nem mostram os dividendos e pelos cálculos da própria Alaska, os dividendos acrescentaram algo próximo de 4% a.a. aos extraordinários resultados de Luiz Alves.

Somente em 2017 o negócio rendeu mais de R$ 780 milhões ao patrimônio bilionário de Luiz. 

Em 2015, o megainvestidor deu luz a mais um projeto ambicioso, a gestora Alaska Asset Management, cujo principal fundo é o famoso Alaska Black. 

Segundo Barros, a decisão de gerir o patrimônio de outros investidores só veio depois que ele “finalmente encontrou uma equipe capaz de aprender e perpetuar tudo que ele conquistou”. 

Estratégias de Investimentos de Luiz Alves Paes de Barros

Luiz Alves Paes de Barros, assim como outros grandes nomes do mercado financeiro, Incluindo Luiz Barsi Filho e Warren Buffett, é um investidor fundamentalista adepto do Value Investing

O termo em inglês Value Investing, em um tradução literal, significa “Investimento em Valor”. 

Essa estratégia de investimento consiste basicamente em encontrar boas ações que estejam subvalorizadas no mercado. Ou seja, negócios que estão sendo negociadas abaixo do seu valor intrínseco

Uma das principais premissas dos investidores do value investing é que o mercado de ações está sempre oscilando e nem sempre os ativos são negociados pelo valor real. 

Ou seja, muitas vezes, o preço de uma ação é influenciado por fatores que não estão relacionados ao negócio em si, incluindo movimentos de especulação, por exemplo, o que faz com que a ação possa ser ser negociada abaixo ou acima do seu valor. 

Porém, para os investidores de valor, o valor das ações no longo prazo tende a convergir para o seu valor real, ou se valorizar com ela, conforme a empresa cresce e o seu patrimônio aumenta. 

Nesse sentido, quando o preço de uma ação está abaixo do seu valor intrínseco surgem as melhores oportunidades de investimento. 

O Value Investing, portanto, exige que os investidores façam uma análise aprofundada, sob a ótica fundamentalista de cada empresa na qual quer investir. 

O modelo de análise fundamentalista consiste em uma avaliação qualitativa da empresa, assim o investidor pode saber se quer ou não se tornar sócio daquele negócio. 

Contudo, apesar de existirem algumas premissas consensuais entre os adeptos do Value Investing, as premissas adotadas por cada investidor, bem como os indicadores avaliados podem mudar. 

Além disso, eles podem se basear em estratégias distintas. Enquanto alguns se apoiam em expectativas de crescimento e projeções futuras de lucros, outros investidores de valor pautam suas escolhas em resultados no presente. 

Mas, independentemente de qual estratégia vai usar como base, o investidor de valor vai procurar empresas com bons fundamentos e que estejam sendo negociadas por uma valor menor do que realmente valem, buscando ganhos no longo prazo. 

Como obter sucesso com o Value Investing

O Value Investing, é um modelo com uma ideia simples e clara, na qual o investidor deve buscar por boas empresas que estejam com valor descontado no mercado. 

Mas, apesar de parecer simples, sabemos que investir em ações pode ser  uma tarefa bastante complexa, sobretudo se você ainda não tem muita experiência no mercado de ações.

Por isso, separamos algumas dicas que podem te ajudar ter sucesso no mercado financeiro com o Value Investing. Veja a seguir.

Procure ajuda de um especialista no começo

Investir em ações pode ser um pouco complicado se você está começando e ainda não tem muito conhecimento sobre o mercado e as diversas empresa que possuem ações negociadas na Bolsa

Por isso, procurar ajuda de um especialista no começo é fundamental para tomar as melhores decisões e evitar erros que podem ser irreparáveis. 

Uma ótima alternativa é buscar auxílio de um assessor de investimentos. Esse profissional é um especialista do mercado financeiro e poderá te ajudar a definir os melhores investimentos de acordo com seu perfil e objetivos

Estabeleça metas alcançáveis

Estabelecer metas é fundamental para atingir um bom resultado com seus investimentos. Mas não basta estabelecer uma meta qualquer, é preciso que a meta seja compatível com 

Para tornar o trabalho mais simples você pode pensar em qual é o seu objetivo final com os investimentos e partir daí traçar meta de curto prazo. 

