Os fundos de investimento podem ser uma opção para quem está pensando em investir, sobretudo se você busca diversificação e rentabilidade em um único ativo. 

Investir é a melhor maneira de fazer dinheiro trabalhar para você. Fazer isso é melhor maneira de aumentar o seu patrimônio e gerar renda passiva ao longo do tempo. 

Mas antes de investir em fundo, você deve entender como escolher fundos de investimentos que melhor se alinham com o seu objetivo. Isso requer um pouco de trabalho.

Por isso preparamos esse artigo, para te ajudar a entender um pouco mais sobre os fundos de investimento e como escolher aqueles que melhor se adequam ao seu perfil e objetivos. 

O que são Fundos de Investimentos

Um fundo de investimento é um tipo aplicação financeira composta por vários investidores com a finalidade de realizar um investimento financeiro em conjunto. 

Eles são administrados e acompanhados por empresas de gestão que atuam nesse segmento. Essas empresas gerenciam os ativos de muitos investidores e investem em títulos, como: 

  • Ações
  • Títulos Públicos
  • Câmbio
  • Derivativos
  • Investimentos no Exterior

Para ficar mais claro, Imagine que você se reuniu com sete amigos para formar um grupo investimentos. Vocês decidiram que cada um investiria R$ 1.000, totalizando um montante de R$ 8.000 para investir em fundos.

Portanto, cada amigo possui uma cota do fundo, que por sua vez equivale a R$ 1.000.

Para cuidar do capital vocês contrataram um gestor profissional que vai definir onde o dinheiro será aplicado o dinheiro e outras questões burocráticas do fundo. 

Tudo que o gestor conseguir gerar a partir do capital do fundo é dividido entre os cotistas, no caso você e seus amigos. 

Claro que no mundo real as coisas são mais complicadas, existem muitos outros investidores e o número de questões que os profissionais têm para resolver são muito maiores, mas é mais ou menos assim que funciona um fundo de investimento

Nesse sentido, as principais vantagens dos fundos de investimento ficam por conta da gestão profissional e pela diversificação em único investimento. Isso pode te ajudar a economizar dinheiro com as possíveis taxas de aplicação.

Assim,você poderá investir em um número maior de empresas diferentes por um custo geral menor. Isso significa que seu risco será distribuído, então você diminui o risco de perder muito dinheiro de uma só vez.

No entanto, é necessário estar atendo aos custos da aplicação. Todos os fundos de investimento estão sujeitos à taxa de administração. É importante estar atento a esse fator para evitar taxas altas que possam comprometer a rentabilidade da aplicação. 

Também fique atento à tributação. Sobre tipo de aplicação é cobrado IOF e Imposto de Renda. 

No caso do IR, o valor é cobrado sobre os rendimentos no último dia útil de maio e novembro (conhecidas como “come-cotas” porque reduzem sua quantidade).

As alíquotas seguem a seguinte tabela:

  • Até 180 dias = 22,50%
  • 181 – 360 dias = 20,00%
  • 361 – 720 dias = 17,50%
  • Acima de 721 dias = 15,00%

Tipos de Fundo de investimento

No mercado existem diversos tipos de fundos de investimento. Eles se diferenciam, principalmente, pelo ativo de que compõem sua carteira e pelo nível de risco. 

Conheça alguns tipos de fundos de investimento.

Fundos de Renda Fixa

Nos fundos de renda fixa, 80% dos seus investimentos devem ser aplicados em ativos com rentabilidade pré-fixada (taxa de juros previamente estabelecida) e pós-fixada (acompanha a variação do indicador de referência ou um índice de preço).

Esse tipo de fundo é uma excelente ferramenta de diversificação para as carteiras dos investidores, principalmente para quem tem o perfil conservador e busca rentabilidade com pouco risco. 

Fundo de Investimentos em Ações (FIA)

Os fundos de investimento em ações alocam em torno de 67% do seu capital para ações negociadas na Bolsa de Valores. Assim, a rentabilidade depende diretamente da valorização das ações. 

