Conhecer os indicadores de uma empresa, é fundamental para avaliar se o negócio vai bem ou não e assim tomar decisões em relação a ela. Nesse cenário, o Ebitda, um dos principais indicadores financeiro é bastante usados por analistas, investidores e demais interessados para avaliar uma companhia. 

O Ebitda, ajuda a entender os balanços das empresas e determinar possíveis potenciais de geração de caixa, com o intuito de determinar a evolução da produtividade e da eficiência do negócio ao longo dos anos. 

O que é o Ebitda?

O Ebitda, sigla em inglês para Earning Before Interest, Taxes, Depreciation and Amortization,  é um importante indicador financeiro usado para avaliar as empresas. Em português, o indicador é conhecido por Lajida – Lucros Antes de juros, impostos, depreciação e amortização. 

De modo geral, as empresa usam os resultados do Ebitda para conhecer o desempenho das operações em termos de fluxo de caixa. Nesse sentido, o indicador é um instrumento gerencial usado para análise do desempenho financeiro de uma empresa. 

Com ele é possível descobrir qual o desempenho do negócio em relação às suas atividades operacionais, excluindo efeitos de investimentos financeiros, empréstimos e impostos. 

Para que serve o Ebitda

O Ebitda é um indicador muito usado pelos analistas e investidores para avaliar a saúde financeira de uma empresa, e decidir se vale ou não a pena investir no negócio. 

A divulgação do Ebitda, portanto, oferece aos investidores ferramentas para conhecerem a realidade financeira da empresa e se ela está aumentando seu nível de competitividade e eficiência ao longo dos anos. 

Nesse sentido, o Ebitda mostra ao analista qual o potencial de geração de caixa da empresa, pois indicada qual montante foi gerado a partir dos ativos operacionais. 

Como o indicador desconta os efeitos de juros e impostos, é possível, por exemplo, comparar duas empresas de países diferentes, sem a necessidade de incluir no cálculos as possíveis diferenças de juros e impostos em determinados países. 

Portanto, o Ebitda pode ajudar avaliar uma empresa além da conjuntura de financiamento e alavancagem no qual ela está inserida e mostra de maneira ampla a situação operacional. 

Contudo, apesar de um importante indicador, o Ebitda não ser avaliado separadamente para tomar decisões na hora de escolher em qual empresa investir. Outro indicadores como lucro líquido e evolução do faturamento também devem ser avaliados. 

Até 2012 não havia padronização no modelo de cálculo do Ebitda. As empresa podiam, portanto, adotar métodos distinto para o seu cálculo. 

Nesse cenário, fazer uma análise comparando as empresas entre si através do indicador era complicado. Além disso, não havia consenso de como avaliar determinada empresa e verificar se o negócio era rentável, ou não. 

Diante desse impasse, A CVM – Comissão de Valores Mobiliário, editou a instrução CVM n° 527/2012 e estabeleceu uma série de parâmetro para padronizar as informações usadas  para calcular o Ebitda.

Com a uniformização dos cálculos, os investidores, analistas, instituições financeiras e outros interessados ganharam maior confiança nos dados divulgados para performance financeiras das empresa. Além disso, as comparações entre concorrentes do mesmo setor usando o Ebitda se tornaram mais seguras

Como calcular o Ebtida?

A fórmula para calcular o Ebitda é: 

  • EBITDA = Lucro Operacional Antes do Imposto de Renda e Receitas/Despesa Financeira + Depreciação + Amortização

Portando, o primeiro passo para calcular o indicador é conhecer o lucro operacional. No Brasil, para achar o valor da métrica basta subtrair da receita líquida os custos das mercadorias/serviços vendidos, das despesas operacionais e das despesas financeiras líquidas. 

Depois que encontrar o lucro operacional, para achar o valor do Ebitda, basta somar a ele a amortização e a depreciação incluída nos custos e despesas operacionais.