Então, por exemplo, se o seu objetivo é acumular R$ 1 milhão para a sua aposentadoria, você pode estabelecer metas menores de curto prazo. Por exemplo, juntar R$ 10 mil reais em 1 anos, depois R$ 25 mil em dois anos e por aí vai. 

Trace objetivos de longo prazo

Além das metas de curto prazo, você também precisa definir qual o seu objetivo final com os investimentos. 

Seu objetivo pode ser aposentadoria, fazer uma viagem, um intercâmbio, enfim. 

O importante é que você precisa ter em mente bastante definido qual o seu objetivo, assim você terá alvo para mirar e também poderá separar a metas por etapas para chegar ao seu objetivo. 

Tenha disciplina e paciência

Ter disciplina e paciência são essenciais para os investidores que querem ter sucesso na Bolsa de Valores. 

A disciplina é fundamental para o que o investidor alcance seus objetivos fazendo aportes recorrentes, reinvestindo seus dividendos e buscando sempre por ações de boas empresas. 

Já a paciência é essencial para que o investidor não se iluda com a possibilidade obter grandes retornos em pouco tempo.

Faça aportes periódicos

Se você está investindo no longo prazo pode usar todo poder dos juros compostos ao seu favor. 

Ao fazer aportes regulares na sua carteira você consegue usar todo o potencial dos juros compostos, e assim você consegue potencializar os lucros dos seus investimentos ao longo da sua trajetória. 

Você pode fazer aportes mensais, semestrais, anuais, enfim. A periodicidade vai depender do seu planejamento financeiro, mas independente do prazo para os novos aportes é importante que eles sejam constantes para entregarem os melhores resultados. 

Comece a investir hoje mesmo

Quanto mais cedo você começar a investir, melhor para sua carteira e para seu futuro. Nesse caso, começando a investir mais cedo, os juros compostos também serão aliados importantes

Para te mostrar isso vamos fazer um exemplo simples. 

Pensei que você começou a investir hoje, com uma aplicação inicial de R$ 1.000 e aportes mensais de R$ 1.000. O seu plano com esse investimento é guardar dinheiro para sua aposentadoria

Considerando um ganho de 8% ao ano (sem considerar a inflação) ao final de 30 anos você terá acumulado em aportes R$ 361 mil. 

Enquanto isso, os juros acumulados serão de R$ R$ 1.057.603,22, somando uma patrimônio total de R$ 1.418.603,22. 

Agora pense em outro cenário onde você vai esperar um pouco mais para investir, porém o aporte inicial será maior. 

Vamos considerar uma aplicação inicial de R$ 100 mil, com aportes mensais de R$ 2.500, prazo de 10 anos e juros também de 8% ao ano. 

Nesse caso, o valor total investido no acumulado dos 120 meses seria de R$ 400 mil, já os juros gerados a partir dos investimentos somaram R$ 266.202,03. 

Nesse cenário o patrimônio total ao final do prazo seria de cerca de R$ 667 mil. 

Como você pode perceber mesmo que o valor inicial e os aportes sejam maiores no segundo exemplo, o valor acumulado oriundo de juros é bem menor. Isso porque quanto menor o tempo de aplicação, menor o poder dos juros compostos. 

Por isso, quanto mais cedo você começar a investir melhor, mesmo que seja pouco dinheiro. 

Não invista em ações um dinheiro que pode precisar amanhã

No longo prazo o valor das ações tende a sempre convergir para o seu preço real, contudo no curto prazo, os movimentos de especulação e outros fatores podem influenciar no preço causando distorções para cima ou para baixo.

Se o investidor de valor compra um papel com um dinheiro que pode precisar amanhã, corre o risco de ter que realizar uma venda em um desses momento em que o mercado está precificando uma ação abaixo do preço. 

Nesse sentido, é no longo prazo, onde se encontram as melhores oportunidades, por isso o investidor nunca deve investir em ações um valor que pode precisar a qualquer momento. 

