Como investir em ações na Bolsa de Valores? Essa é uma dúvida muito comum para quem está iniciando sua trajetória no mundo dos investimentos e ainda não sabe como funciona o mercado de ações. 

O mercado de ações é um dos mais rentáveis e se torna ainda mais interessante no atual cenário de taxa de juros baixas fazendo com que os investimentos em renda fixa sejam menos atraentes. 

Apesar da boa possibilidade de retorno, investir em ações pode ser não ser uma tarefa tão simples, por isso fizemos este artigo com algumas dicas de como iniciar sua trajetória no mercado de ações de maneira eficiente. 

O que são ações?

As ações, muito comumente chamadas no mercado de papéis, são pequenas parcelas de uma empresa ou sociedade anônima que são negociadas na Bolsa de Valores

Quando uma empresa resolve expandir suas atividades e precisa de dinheiro para colocar em prática seus projetos, abrir capital na Bolsa de Valores pode ser uma alternativa interessante, por isso muitas empresas possuem capital aberto. 

Com isso, qualquer investidor devidamente registrado no sistema da B3 no Brasil pode adquirir as ações negociadas no mercado e se tornar parte do grupo de acionistas de uma empresa. 

As ações de uma empresa conferem aos seus detentores participação no negócio, isso inclui as obrigações e também os lucros, assim, quanto maior o número de ações que um investidor possui, maior sua responsabilidade e também seu retorno, caso a empresa seja lucrativa. 

Porém, é importante ressaltar que existem diferentes tipos de ações e cada uma delas possui características distintas e oferecem direitos e deveres diferentes aos acionistas. 

Tipos de Ações

Se você pensou que as ações são todas iguais, só muda a empresa, se enganou. No mercado existem diferentes tipos de ações, e cada uma delas conta características, riscos e vantagens diferentes. 

Vamos ver agora alguns tipos diferentes de ações negociadas no mercado.

Ações Ordinárias

As ações ordinárias, geralmente negociadas na Bolsa de Valores com o número no 3 no final (PETR3), garantem aos seus detentores o direito de participação e voto nas tomadas de decisões da companhia. 

O impacto dessa participação, no entanto, está relacionado ao tamanho da participação do acionista no capital social da empresa. Quanto maior o número de ações ordinárias, mais próxima é a atuação do acionista à administração do negócio. 

Assim, grandes acionistas conseguem ter bastante influência sobre os rumos da empresa, ao passo que a participação dos acionistas menores é pouco relevante. 

Ações Preferenciais

As ações preferenciais (PN) são geralmente negociadas com o número 4 no final do código. Um exemplo são as ações preferenciais da Petrobras, PETR4

Esse tipo de ação, ao contrário das ações ordinárias, não permite que o seu detentor tenha direito a voto nas assembleias da empresa. 

Contudo, elas oferecem preferência para seus investidores na hora do recebimento de lucro, como pagamento de dividendos ou compensação caso a empresa quebre.

Units

As Units (Certificado de Depósito de Ações) são, na verdade, uma espécie de pacote, composto por mais de um tipo de ativo. Uma Unit, por exemplo, pode ser composta por 2 ações preferenciais e uma ação ordinária. 

Portanto, quando um investidor compra uma Unit ele está comprando um único papel que possui outros papéis em sua composição. 

Geralmente as Units são negociadas com o número 11 no final do código como, por exemplo, as Units da Taesa que são negociadas na Bolsa com código TAEE11.

Como funciona o mercado de ações

O mercado de ações ocorre na Bolsa de Valores que é o ambiente onde os investidores podem negociar de maneira rápida e segura ações e outro títulos e valores mobiliários. 

Quando uma pessoa resolve comprar uma ação, ela precisa achar alguém que esteja disposto a vender o seu papel e é na Bolsa de Valores onde esses dois agentes se encontram e realizam seus negócios, caso seja do interesse deles. 

Dessa maneira, a Bolsa de Valores funcionam como um mercado de produtos financeiros, possibilitando que todos os interessados possam comprar e vender seus títulos de maneira rápida, eficiente e segura. 

