Como investir na Bolsa de Valores com pouco dinheiro? Essa uma das principais dúvidas entre as pessoas que querem investir na Bolsa mas têm poucos recursos disponíveis para aplicar. 

A Bolsa de Valores é um dos investimentos mais rentáveis do mercado, mesmo assim são pouquíssimos os brasileiros que possuem algum tipo de aplicação na B3. 

Isso porque muita gente pensa que a Bolsa de Valores é uma ambiente muito complexo, destinado apenas para os investidores muito experientes e que têm muito dinheiro para investir. 

Mas isso não é uma verdade. A Bolsa de Valores possui uma infinidades de produtos que são bastante acessíveis mesmo para quem ainda está começando a investir e não dispõem de uma capital tão grande.

Portanto, se você quer se tornar um investidor da Bolsa mas tem pouco dinheiro, leia este artigo até o final.

O que é a Bolsa de Valores?

A Bolsa de Valores é o ambiente onde são negociadas títulos e valores mobiliários como ações, fundos de investimentos, contratos futuros, opções, títulos de renda fixa, entre outros produtos. 

Ela funciona  como um ponto de encontro entre os investidores e oferece uma ambiente seguro para que eles possam negociar seus títulos de maneira prática e eficiente. 

Por exemplo, se você quer comprar uma ação vai precisar encontrar outro investidor que tenha o determinado ativo e queira vendê-lo. É na Bolsa de valores onde você vai encontrar esses investidor e também onde vai conseguir realizar sua operação de compra.

Ela garante que quem vende um ativo, como uma ação, por exemplo, vá receber o valor devido por ela e ao mesmo tempo garante que quem comprou essa ação receberá seu ativo. 

Dessa maneira, a Bolsa de Valores funciona como mercado de ativos financeiros, garantindo que todas as operações realizadas através de seu sistema corram de maneira simples, eficiente, segura e justa. 

Como funciona a Bolsa de Valores?

Como dissemos, a Bolsa funciona como um mercado de produtos financeiros onde os compradores encontram os vendedores para negociar os seus ativos. 

O processo de compra e venda de um ativo na Bolsa de Valores é bem fácil e pode ser feito de qualquer lugar através de um celular ou computador ou por meio do contato direto com a corretora de valores

Toda as negociações são realizadas nesse mercado são efetuadas pelo sistema da B3, a Bolsa de Valores brasileira, que surgiu após a fusão da BM&FBovespa com a CETIP– Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos. 

A B3 é uma instituição privada regulamentada pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários) e possui muitas regras para seu funcionamento.  

O horário de negociação da bolsa ocorre entre 09h:30min e 18:00h, porém esse horário pode variar de acordo com o produto financeiro que você deseja negociar.

Veja abaixo uma tabela geral com o horário de funcionamento da Bolsa de Valores:

Pré-abertura

A pré-abertura funciona como um leilão para o início das negociações. Nesse horário você pode enviar ordens de compra e venda de ativos antecipadamente, porém a transação só será efetuada quando o mercado abrir de fato. 

Na pré-abertura são definidos preços de abertura dos ativos. 

Negociação

No horário de negociações é que ocorrem as operações normais de compra e venda de ativos. 

Call de fechamento

O call de fechamento dura apenas cinco minutos e aconteceu no final do horário de negociação de ativos. Nessa hora são aceitas ordens de compra e venda de ativos para determinar o seu preço de fechamento. .

After market

Depois que o mercado de ações fecha, acontece o after market, que é uma “hora extra” negociações que tem como objetivo atender aos investidores que não conseguiram realizar suas operações no horário normal de negociações. 

Dá para investir na Bolsa de Valores com Pouco dinheiro?

Muita gente pensa que a Bolsa de Valores é um ambiente restrito aos investidores com muito dinheiro disponível, mas essa é uma ideia equivocada. 

Na verdade a Bolsa de Valores é um dos investimentos mais acessíveis do mercado e também um dos mais rentáveis. 

Você pode começar a investir em ações da Bolsa de Valores, por exemplo, com menos de R$ 100. Na verdade você começar com muito menos do que isso, dependendo do ativo que escolher. Na bolsa você encontra opções de ações que custam menos de R$ 5 reais. 

Qual o valor mínimo para começar a investir na Bolsa?

Na bolsa de valores não existe um valor mínimo para você investir. Esse valor vai depender de qual produto deseja negociar. Nela você vai encontrar uma infinidade de ativos, entre ações, mercado futuro, fundos de investimentos, título públicos federais, entre outros.

