Os juros compostos, também chamados de juros sobre juros nem sempre podem ser vistos como algo positivo, sobretudo se você está pagando algum um empréstimo ou financiamento. 

Por outro lado, no mundo dos investimentos, os juros compostos podem ser uma importante aliado na hora de fazer seu dinheiro render mais. 

Leia este artigo até o final para entender como funcionam os juros compostos e como eles podem impulsionar o rendimentos dos seus investimentos ao longo dos anos. 

O que são juros?

Você certamente já ouviu falar sobre juros, mas você realmente sabe o que são os juros?

Os juros, de maneira bem simples, representam a remuneração do capital

Ou seja, ele representa o valor que deve ser pago por alguém que solicitou um empréstimo para o proprietário do capital emprestado. 

Nesse cenário, a felicidade da pessoa que recebe os juros é a tristeza do pagador. Por isso, muitas pessoas pensam que juros são ruins. 

E realmente são, se você está do lado do tomador do empréstimo. Por outro lado, se você está do lado do emprestador, então o cenário pode ser bastante promissor.

Se você é investidor, os juros são considerados amigos,e nesse caso podemos dizer que os juros compostos são os melhores amigos.

O que são juros compostos?

Ótimo, agora temos uma noção do que são juros, certo? Mas os juros compostos o que eles são?

Os juros compostos são recebimentos gerados não apenas sobre o valor principal aportado, mas também sobre os juros obtidos durante a aplicação.

Ficou um pouco confuso, deixa que te explico melhor:

Quando um investimento tem rentabilidade calculada a partir de juros compostos, significa que os juros serão aplicados sobre o valor do capital inicial investido mais cada juro eventualmente aplicado sobre esse capital.

Isso quer dizer que o valor gerado a partir dos juros de um período é automaticamente reinvestido fazendo com que a base de cálculo do juros cresça a cada período. 

Diferença entre juros simples e compostos 

Como falamos existem os juros e os juros compostos. Os juros representam basicamente duas modalidades: juros simples e compostos. 

Vamos falar agora um pouco mais sobre  diferença entre os dois tipos de juros. Assim vai ficar mais fácil entender como eles influenciam nas suas aplicações.

Como calcular os juros simples

Em resumo, os juros simples considera apenas o capital inicial. Veja a fórmula matemática do juros simples:

  • J = C x i x n

Onde:

  • J: juros
  • C: capital inicial
  • i: taxa de juros aplicada
  • t: Tempo (número de períodos da aplicação)

A partir dessa fórmula é possível realizar cálculos de juros simples. 

Você consegue me dizer, por exemplo, qual é o valor de resgate se aplicarmos R$ 1000,00 a uma rentabilidade de 2% ao mês durante 24 meses?

Certo! O valor do juros simples recebido é de R$ 480,00.

Para chegar a esse resultado basta substituir os valores na fórmula:

  • J = 1000 x 0,02 x 24
  • J = 480

Como calcular juros compostos

Já os juros compostos são exponenciais. Isso quer dizer, juros sobre juros. Por isso teremos de alterar a nossa fórmula para calcular os juros composto.

A fórmula, nesse caso, é a seguinte:

  • M = C x (1 + i)n

Onde

  • M: montante total
  • C: capital inicial
  • i: taxa de juros aplicada
  • t: Tempo (número de períodos da aplicação)

Veja um exemplo usando os mesmos dados do período anterior.  

  • M = 1000 x (1 +0,02)24
  • M = 1608,44 

Nesse caso R$ 1.608,44 é o valor total resgatado. Para chegar ao valor dos juros líquidos, basta subtrair do montante (M) o valor inicial da aplicação, no caso R$ 1.000,00. 

Dessa maneira, chegaremos a um juros de R$ 608,44.

Note que nos dois cenários o valor da aplicação e o prazo do investimento foram os mesmos, contudo no segundo modelo o valor dos juros foi maior. 

Isso porque no segundo cálculo o modelo de juros era composto. Ou seja, a cada período a base de cálculo para os juros crescia exponencialmente.  