No mercado de ações a história toda começa quando uma empresa resolve abrir capital na Bolsa de Valores e colocar suas ações no mercado de modo que fiquem disponíveis para os investidores interessados. 

Geralmente essas companhias fazem isso para levantar capital para financiar suas atividades ou algum projeto do negócio. 

Para colocar suas ações no mercado a companhia realiza uma IPO (Initial Public Offering) ou Oferta Pública Inicial, em português. Na IPO os papéis são negociado diretamente entre a empresa emissora e os investidores, isso é que chamamos de mercado primário

No mercado primário é definida a relação entre a oferta e a demanda do título da empresa, o que é muito relevante para definir os preços.

Depois que as ações já foram adquiridas pelos investidores, elas continuam a ser negociadas no mercado, porém, agora entre os próprios investidores sem interferência da companhia emissora, no que chamamos de mercado secundário.

São muitos os motivos pelo qual um investidor pode querer vender sua ação no mercado secundário, pode ser porque ele precisa resgatar seu dinheiro ou porque ele já obteve a valorização que queria e agora deseja realizar seus lucros, enfim. 

Quando isso ocorre, o investidor detentor da ação dá a ordem de venda de seus ativos através do sistema da sua corretora, estipulando o valor que pretende levantar pela venda deles. 

O sistema da corretora de valores, então, envia a ordem para o sistema da B3. 

Do outro lado, um investidor interessado em adquirir os ativos lança uma ordem de compra, estipulando o valor que está disposto a pagar pelo ativos. 

Essa ordem também é enviada para o sistema da B3 a bolsa de valores brasileira surgiu fundada a partir da fusão da BM&FBovespa com a CETIP– Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos, responsável por grande parte da integração do mercado financeiro.

Quando essas duas ordens, de compra e venda, chegam com o mesmo preço ao sistema da Bolsa de Valores, o negócio é fechado. 

Embora possa parecer um pouco complicado e confuso, todo esse processo é bastante rápido e pode ser feito pela internet através de um celular ou notebook ou, ainda, através do contato direito com a corretora. 

Contudo, é preciso estar atento ao horário de negociação da Bolsa de Valores que pode variar um pouco entre os diferentes tipos de produto negociados na Bolsa, mas em geral, você pode realizar negociações na Bolsa entre 9h30min e 18h

Horário de negociação

Veja agora um tabelas com os horários de funcionamento da B3.

Veja abaixo uma tabela geral com o horário de funcionamento da Bolsa de Valores:

horarios bovespa

Pré-abertura

Na pré-abertura da Bolsa de Valores é realizado uma espécie de leilão para dar início às negociações do dia, nesse momento são definidos o preço de abertura dos títulos. 

Durante a pré-abertura você pode enviar ordens antes de o mercado abrir, contudo ele só será concluído quando o mercado realmente abrir. 

Negociação

No período de negociação são realizadas as transações normais de compra e venda de ativos 

Call de fechamento

O call de fechamento tem duração de cinco minutos e ocorre entre 16h55min e às 17h. Esse momento serve para que os investidores possam emitir ordens de compra e venda de ativos para determinar o valor de fechamento de um ativo naquele pregão. 

After market

Depois do fechamento do mercado, acontece o after market, que funciona com uma hora extra de negociações, permitindo que os investidores que não conseguiram realizar sua operações durante o horário normal tenham uma possibilidade de fazê-las. 

Como começar a investir em ações na Bolsa de Valores

Agora que já falamos um pouco mais sobre o que são as ações e como funciona o mercado desses papéis, vamos te dar algumas dicas de como começar a investir em ações

Embora esse mercado parece muito complexo e arriscado (e realmente ele pode ser se você não se planejar) existem alguns passos que você deve seguir para conseguir entrar no mercado de ações com o pé direito. 

1. Faça seu planejamento financeiro

Antes de fazer qualquer investimento, seja na Bolsa de Valores ou em qualquer outro mercado, você deve fazer uma bom planejamento financeiro. Isso vai te ajudar a colocar suas contas em dia e definir quanto você poderá aplicar mensalmente. 