No mercado fracionário de ações, por exemplo, é possível começar comprando qualquer quantidade de ações, portanto o valor mínimo para o investimento é o valor de uma ação que pode custar menos de R$ 5. 

Para operar no mercado fracionário basta digitar o código da ação e acrescentar a letra F no final. Por exemplo, se você quiser comprar ou vender ações da Petrobras no mercado fracinárionário o código é PETR3 para ações ordinárias ou PETR4F para ações preferenciais.

Você também pode encontrar opções de fundos de investimentos e outros ativos com um valor bastante razoável se você está começando agora. 

Porém, dependendo do tipo de investimento e da corretora que você escolher ainda existem outros custos para investir na Bolsa de valores.

Quanto custa para investir na Bolsa de Valores?

Para investir na Bolsa na Bolsa de Valores você precisa estar ciente dos custos envolvidos nas operações. Entre os principais valores cobrados pelos investimentos estão:

  • Taxa de Corretagem: a taxa de corretagem é um valor cobrado pelas corretoras para compra e venda de ações, fundos e outros ativos. Esse custo não é fixo e pode variar entre uma corretora e outra ou entre os próprios produtos. Por isso, na hora de escolher sua corretora, faça uma boa avaliação dos custos da instituição. Com o mercado cada vez mais concorrido, algumas corretoras oferecem taxa zero para investimentos em ações, fundos e contratos futuros, por exemplo.
  • Taxa de custódia: a taxa de custódia é cobrada pela instituição onde você mantém seus ativos pela custódia deles. Esse valor é cobrado mensalmente e varia muito entre as instituições, inclusive, muitas corretoras hoje oferecem taxa zero de custódia para determinado produtos. 
  • Taxa de emolumentos: a taxa de emolumentos é cobrada pela B3, e é proporcional ao valor envolvido em todas suas compras e vendas de ações.

Além desses custos que são bastante comuns no mercado, ainda existem outros custos específicos que estão ligados a cada de tipo de produto. 

No caso dos fundos de investimentos, por exemplo, existe a incidência de uma taxa de administração e, em alguns casos, taxa de performance. 

Por isso, na hora de escolher onde você quer investir é preciso analisar todos os custos envolvidos na operação para garantir o melhor resultado possível.

Imposto de Renda da Bolsa de Valores

A tributação do Imposto de Renda na Bolsa de valores também varia de acordo com o tipo de produto que você escolher. 

No mercado de ações, por exemplo, o investidor fica isento de imposto de renda se a soma de suas vendas no mês for menor do R$ 20 mil. Caso o valor das vendas ultrapasse esse limite a alíquota do Imposto de Renda é de 15% sobre o lucro que você obteve com as operações. 

Por outro lado, para quem compra e vende ações no mesmo dia (day trade) toda operação com lucro é tributada. A alíquota nesse caso é de 20% sobre o lucro. 

Melhores investimentos na Bolsa para quem tem pouco dinheiro 

Se você possui pouco dinheiro para investir, com certeza pode operar na Bolsa de Valores, mas alguns produtos podem ser mais indicados para você. 

Veja algumas opções para investir na Bolsa de Valores com pouco dinheiro:

Tesouro Direto

O Tesouro Direto é o programa do governo em parceria com a B3 que negocia títulos públicos federais, portanto, quando você investe em algum título do Tesouro está emprestando dinheiro para o governo e em troca recebe juros sobre o capital investido. 

O dinheiro levantado através do Tesouro Direto é usado para financiar setores importantes na economia, como educação, saneamento, infraestrutura, entre outros. 

Os títulos do Tesouro Direto contam com garantia do Tesouro Nacional, por isso são os produtos com menor risco do mercado, porém esses títulos de renda fixa estão sujeitos a tributação, que segue a tabela regressiva de IR. 

Nas prateleiras do programa você vai encontrar basicamente três tipos de títulos:

  • Prefixado – O Tesouro Prefixado possui rentabilidade fixa determinado por um percentual acordado no momento do investimento. Dessa maneira, na hora da aplicação você já sabe exatamente quando seu dinheiro vai render até o prazo de vencimento do título.
  • Pós-fixado (Tesouro Selic) – Esse tipo de título têm sua rentabilidade atrelada a um indicador da economia, no caso, a Taxa Selic. Nesse sentido, não é possível saber exatamente quando o seu dinheiro vai render no momento da aplicação, porém, como a Taxa Selic é bastante previsível é possível ter uma noção muito realista do rendimento. 
  • Híbrido (Tesouro IPCA +) – O Tesouro IPCA + possui parte de sua rentabilidade fixa determinada por um percentual acordado no momento do investimento e outra parte pós-fixada atrelada à Inflação da economia. 

