O objetivo de muitas pessoas é conseguir juntar dinheiro suficiente para desfrutar de uma velhice tranquila. Porém, é sabido que os números da previdência pública, não são, muitas vezes, suficientes para garantir esse objetivo. 

Nesse sentido, a melhor saída é poupar e investir com sabedoria parte do dinheiro ganho ao longo dos anos de trabalho para, pelo menos, conseguir complementar a renda ao final da vida. 

Contudo, fazer isso não é necessariamente uma tarefa fácil. Antes de tudo, você deve pensar quanto precisará para garantir suas necessidades quando se aposentar. 

Para isso, é necessário fazer uma estimativa com todos os gastos necessários. Nesse momento é preciso levar em consideração que as despesas com saúde devem aumentar consideravelmente. 

Ao fazer essa projeção, você chegará a uma valor estimado de quanto precisará para garantir sua velhice. A partir daí basta planejar como conseguirá esse dinheiro. 

Inicialmente faça um planejamento financeiro, para saber quanto pode investir, mesmo que a quantia mensal não seja tão alta, é importante manter o foco no orçamento. Além disso, quanto mais cedo começar melhor. 

Quando souber quanto pode investir, chegará a hora de escolher onde investir seu dinheiro. Existem muitas opções para aplicar o dinheiro para aposentadoria, mas duas delas são mais comuns: Previdência Privada ou Tesouro Direto

Previdência Privada

A previdência privada é emitida pelas instituições financeiras como planos que podem dividido em duas categorias: PGBL ou VGBL. A diferença entre as duas categorias é básicas o modo de tributação.

No plano VGBL, o Imposto de Renda incide somente sobre a rentabilidade. Já no PGBL o IR incide sobre todo o valor resgatado, contudo, nessa modalidade é possível abater os aportes no IR, desde que a contribuição respeite o limite de 12% da renda anual. 

Além da categoria, na hora de escolher seu plano de previdência também é necessário levar em consideração as taxas cobradas pelo banco ou corretora para evitar que os custos comprometam sua rentabilidade. 

Além disso, independente da categoria do plano, também é preciso levar em consideração o modelo de tributação, que pode ser de dois tipos:

  • Progressiva – 15% da sua aplicação é retida em fonte, podendo chegar a 27,5%;
  • Regressiva – a retenção varia entre 35% e 10%, e muda de acordo com o tempo em que o dinheiro fica aplicado. Portanto, quanto maior o tempo de aplicação, menor o tamanho dos impostos. 

Por fim, você deve analisar o tipo de estratégia da gestão do seu fundo de previdência privada que pode ser conservadora, arrojada ou agressiva. Isso poderá definir a rentabilidade da aplicação. 

Tesouro Direto

O Tesouro Direto é o nome do programa do Tesouro Nacional onde são negociados os títulos públicos do Governo Federal. Ele é a modo mais simples de se investir em títulos públicos federais.

De maneira simples, ao investir no Tesouro Direto você está emprestando dinheiro para o Estado. Em troca do empréstimo, você recebe uma taxa de rendimento definida pelo tipo de papel e contrato. 

Vantagens e Desvantagens de cada tipo de investimento

Uma boa maneira se decidir se um investimento é bom ou não para os seus objetivos é comparando as vantagens e desvantagens de cada uma deles, por isso, conheça agora alguns dos principais pontos positivos e negativos da previdência privada e do Tesouro Direto.

Vantagens da previdência privada

  • Abatimento do Imposto de Renda – Caso você invista em um plano de previdência PGBL é possível abater o valor dos aportes, desde que respeite o limite de 12% do salário. 
  • Menor alíquota no longo prazo – O investidor de um fundo de previdência paga 10% de IR depois de 10 anos de aplicação
  • Flexibilidade – Caso você não esteja satisfeito com os resultados do seu pano, é possível fazer portabilidade da sua previdência para outra instituição. 
  • Gestão – como a previdência é um fundo de investimento, ela conta com gestão profissional que é responsável por aplicar e acompanhar o desempenho da carteira.
  • Incentivo a poupar – a previdência privada pode funcionar como um incentivador a poupar, portanto se você não tem esse hábito, a previdência pode ser uma boa alternativa para ajudá-lo.