Na hora de fazer planejamento seja honesto com seu dinheiro, tente ajustar as contas evitando gastos desnecessários e delimite exatamente quanto pode gastar e quanto deve guardar. 

Se você tiver dúvidas sobre como fazer isso, veja nosso artigo com 10 passos para montar seu planejamento financeiro anual.

2. Trace seus Objetivos

Depois que fizer seu planejamento financeiro, você deve traçar os objetivos que deseja alcançar com seus investimentos. 

Se você tem um objetivo de longo prazo, por exemplo, juntar R$ 1 milhão em 30 anos, o ideal é dividir o objetivo final em metas de prazo menores de 2, 5, 10, 15, 20 anos, por exemplo. 

Quanto menor o prazo do objetivo mais fácil será para manter o controle das aplicações, portanto, mais fácil atingi-lo. Afinal é mais fácil você saber o que vai acontecer daqui a um ano do que o que vai acontecer daqui a 30 anos. 

3. Abra Conta em uma corretora de valores

Se você quer saber como começar a investir em ações na Bolsa de Valores, o terceiro passo é escolher uma corretora de valores

A escolha de uma corretora adequada é muito importante para o resultado dos seus investimentos. Em primeiro lugar avalie a credibilidade e confiabilidade da instituição no mercado, se for confiável, parta para outros pontos da avaliação. 

Se o foco é investir em ações, procure por corretoras com sistemas completos, que te ofereçam uma boa experiência. 

Uma dica nessa hora, é testar o Home Broker de várias corretoras para ver qual mais se adapta às suas necessidades. Para conhecer o HB de uma corretora você só precisa abrir conta em uma instituição, o que é gratuito. 

Outros pontos que você deve avaliar na hora de escolher sua corretora de investimento são a qualidade do atendimento e a oferta de produtos e materiais que possam agregar conhecimento sobre o universo dos investimentos. 

Por mais que você já tenha algum conhecimento sobre o mercado, em alguns momentos pode precisar da assistência da sua corretora, por isso procure por instituições com serviços de atendimento mais fáceis e eficientes.

Não esqueça de ver se a corretora oferece algum material que possa te ajudar a melhorar a qualidade das suas aplicações. Muitas corretoras oferecem materiais educativos além de relatórios e análises que podem facilitar sua vida na hora de investir. 

Por fim, você também deve levar em consideração os custos de investimento da corretora. Algumas instituições oferecem corretagem zero para investimentos em ações, mas outras podem cobrar pelo serviços. 

O ideal é que os custos do investimento não sejam superiores ao valor de 2% da sua carteira de investimento

Avalie os custos juntamente com outras características da empresa para garantir a melhor escolha. Quando escolher sua corretora, abra sua conta e parta para o próximo passo. 

4. Conheça seu perfil de investidor

Outro passo muito importante que você deve realizar antes de começar a investir na Bolsa de valores é descobrir qual o seu perfil de investidor, assim, você saberá se esse mercado é realmente indicado para você e quais ativos você deve ter em sua carteira. 

Geralmente, quando você abre conta em um corretora tem acesso ao teste para conhecer seu perfil de investidor

Na hora de fazer esse teste seja muito honesto respondendo as perguntas. O resultado correto do teste vai te ajudar a definir como dividir seu dinheiro corretamente entre os diversos produtos financeiros disponíveis no mercado. 

Existem basicamente três tipos de perfis de investidor:

  • Conservador: esse tipo de investidor tende a valorizar antes de qualquer coisa a segurança das suas aplicações. Nesse caso, o mais indicado é que a maior parte do dinheiro seja aplicada em ativos mais seguros, como títulos do Tesouro Direto, por exemplo. 
  • Moderado: o investidor moderado está disposto a correr um pouco mais risco em busca de uma maior rentabilidade. Contudo, ele ainda valoriza muito a segurança. Para investidores com esse perfil, é indicado manter a maior parte do dinheiro aplicado em títulos mais seguros, porém, é possível aplicar uma parte menor da carteira (até 20%) em ativos mais arriscados, como as ações, por exemplo. 
  • Arrojado: o investidor com perfil mais arrojado é o que mais está disposto a correr riscos, ele entende mais sobre a dinâmica do mercado e sabe que perdas no curto prazo são normais, por isso consegue manter maior tranquilidade em casos de queda. Esse tipo de investidor tem à sua disposição uma gama mais variada de ativos para investir e pode montar sua carteira com participação maior de ativos mais arriscados como as ações. 