Observando isso é possível perceber o poder dos juros compostos nos seus investimentos. 

Investimentos que usam juros compostos

Agora que você já sabe como funcionam os juros compostos e como eles podem impactar seus investimento, chegou a hora de te dizer quais ativos no mercado podem proporcionar esse benefício. 

Vamos começar com a renda fixa. TODOS os investimentos de Renda Fixa usam juros compostos para remunerar os investidores

Isso mesmo, todas as aplicações financeiras da modalidade incluindo CDB, LCI, LCA, Tesouro Direto,  debêntures, notas promissórias, entre outros usam juros compostos. 

Já quando falamos de renda variável as coisas são um pouco diferentes. Mas isso não impede que o investidor possa usar artifícios para gerar o mesmo efeito dos juros compostos ao longo do tempo. 

Você pode fazer isso, por exemplo, no mercado de ações reinvestindo os valores recebidos em proventos em novas ações. 

Imagine, por exemplo, que você tem 10 mil ações de uma determinada empresa, cujo Dividend Yield é de 10%. Nesse caso, com o valor recebido em dividendos você poderá comprar mais mil ações da empresa. 

Dessa forma, no primeiro ano de investimento a base de cálculo para seus proventos será sobre 10 mil, já no segundo será sobre 11 mil ações. 

Você também pode aproveitar o potencial dos juros compostos reinvestindo valores auferidos a partir da valorização de seus ações e cotas de fundos de investimentos.

Agora com essa dica mestre, você já sabe que tem um leque gigantesco de opções para poder escolher aquela que melhor te agrada.

Independente de qual for, o nosso amigo juros compostos vai estar lá para poder fazer seu dinheiro render ainda mais.

Juros compostos na prática

Como a base de cálculo aumenta a cada período, o efeito dos juros compostos é ainda mais forte naqueles investimentos de longo prazo. 

Vamos montar uma tabela para que você entende melhor o quão vale essa força.

Imagine dois investimentos. Ambos terão um capital inicial de R$ 1.000,00 mas rentabilidades diferentes. 

A aplicação de Juros Simples (investimento 1) terá rentabilidade de 10% a.a enquanto a de Juros Compostos (investimento 2) terá uma rentabilidade de 8% a.a

A primeira vista, você pode ficar com a primeira aplicação por pensar que por ter uma rentabilidade maior ela paga mais ao final. 

Mas será mesmo que os Juros Simples são a melhor opção nesse caso? Vejamos:

Vemos aqui o poder dos Juros Compostos!!!

Mesmo com uma rentabilidade menor, a aplicação em juros compostos (investimento 2) a longo prazo rendeu mais do que aquela de Juros Simples (investimento 1) que pagava 2% a mais ao ano.

Percebe que do primeiro ao sexto ano de investimento, a aplicação em Juros Compostos fica atrás, mas nos sétimo ano sua força de longo prazo se faz presente e vira o jogo.

Se continuarmos a fazer esses cálculos você veria que, quanto maior o tempo do investimento maior seria a diferença no resultado a favor dos Juros Compostos.

Isso porque, no primeiro caso o valor dos juros é calculado sobre o montante inicial, ou seja, R$ 1.000,00. 

Já no segundo caso o valor dos juros é calculado sobre o montante inicial mais o rendimento até o período, o famoso juros sobre juros. 

Conclusão

Os Juros Compostos são uma forte arma para os investidores de longo prazo, podendo garantizar uma boa renda para seus investimentos.

Antes de escolher seus investimentos, quaisquer que seja ele, coloque tudo na ponta do lápis e faça os cálculos.

Lembre-se que os juros compostos entregam uma vantagem ainda maior quando você tem o fator tempo a seu lado. 

Os investimentos de longo prazo têm uma rentabilidade maior, devido ao fato dos juros sobre juros fazerem com que seu dinheiro renda de forma exponencial.

Por isso, quanto antes você começar a investir, melhor. Assim você conseguirá aumentar o efeito dos juros compostos nos seus investimentos e atingir seus objetivos mais rápido.