Avaliar a capacidade de uma empresa ou país de cumprir com suas obrigações financeiras é muito importante na hora de decidir onde investir o seu dinheiro. O rating, nesse sentido, é uma ótima ferramenta. 

Ele oferece, de maneira padronizada, a avaliação do nível de risco de instituição ou país, ajudando os investidores a ter uma noção mais assertiva do seu grau de exposição na hora de investir em títulos de dívida

O que é rating

Um rating é nota de crédito emitida por uma agência de classificação de risco com o intuito de avaliar a qualidade de crédito de uma determinada empresa ou mesmo um país. 

Ou seja, os ratings são avaliações sobre a capacidade de um emissor cumprir com suas obrigações financeiras e pagar seus credores dentro prazo estabelecido previamente. Quanto maior a nota, mais confiável a instituição é

No mercado financeiro, essa avaliação é usada pelos investidores e profissionais da área para definir o grau de risco de um determinado investimento e assim saber se é, ou não um bom negócio investir em uma empresa ou país específico. 

Então, por exemplo, se você vai investir em uma debênture de uma empresa e quer saber qual o risco de determinado título, o rating é o indicador que vai te dar uma boa noção de qual a chance daquela empresa pagar o que foi acordado. 

Além disso, a nota de crédito permite que sejam realizam comparações entre diferentes países e empresas, ferramenta que pode ser fundamental na hora de escolher o melhor lugar para alocar seus recursos. 

Como o rating é calculado?

Existem várias agências de rating espalhadas pelo mundo, sendo as três mais conhecidas a Fitch, Standard & Poor’s e Moody’s, e cada uma delas possui uma metodologia diferente de avaliação. 

Contudo de maneira geral, existem alguns fatores que são sempre considerados. 

Do lado técnico da análise os fatores considerados incluem o balanço patrimonial, patrimônio líquido, ativos, passivos, fluxo de caixa e projeções estatísticas. 

Além disso, também são avaliados fatores como cenário de negócios, legislação e situação do setor em que cada empresa atua. 

Uma vez que os levantamentos são feitos as agências de classificação dividem as empresas e países em dois grupos principais: um com grau de investimento e outro com grau especulativo

O primeiro grupo abrange instituições e países que têm boa capacidade de honrar suas obrigações e quitar suas dívidas e, portanto, têm menor possibilidade de dar calote. 

No segundo grupo estão as empresas ou países com uma situação contrária, ou seja,  quem tem grandes chances de não conseguir pagar suas dívidas. 

Dessa maneira, a classificação de risco de uma instituição serve como uma espécie recomendação, ou não, para que os investidores apliquem seu dinheiro. 

Mas, além desses grupos básicos existem ainda outras diversas subclassificações que indicam o nível de cada empresa dentro de determinado grupo. 

Níveis de rating

Em relação aos níveis de classificação, eles também variam de acordo com cada empresa. A S&P e a Fitch, por exemplo, classificam as empresas de “AAA” até “D”, em que “AAA” é o melhor nível “D” o pior. 

Já a Moody’s usa uma faixa de avaliação que varia entre AAA e C. 

Veja a tabela completa de classificação das três principais agências de risco. 

FITCHSTANDARD & POOR’SMOODY’SGrau de Investimento
AAAAAAAAa
AA+AA+Aa1
AAAAAa2
AA-AA-Aa3-
A+A+A1
AAA2
BBB+BBB+Baa1
BBBBBBBaa2
BBB-BBB-Baa3
BB+BB+Ba1Grau de Especulação
BBBBBa2
BB-BB-Ba3
B+B+B1
BBB2
B-B-B3
CCCCCCCaa1
CCCCCaa2
CCCaa3
D*D*Ca


C*

Qual é a importância do rating?

Como dissemos o rating é muito usado no mercado financeiro para avaliar o grau de risco de um investimento em uma determinada empresa ou país. 

Nesse sentido, ele é uma ferramenta muito importante para análise de investimento

É o rating que sinaliza para os investidores e para todo o mercado quais as chances de uma dívida emitida ser paga dentro do tempo e demais condições condições estabelecidas pela emissora. 

Assim, o rating se torna um indicador que pode ajudar a mitigar riscos de investimentos e atrair investidores para produtos mais seguros. 

Sabendo disso, são as próprias empresas que contratam as agências de classificação de risco para fazer essa avaliação. Esse estudo é fundamental para ajudar a atrair os possíveis investidores. 

A nível global, ou seja, no que tange a classificação de países perante ao resto do mundo, o rating também é uma poderosa ferramenta e pode ajudar cada país a definir suas estratégias de crescimento e desenvolvimento. 

Notas de crédito baixas podem, por exemplo, dispersar investimentos estrangeiros no país e contribuir para recessões. 

No cenário contrário, o nível de investimento externo pode aumentar e fomentar um melhor desempenho do país. 

Como analisar o rating de um emissor?

Muitas vezes a classificação de uma empresa pode variar de acordo com a agência de, isso porque, como dissemos, cada uma das empresas de avaliação possui um método próprio para análise.

Além disso, você também pode encontrar divergência entre o rating de um emissor e o rating de um título emitido por ele. 

Nesse caso, a instituição pode ter um grau de investimento, mas seu título possui grau especulativo

Isso pode ocorrer porque na hora de analisar uma empresa ou título, diferentes fatores são considerados o que pode elevar o nível da emissora e rebaixar o nível do título. 

De qualquer maneira, é muito importante avaliar o nível de risco tanto do título quanto do emissor na hora de fazer uma aplicação em títulos de dívida. 

Isso vai te ajudar a escolher produtos com melhor qualidade e oferecem menor risco de calote. Você pode consultar o rating das empresas diretamente nos sites das agências de classificação, mas para facilitar o processo, algumas grandes corretoras fornecem essa informação em sua própria página.