O teste de perfil vai revelar o seu perfil de investidor, porém nada é definitivo, o resultado pode mudar à medida em que você ganha experiência ou muda de situação financeira, por exemplo. 

Por isso, não fique desapontado o resultado que você espera e refaça o teste periodicamente para manter as informações atualizadas. 

5. Defina sua estratégia

Definir a estratégia para investir em ações em fundamental. Nesse momento você deverá levar em consideração seus objetivos e o perfil de investidor. 

Existem diversos tipos de estratégias que você pode adotar para investir em ações. 

Se você é um investidor mais ponderado e tem foco no longo prazo, uma ótima estratégia  pode ser o buy and hold que consiste na compra de ações de empresas boas com prazo indeterminado para venda. 

Nesse caso você deve considerar compras regulares, diversificar sua carteira com cerca de 10 a 20 ativos, escolher empresas ou fundos imobiliários com bons fundamentos e reinvestir dividendos. 

Se o seu foco é investir no longo prazo, mas você ainda não sabe como fazer isso, o artigo “10 dicas para investir no em ações no longo prazo” pode te ajudar. 

Se o foco é investir com prazo um pouco maior, você pode operar no swing trade, que consiste na compra e venda de ações no curto e médio prazo. 

Por fim, para quem tem um perfil mais arrojado e pretende atingir objetivos de curtíssimo uma opção é o day trade, que consiste na compra e venda de ações no mesmo dia. 

O que se deve ter em mente na hora de escolher sua estratégia é que, quanto menor o prazo da operação, maior o risco. Por isso, antes de escolher sua estratégia, tenha certeza de que ela é mais indicada para seu perfil de risco e objetivos. 

6. Invista e acompanhe seus investimentos

Chegou a hora de investir. Se você seguir todas as dicas e seguir os passos que mencionamos acima, esse momento não vai tão difícil. Então mão à obra. Escolha seus ativos, entre no sistema da sua corretora e faça suas negociações. 

Depois de investir, não esquece de acompanhar o resultados dos seus investimentos para ver se as coisas estão saindo como planejado. Caso seja necessário, realize mudanças no seu planejamento. 

Porém, a menos que você seja um trader, evite acompanhar o mercado diariamente, as oscilações normais do dia-a-dia podem podem te levar a tomada de decisões erradas. 

Quais as vantagens de investir em ações

Se você chegou até aqui, pode estar se perguntando: será que vale a pena investir em ações?

Nós acreditamos que sim, porém, quem deve definir se fazer esse tipo de aplicação financeira é uma boa, ou não, é você mesmo, afinal, ninguém melhor do que você para definir como investir dinheiro. 

Porém, para te ajudar a solucionar essa possível dúvida, vamos te falar quais são as vantagens de investir em ações.  

Facilidade e Acessibilidade

Uma das principais vantagens dos investimentos em ações é a facilidade. Isso porque você pode operar nesse mercado de qualquer lugar do mundo usando a internet. 

Para isso, você só vai precisar de um notebook ou um celular e acesso à plataforma de alguma corretora. 

Além disso, não existe um valor mínimo para investir em ações. Você pode, por exemplo, comprar ótimas opções de ações por menos de R$ 20. 

Possibilidade de ser sócio de grandes empresas

Você já sonhou em ser sócio de uma grande empresa? Investindo em ações isso possível. 

Como dissemos, quando você investe em ações está comprando um pedacinho dela, portanto passa a ter participação nas responsabilidades, lucros ou prejuízos da empresa. 

Maior potencial de retorno

Os investimentos de renda variável são mais arriscados do que os produtos de renda fixa, mas em compensação exibem maior possibilidade de retorno. 