O valor mínimo para investimento no Tesouro Direto é um atrativo para investidores que tem pouco dinheiro. Com, mais ou menos, R$ 30 reais você já pode começar a investir em títulos federais pelo Tesouro Direto.

Fundos de Ações

Os fundos de ações funcionam como um condominios em que os investidores se unem para aplicar seu dinheiro em ações. 

Nesse caso o dinheiro o dos investidores é administrado por profissionais experientes que se propõem a trazer maior rentabilidade para os cotistas. Essa pode ser uma boa alternativa para quem está começando. 

Além disso, os fundos permitem maior diversificação da carteira. Quando você compra uma cota de um fundo passa a ter direito a todas as aplicações do fundo. Portanto, com os fundos de ações você pode ter vários ativos em um único produto. 

O valor mínimo para a aplicação também é bem interessante para investidores que dispõem de pouco capital. Na Bolsa de Valores você pode encontrar fundos cujas cotas custam a partir de R$ 100. 

No entanto, como já dissemos, os fundos de investimentos possuem taxa de administração e, em alguns casos, taxa de performance o que pode reduzir os ganhos. 

Nos fundos de ações o IR só incide no momento do resgate da sua aplicação.

ETFs (Exchange Traded Funds)

Os ETFs são fundos de índices que tem como objetivo seguir de perto a performance de algum índice, como o Índice Bovespa, por exemplo. 

No caso dos ETFs o lote mínimo para investimento é de 10 cotas que você pode negociar na Bolsa de Valores. 

Para esses esse tipo de fundo as taxas de administração costumam ser menores, o que pode ser uma boa alternativa para quem busca investimentos mais acessíveis. 

Contudo, você deve estar atento às taxas de corretagem e de custódia que podem comprometer o retorno dos investimento. 

Vantagens de investir na Bolsa de Valores

Se você chegou até já sabe que pode investir na Bolsa de Valores com pouco dinheiro, certo? Mas quais as vantagens de fazer isso? É essa pergunta que vamos responder agora.

Veja algumas vantagens de investir na Bolsa de Valores com pouco dinheiro.

Rendimento melhor do que a poupança

Uma das vantagens que mais atraem os investidores para a Bolsa de Valores é a possibilidade de ganhar mais dinheiro do que aplicando na poupança. 

Não é segredo para ninguém que o rendimento da poupança é péssimo, o que faz dela um  um dos piores investimentos do mercado. Em alguns casos, seu rendimento pode ser tão baixo que não consegue nem cobrir a inflação. 

Nesse casos,o dinheiro que você deixa na poupança, ao invés de gerar retorno, está perdendo poder de compra. 

Assim, quando você resgatar seu dinheiro, pode não conseguir usá-lo da maneira como imaginou, pois os produtos ficaram mais caros em decorrência da inflação e o seu dinheiro não conseguiu acompanhar esse movimento nos preços. 

Contudo, você deve ter em mente que o maior potencial de retorno da Bolsa de Valores também está relacionado a um risco maior. 

Mas isso não precisa ser um problema, existem muitos produtos e ferramentas que você pode usar para minimizar os riscos e garantir o melhor rendimento das suas aplicações. Um dica boa, nesse sentido, é montar uma carteira diversificada de investimentos. 

Se você quiser aprender como montar uma carteira de investimentos diversificada veja o vídeo que preparamos para você.

Possibilidade de construir uma trajetória de sucesso

Investir na Bolsa de Valores com pouco dinheiro é uma ótima ideia para quem está começando sua trajetória no mercado financeiro e ainda não possui muito conhecimento. 

Assim você pode fazer pequenas aplicações para pegar o ritmo do mercado e se algo der errado o prejuízo será menor, justamente porque a aplicação foi mais baixa. 

Com o passar do tempo você vai ganhar experiência no mercado e ficar confiante para fazer aplicações mais volumosas, inclusive poderá usar o dinheiro que ganhou no começo para fazer essas aplicações. 

Dá para ganhar dinheiro na Bolsa mesmo investindo pouco?

A resposta para essa pergunta é simples: Sim, dá para ganhar dinheiro investindo na Bolsa de Valores com pouco dinheiro

Contudo, você precisa ter em mente que o rendimento das suas aplicações vão ser proporcionais ao tamanho do seu investimentos. 

Ou seja, mesmo que você consiga um retorno excelente de 50% em um ano de aplicação, se sua carteira é de R$ 1.000, no final do período você vai ter R$ 1.500. Isso quer dizer que você não vai ficar rico da noite para o dia.