Mantenha o foco em empresas com bons fundamentos 

Sugerir que o investidor compre sempre papéis de empresas com bons fundamentos parece uma coisa óbvia, mas na verdade não é. 

A Bolsa de Valores está cheia de empresas que não possuem bons fundamentos e mesmo assim passam por valorizações explosivas em um curto espaço de tempo.

Essas movimentações fortes podem deixar muitos investidores animados e que acabam comprando as ações sem nenhum embasamento por detrás da operação ou mesmo da movimentação. 

Quando isso acontece o investidor tem grandes chances de perder o dinheiro. Por isso, é sempre importante avaliar com afinco os fundamentos da empresa. 

Em cenários adversos, como a crise do novo coronavírus, por exemplo, é normal que os preços dos papéis se desvalorizem. 

Porém, as empresas consolidadas têm maior chance de recuperar desses baques, enquantos empresas com fundamentos ruins podem não conseguir retomar os seus valores de antes. 

Procure por empresas que pagam bons dividendos

Os dividendos são parte do lucro que a empresas distribuem como forma de remuneração aos seus acionistas e podem fazer toda diferença na hora aumentar o potencial da sua carteira. 

Reinvista o valor recebido dos proventos

Uma parte fundamental para potencializar os seus ganhos com investimentos no longo prazo é reinvestir os dividendos recebidos. Ao fazer isso, você vai obter um resultado parecido com o de aportes periódico e aproveitar todo o potencial dos juros compostos. 

Inicialmente os dividendos podem ser pequenos e parecer não fazer tanta diferença, mas com o passar dando, sempre aproveitando seus dividendos para comprar novas ações, você vai notar diferença na sua carteira.

Não invista em dicas 

O maior problemas de aceitar uma dica e comprar uma ação segundo recomendação de alguém é que você não vai saber o que fazer caso essa ação comece a andar na contramão das expectativas. 

Quando você compra uma ação que você conhece e que estudou cautelosamente, sabe exatamente onde seu dinheiro está aplicado. 

Assim, nos momentos de queda saberá se deve vender o papel por alguma mudança nos fundamentos ou se é hora de comprar ainda mais. 

Não haja por impulso

Esse é o principal conselho que você pode seguir para não cair em armadilhas de dicas ou em momento de grande euforia do mercado.  

Todo investimentos precisa ser pensado com cautela para evitar erros, por isso sempre evite agir por impulso. 

Aproveite as oportunidades do mercado 

Os investidores com foco no longo prazo, que buscam a formação de uma carteira de ações previdenciária pensando no recebimento de dividendos, sempre terão oportunidades. 

De tempos em tempos, sobretudo em momentos de crise, o mercado passa por fortes desvalorizações, onde surgem as melhores oportunidades para aqueles investidores que tiveram paciência e disciplina

Onde Luiz Alves Paes de Barros Investe?

Como dissemos, Luiz Alves Paes de Barros é adepto da estratégia de Value Investing e, portanto, busca sempre por ações com bons fundamentos negociadas abaixo do seu valor intrínseco. 

Em 2015, enquanto o Brasil passava por uma das maiores recessões da sua história, Barros aproveitou para comprar ações com preços muito descontados na Bolsa. 

O primeiro grande palpite do investidor foi a Magazine Luiza. A empresa se valorizou, somente em 2017, cerca de 500%. 

No entanto, sua maior jogada no mercado até hoje foi a criação do Alaska Black em parceria com Henrique Bredda e Ney Miyamoto. 

Dentro o portifólio do Alaska Black estão ações como:

  • Magazine Luiza (MGLU3)
  • Cogna (COGN3)
  • Petrobras (PETR4)
  • Suzano (SUZB3)
  • Rumo (RAIL3)
  • Vale (VALE3)
  • Empresas do Grupo Alfa

Esses são só alguns dos papéis que hoje compõem a carteira do fundo Alaska Black, porém é importante ter em mente que todo o portfólio pode variar conforme estratégias dos seus gestores.