A depreciação precifica a perda produtiva de determinado ativo, em decorrência do tempo ou desgaste, e isso se refere à própria produção e ao desempenho operacional. Portanto, a depreciação mostra a perda desse valor para empresa.

Ficou confuso? Tudo bem! Vamos ver um exemplo prático do cálculo de como calcular Ebitda.

Para entender a aplicação do Ebitda, vamos partir de uma Demonstração do Resultado de Exercício (DRE) hipotética de uma empresa XPTO, que possui Receita Operacional Bruta de R$ 12.000,00.

Vamos lá?

DRE DA EMPRESA XPTO
Receita Operacional Bruta:12.000,00
(-) Deduções da Receita Bruta:(1.500,00)
(=) Receita Operacional Líquida:10.500,00
(-) Custo dos Produtos Vendidos:(6.000,00)
(=) Lucro Bruto:4.500,00
(-) Despesas Operacionais:(2.200,00)
Despesas com Vendas Administrativas:(1.200,00)
Resultado Financeiro(1.000,00)
(=) Lucro Operacional:2.300,00

Pronto, temos aí as informações necessárias para o cálculo do Ebitda.

Seguimos:

DRE DA EMPRESA XPTO
Receita Operacional Bruta:12.000,00
(-) Deduções da Receita Bruta:(1.500,00)
(=) Receita Operacional Líquida:10.500,00
(-) Custo dos Produtos Vendidos:(6.000,00)
(=) Lucro Bruto:4.500,00
(-) Despesas Operacionais:(1.200,00)
Despesas com Vendas e Administrativas:(1.200,00)
(=) Ebit3.300,00
(+) Depreciação e amortização300,00
(=) Ebitda3.600,00
(=) Ebitda em percentual da Receita Operacional Bruta30%

Viu como não é tão difícil quanto parecia?

Como o Ebitda é usado na tomada de decisões?

O Ebitda é um importante indicador que possibilita medir de maneira eficiente os resultados de uma empresa, uma vez que não incorpora em seu cálculo efeitos financeiros e possíveis decisões contábeis. 

Através dele é possível conhecer a origem dos recursos e o potencial de ganho ou a origem de possíveis prejuízos. 

Nesse sentido, investidores, instituições  financeiras e demais interessados usam a variação do Ebitda como forma de avaliar o potencial de crescimento de um negócio e, assim, determinar quais são interessantes para investimento e quais devem ser descartados. 

Se o indicador estiver aumentando, significa que  empresa está conseguindo ser produtiva e eficiente. Por outro lado, se o indicador está diminuindo, quer dizer que há algo errado com o crescimento do negócio. 

Contudo, é importante relembrar que o Ebitda se avaliado separadamente pode resultar em avaliações errôneas. Para garantir uma melhor análise de um negócio é importante considerar outros instrumentos. 

Qual a diferença entre Ebitda e EBIT

Os dois indicadores são amplamente usados pelas empresas e pelos interessados em seus resultados, mas, apesar da semelhança no nome, cada um deles apresenta resultados bem distintos. 

O EBIT, sigla em inglês para Earnings Before Interest and Taxes,  que em português quer dizer Lucros antes dos Juros e Tributos – Lajir, apresenta o lucro operacional da empresa excluindo o resultado financeiro, juros sobre capital próprio, dividendos e outros resultados não operacionais. 

Através desse indicador é possível saber qual é o real lucro contábil de uma empresa, a partir das atividades que de fato fazem parte do negócio. Isto é, quanto a companhia teve de lucro considerando apenas as atividades-fim. 

No caso do Ebitda, no entanto, o objetivo principal é conhecer os resultados que refletem diretamente no caixa da empresa. 

Nesse sentido, a grande diferença entre o Ebitda e o EBIT é que o primeiro indicador considera em seu cálculo, efeitos da amortização e da depreciação, enquanto o segundo não considera esses dois fatores.