Desvantagens previdência privada

  • Taxas – todos os fundo de previdência estão sujeitos à taxas de administração, que variam de acordo com a emissora. Além disso, algumas corretoras e bancos, ainda cobram outras taxas, como taxa de carregamento e taxa de custódia. É importante tentar evitar ao máximo essas taxas para garantir uma melhora rentabilidade do investimento. 
  • Período de Carência – os planos de previdência estão sujeitos à período de carência e a solicitação de saque antes do prazo estão sujeitas à alta tributação no curto prazo. Portanto, antes de fazer uma aplicação nesse tipo de investimento, é importante avaliar se você não vai precisar do dinheiro antes do prazo de carência.
  • Investimento inicial – Os fundos de previdência requerem um nível de investimento mínimo que pode variar entre R$ 5 mil e R$ 50 mil dependendo do fundo.

Vantagens do Tesouro Direto

  • Acessibilidade – O Tesouro Direto é um investimento bastante acessível à todos os investidores. O programa possui títulos com  investimento mínimo a partir de R$ 30.
  • Flexibilidade – O Tesouro Direto conta com diversas opções de investimento que podem ser divididas em três categorias: títulos indexados ao IPCA, títulos atrelados à taxa Selic, e títulos prefixados. 
  • Cupons semestrais – O Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais e o Tesouro Prefixado com Juros Semestrais pagam cupons a cada seis meses. Portanto, se você pretende usar o dinheiro ou fazer novos investimento, esses títulos podem ser uma boa opção.
  • Liquidez – os títulos do Tesouro Direto garantes boa liquidez para seus investidores, portanto podem ser uma boa alternativa para quem não sabe quando poderá precisar do dinheiro. Os títulos podem ser vendidos a qualquer momento pois o próprio governo garante recompra, porém o resgate ocorre em D+1.
  • Segurança – O Tesouro Direto é o investimento mais segura do país, afinal eles são garantidos pelo próprio Tesouro Nacional
  • Possibilidade de diversificação – O custo baixo dos investimento em títulos do Tesouro Direto podem facilitar a diversificação da carteira. 
  • Possibilidade de valorização do Título – o preço dos títulos pode variar de acordo com as expectativas dos juros futuros da economia. Nesse sentido, é possível comprar um título barato hoje e vender por um preço mais alto no futuro. 

Desvantagens Tesouro Direto

  • Tributação – Os títulos do Tesouro Direto estão sujeitos a tributação do IOF que acontece apenas no primeiros 30 dias da aplicação. Além disso, esses investimento também são taxados no IR, que segue a tabela regressiva de tributação de 22,5% até 15%. Assim, quanto maior o prazo de aplicação, menor o valor dos impostos. Tanto o IOF quando o IR cobrados incidem sobre o rendimento. 
  • Taxa – o Tesouro Direto está sujeito a uma única taxa, a de custódia. Ela corresponde a 0,25% ao ano e cobrada pela BM&FBovespa.

Conclusão: Fundos de Previdência ou Tesouro Direto?

Os  fundos de previdência privada são uma opção uma mais interessante para quem planeja fazer investimento de longo prazo e não planeja se preocupar com a gestão do dinheiro, afinal eles contam com gestão profissional. 

Esse tipo de investimento é muito usado para objetivos de aposentadoria, mas pode ser interessante para qualquer objetivo com prazo maior do que seis anos.

Já o Tesouro Direto é mais indicado para pessoas que não sabem ao certo quando vão poder precisar do dinheiro, afinal esse tipo de aplicação possui boa liquidez. 

Além disso, esses títulos também são mais voláteis, portanto, é possível fazer especulações com o investimento. 

De qualquer modo, decidir qual das duas opções é a melhor para investir, é responsabilidade total do investidor, afinal ninguém conhece melhor do que você seus objetivos e necessidades.

Antes de fazer investimentos em fundos de previdência privada ou títulos do Tesouro Direto, avalie com bastante cautela todos os custos, riscos e rentabilidade envolvidos na operação.