O que você precisa ter em mente é que sucesso dos investimentos na Bolsa de Valores não depende de sorte e sim de muita disciplina, persistência e dedicação. Esse é o segredo de grandes investidores como Warren Buffett e Luiz Barsi. 

Portanto, faça um bom planejamento para seus investimentos ,defina sua estratégia e tenha muita paciência. Mesmo que as coisas não saiam como você imaginou no começo, com o tempo você poderá reajustar seu investimentos e atingir os seus objetivos. 

Conclusão – Como começar a investir na Bolsa de Valores com pouco dinheiro

Se você está pensando em como começar a investir na Bolsa com pouco dinheiro, veja esses passos simples que vão te ajudar a atingir iniciar sua trajetória com o pé direito. 

Escolha sua corretora de valores e abra uma conta

Em primeiro lugar, se você quer investir na Bolsa de Valores, deverá escolher uma corretora e abrir uma conta. É através da conta na sua corretora que você vai negociar os títulos e valores mobiliários que escolher para investir. 

O mercado está recheado de corretoras de valores e cada uma delas possui vantagens diferenciadas para atrair seus clientes. 

Na hora de escolher uma corretora avalie os custos cobrados pela instituição para cada tipo de investimento, qualidade do atendimento ao cliente, credibilidade no mercado, entre outros fatores. 

Se estiver em dúvida sobre qual corretora escolher temos um artigo que pode te ajudar: Melhores Corretoras do Brasil segundo Opinião de Seus Usuários

Depois que escolher sua corretora abra uma conta e transfira o dinheiro que quer investir.

Conheça o seu perfil de investidor

Agora que você já tem uma corretora está hora de conhecer seu perfil de investidor. Nesse passo já ter conta em uma corretora vai te ajudar bastante. 

Quando você abre conta em uma corretora tem acesso gratuitamente ao teste de perfil da instituição.

Conhecer o seu perfil de investidor vai ser muito útil na hora de escolher os melhores produtos para você. 

O teste de perfil leva em consideração o momento em que você na sua vida financeira, grau de tolerância ao risco, conhecimento do mercado, entre outros fatores.

Existem basicamente três perfis de investidor:

  • Conservador – os investidores com esse perfil são menores tolerantes ao risco e valorizam a segurança acima de qualquer coisa. Para quem é conservador o mais indicado é manter a maior parte da carteira de investimento alocada em ativos mais seguros como o Tesouro Direto, por exemplo. 
  • Moderado – os investidores com perfil moderado estão dispostos a correr um pouco mais risco de em busca de uma rentabilidade melhor. O mais indicado nesse caso é manter a maior parte dos recursos investidores em ativos mais seguros e alocar uma parcela (até 20% da carteira) investida em ativos mais arriscados, como fundos de ações, por exemplo. 
  • Arrojado – os investidores com perfil arrojado são os que mais estão dispostos a correr riscos no mercado em busca de uma rentabilidade melhor para suas aplicações. Esses investidores têm melhor conhecimento do mercado e conseguem lidar com frieza com as perdas no curto prazo. Para os arrojados o leque de opções é maior e inclui opções mais arriscadas como ações, fundos de investimentos, fundos imobiliários, mercado futuro, entre outras.

Defina quais são os objetivos financeiros 

É muito mais fácil chegar a algum lugar quando você sabe onde quer chegar, por isso, definir os seus objetivos é um passo muito importante se você quer ter sucesso nos investimentos. 

Não importa se o seu objetivo é mais simples como fazer uma viagem, comprar um carro, juntar R$ 10 mil, enfim. De qualquer maneira você deve ter uma meta definida que vai ser o norte dos seus investimentos. 

Monte sua carteira de investimento

Agora que você já conhece seu perfil e sabe onde quer chegar com seus investimentos está na hora de escolher onde investir de fato. 

Essa parte exige um pouco de dedicação. É preciso estudar sobre os mais diferentes ativos para escolher aqueles que se enquadram no seu perfil e tenham melhor possibilidade de retorno para te ajudar a atingir suas metas. 

Se você estiver disposto pode contratar um assessor de investimento para te ajudar a montar sua carteira. Esses profissionais são especializados no assunto e podem te auxiliar a encontrar as melhores aplicações financeiras de acordo com que você busca.

Invista e acompanhe seus investimentos

Depois de montar sua carteira já pode começar a investir. 

Não se esqueça de acompanhar o desempenho da sua carteira periodicamente para ver se as coisas estão saindo como esperado. Se for necessário você pode fazer reavaliação das aplicações e realocar os recursos.