Além disso, vale lembrar que com as ações você pode ganhar dinheiro de duas formas principais: com a diferença entre a compra e venda do ativo ou através do recebimento de proventos pagos pela empresa. 

Quais as desvantagens de investir em ações

Assim, como a maioria dos investimentos, as ações possuem ótimas vantagens, contudo, também possuem algumas desvantagens que devem ser consideradas na hora da aplicação.

Maiores Riscos

As ações são opções de produtos de renda variável, por isso estão sujeitas a maiores riscos. No entanto, como citamos anteriormente, esses riscos podem ser compensados pelo maior potencial de retorno desse tipo de investimento. 

Além disso, se você quiser minimizar os riscos do investimento em ações, uma boa dica é montar um portfólio de investimento diversificado.

Ao diversificar sua carteira de investimento em ações você dilui os riscos atrelados ao setor de atuação da empresa e ainda consegue se proteger contra diferentes cenários. 

Algumas ações, por exemplo, se beneficiam da alta do dólar, enquanto outras perdem com a desvalorização do câmbio. Diversificando seu portfólio, nesse caso, é possível ter ativos que contemplem os dois cenários diminuindo os seus riscos. 

Como montar uma carteira de investimento diversificada?

Você sabe como montar sua carteira de investimentos diversificada? Se a resposta for não, tudo bem! Temos um vídeo que pode te ajudar. 

Veja neste vídeo que preparamos para você como montar uma carteira de investimentos diversificada

Necessidade conhecimento prévio elevado

Investir em ações na Bolsa de Valores pode ser uma excelente forma de fazer seu dinheiro trabalhar por você, no entanto, esse tipo de investimento não é uma coisa trivial. 

Antes de aplicar em ações, você deve buscar bastante conhecimento sobre o mercado, sobre o funcionamento da Bolsa de Valores e também sobre cada ativo que vai escolher para compor sua carteira de investimento. 

Só assim, você conseguir alcançar os melhores resultados com seus investimentos. 

Como funciona a tributação dos investimentos em ações

Para quem faz operações normais, ou seja, compra e venda de ações com prazo maior de um dia, só haverá incidência de Imposto de Renda, se o valor total de vendas ficar acima de R$ 20 mil em um mês. 

Nesse caso a alíquota é de 15% sobre o lucro obtido com as operações. Para pagar o imposto, se for o caso, o investidor deverá emitir um Darf na página da Receita Federal com o valor devido. 

O valor deverá calculado a partir do lucro da operação descontado o valor do imposto retido direto na fonte (0,005%).

Por exemplo:

Suponha você vendeu R$ 40.000 em ações com lucro de R$ 2.000. 

Nesse caso, o imposto retido na fonte será de R$ 2 (40.000 x 0,005%). Já o valor do Darf deve ser de R$ 298 (2.000 x 15% – 2).

No caso das operações de day trade há incidência do Imposto de Renda sempre que a operação for lucrativa. 

Nesse caso, a alíquota do imposto é de 20%, sendo que o valor retido direto na fonte corresponde a 1% sobre o lucro. O restante (19%) deverá ser pago através da emissão de Darf até o último dia do próximo mês. 

Conclusão – Vale a Pena Investir em Ações?

O mercado de ações é um dos mais rentáveis dentre as diversas possibilidades de investimentos que existem, por isso ele traz uma boas possibilidade de ganho para seus investidores. 

Contudo, é preciso ter em mente, que esse mercado se enquadra dentro da renda variável, o que significa que não há garantias de retorno, o que o torna mais arriscado. 

Por serem mais arriscados, os investimentos em ações são indicados para investidores com perfil um pouco mais agressivo e que possuem um bom nível de conhecimento prévio. 

Portanto, se você deseja investir em ações, uma boa dica é começar a estudar para garantir o melhor nível possível de conhecimento prático e teórico sobre esse mercado. Além disso, tente seguir os passos que indicamos no texto, sem dúvida serão cruciais para te ajudar a obter sucesso em suas aplicações.