A taxa referencial foi criada em 1991  em meio de mudanças implementadas pelo então presidente Fernando Collor de Mello com o intuito de combater a inflação na época.

Inicialmente a Taxa Referencial tinha um papel muito importante na economia e na vida dos brasileiros, pois era com base na TR que eram corrigidos o FGTS, a poupança e  alguns financiamentos imobiliários. Contudo, de um tempos para cá a TR perdeu força e já não exerce o mesmo papel inicial.

Mesmo assim ela ainda exerce um papel importante na economia, pois corrige diversas aplicações financeiras no mercado brasileiro, como a poupança, por exemplo.

O que é taxa referencial? 

A Taxa Referencial, também chamada de TR foi criada em 1991 como parte do pacote de medidas econômicas chamado Plano Collor II. Inicialmente, os objetivos principais da TR eram: combater a hiperinflação da época e desindexar a economia. 

Contudo, com o passar do tempo e com o surgimento de novas métricas a TR perdeu parte de essência inicial, mais ainda exerce papel importante na economia. 

A Taxa Referencial, hoje se configura como uma taxa de juros de referência. Por isso ela é utilizada para calcular o rendimento de algumas aplicações financeiras, como: 

  • Títulos do Tesouro Direto
  • Caderneta de poupança
  • Fundo de Garantia de Tempo de Serviço (FGTS)
  • Alguns financiamentos imobiliários.

Como calcular a taxa referencial?

A TR é calculada diariamente pelo  Banco Central do Brasil. Para calcular o valor da Taxa Referencial, primeiramente temos que encontrar o valor de R, que corresponde ao redutor. Para isso usamos a seguinte fórmula:

R = a+b x TBF

Na equação:

  • R – é o valor do edutor.
  • a –  é um valor fixo igual a 1,005. Esse valor foi definido pelo governo para a criação da TR
  • b –  é um valor divulgado pelo Banco Central.
  • TBF – tarifa básica financeira divulgada pelo Banco Central.

Após calcular o valor de R, basta substituir os valores na fórmula abaixo e descobrir, por fim, qual o valor da TR.

TR = 100 x [(1 + TBF ÷ R) – 1]

É importante ressaltar que se o resultado for negativo ele é considerado igual a zero. Isto foi criado pelo próprio banco, e justifica o fato de nunca ser possível observar uma TR negativa. 

 Taxa referencial histórico 

A Taxa referencial, no ano em que foi criada, estava em 335,51% e chegou a subir muito nos anos posteriores. Dois anos após sua criação, em 1993 ela chegou ao seu maior patamar histórico, 2474,74%. 

Contudo, depois 1993, ela começou a cair de maneira brusca e nunca mais voltou a um patamar próximo do já chegou a valer nos seus melhores dias. 

Tabela Taxa Referencial Anual (1991 – 2019)
AnoTaxa TR (%)
20190,00%*
20180,00%
20170,60%
20162,01%
20151,80%
20140,86%
20130,19%
20120,29%
20111,21%
20100,69%
20090,71%
20081,63%
20071,45%
20062,04%
20052,83%
20041,82%
20034,65%
20022,80%
20012,29%
20002,10%
19995,73%
19987,79%
19979,78%
19969,56%
199531,62%
1994951,20%
19932474,74%
19921156,22%
1991335,52%

Taxa Referencial 2017

Apesar das quedas fortes, foi em 2017 que a TR sofreu o golpe final. Em setembro daquele ano, a TR mensal caiu para zero por cento e desde então permanece nesse mesmo patamar. No acumulado do ano, em 2017 a TR anual foi de 0,60%. 

Confira o rendimento mensal da Taxa Referencial 2017:

2017
MÊSTR
Janeiro0,1700
Fevereiro0,0302
Março0,1519
Abril0,0000
Maio0,0764
Junho0,0536
Julho0,0623
Agosto0,0509
Setembro0,0000
Outubro0,0000
Novembro0,0000
Dezembro0,0000

Taxa Referencial 2018

Durante todo o ano de 2018 a TR mensal se manteve estável em 0%. Portanto, no acmulado do ano, o valor da taxa foi igual a zero. 

Confira o valor da taxa referencial 2018

2018
MÊSTR
Janeiro0,0000
Fevereiro0,0000
Março0,0000
Abril0,0000
Maio0,0000
Junho0,0000
Julho0,0000
Agosto0,0000
Setembro0,0000
Outubro0,0000
Novembro0,0000
Dezembro0,0000

Taxa Referencial de 2019 

Nos primeiros meses de 2019, a TR manteve a mesma linha e não saiu do zero. Confira o valor da Taxa Referencial 2019

2019
MÊSTR
Janeiro0,0000
Fevereiro0,0000
Março0,0000
Abril0,0000

Qual o impacto da taxa referencial nos investimentos? 

Depois de entender o que é e como funciona a TR funciona, além de como calculá-la, é importante saber como ela influencia os alguns investimentos no Brasil. 

Taxa Referencial e Poupança

O rendimento da poupança é definido pelo comportamento da taxa básica de juros da economia, a Taxa Selic, mais a variação na Taxa Referencial

Em 2002, a, então presidente Dilma Rouseff, determinou que o rendimento da poupança fosse calculado de maneira diferente sempre que o valor da taxa Selic estiver abaixo dos 8,5% ao ano. Portanto, o rendimento da poupança é calculado de maneira diferente dependendo do valor da Selic. 

Funciona assim:

  • Se a taxa selic estiver acima de 8,5% ao anos, a rentabilidade da poupança será de 0,5% ao mês mais a Taxa Referencial;
  • Se a Selic estiver abaixo dos 8,5% ao ano, então o rendimento da poupança será de 70% da taxa Selic mais a Taxa Referencial. 

No contexto atual, com a Selic em 6,5% ao ano (2019) e a Taxa Referencial a zero, o valor do rendimento da poupança é igual: 0,7x 6,5 + 0 = 4,55%

Taxa Referencial e o FGTS

O Fundo de Garantia do Tempo de Serviço é um direito que todo cidadão assalariado poderá resgatar, seguindo algumas regras. Esse valor, descontado mensalmente do assalariado fica retido por muito tempo e por isso o governo estabelece uma rentabilidade de 3,0%  ao ano mais o valor da TR.

Taxa Referencial e os financiamento imobiliários

Nem todos os financiamento imobiliários são corrigidos pela TR. A taxa se aplica apenas aos imóveis que fazem parte do Sistema Financeiro de Habitação (SFH, mantido pela Caixa Econômica Federal. 

Nesses casos, os valores dos financiamentos são corrigidos por juros fixos, definidos pela instituição mais a TR. 

Taxa Referencial e o títulos públicos

Antigamente, alguns títulos públicos do Tesouro Direto, como o NTN-H e o NTN-P tinham suas rentabilidades atreladas à variação da taxa referencial. Porém, esses títulos não estão mais disponíveis para compra, embora alguns investidores ainda possam tê-los em suas carteiras.

Nesse sentido, a Taxa Referencial ainda tem poder para exercer grande influência na vida dos brasileiros, sobretudo em decorrência da sua influência em alguns produtos financeiros como poupança e FGTS. 

Contudo, com a Taxa Referencial igual a zero, o impacto da métrica sobre os investimentos,atualmente,  é nulo.