Esses fundos podem ser: 

  • Passivos – quando acompanham a variação de algum índice, como o Índice Bovespa ou IBX.
  • Ativos – quando se baseiam em análises macroeconômicas para definir os ativos que vão compor a carteira.

Fundos Multimercado

Os fundos multimercado, como o nome sugere, são fundos que podem diversificar sua carteira, proporcionando mais alternativas aos investidores. 

Esses fundos envolvem um certo grau de risco, porque reúne investimentos em ações, renda fixa, moeda, entre outros. 

O grande diferencial dos fundos multimercado é sua flexibilidade, pois eles podem alocar recursos em diversos investimentos e ativos disponíveis. Por causa disso, há várias estratégias que podem ser adotadas.

Contudo, é preciso ter cuidado na hora de escolher esse tipo de fundo, afinal alguns deles possuem um grau de risco maior. Para saber mais sobre os Fundos Multimercados, veja o vídeo que preparamos sobre esse tipo de investimento.

Fundos Cambiais 

Nessa modalidade de fundo, o investimento é feito em moedas estrangeiras, com o objetivo de proteger o investidor das oscilações de moedas fortes, como o euro e o dólar. 

É possível obter um alto retorno do investimento quando a moeda está supervalorizada, em contrapartida, se ela desvalorizar, o prejuízo pode afetar negativamente a rentabilidade. 

Nesse sentido, em primeiro lugar é interessante ter em mente que o principal objetivo desse tipo de investimento é a proteção cambial, embora possa dar bons retornos. 

Além disso, as aplicações financeiras em fundos cambiais são mais recomendadas para o investidor que tem um perfil mais agressivo e não teme tanto os riscos. 

Fundos Referenciados 

Os fundos referenciados possuem benchmark com a finalidade de aumentar a rentabilidade dos investidores, aplicando pelo menos 95% do capital em ativos que acompanham a Taxa Selic ou do CDI.

Por ser considerado um investimento conservador e com baixo risco, é ideal para o investidor que tem objetivos no curto e médio prazo. 

Avalie os riscos e o seu perfil

Embora os fundos de investimento tenham, em geral, mais riscos do que uma aplicação considerada tradicional, há fundos que são menos arriscados do que outros.

Um fundo de renda fixa, por exemplo, tem menos chances de que você termine perdendo dinheiro e, por isso, é mais indicado para investidores moderados.

Já um fundo de ações ou um fundo imobiliário estão mais sujeitos às variações do mercado e, por causa disso, têm mais riscos de comprometer o seu investimento.

Essas opções são indicadas para investidores com maior apetite ao risco.

Para os fundos funciona a regra básica de investimentos: quanto maior o risco, maior a possibilidade de retorno. Por isso, é necessário fazer um cruzamento entre os seus objetivos com o investimento e o seu perfil.

Como escolher fundos de investimentos

Antes de escolher onde investir, você precisa ter um propósito definido e avaliar qual categoria de investidor melhor se adequa ao seu perfil – você é conservador, moderado ou arrojado? 

Se você ainda não sabe qual seu perfil de investidor, pode conferir mais detalhes sobre o tema no artigo que preparamos para você clicando no link: Perfil de Investidor – conheça o seu, não seja enganado e invista muito melhor. 

Conhecendo seu perfil, você poderá entender um pouco mais sobre quais tipos de investimento melhor se adequam ao seu grau de tolerância ao risco, para manter uma melhor performance dos seus investimentos, de acordo com aquilo que você que você espera.

É importante lembrar que risco e retorno são diretamente proporcionais e você deve equilibrar seu desejo por rentabilidade e a sua capacidade de tolerar riscos.

Além disso, também é preciso ter em mente quais são seus objetivos em relação às suas aplicações financeiras.

O seu objetivo é obter ganhos a longo prazo ou complementar a renda atual? O dinheiro será usado para pagar as despesas da faculdade ou para financiar uma 

Sabemos que responder à essas questões não é fácil, e o processo de como escolher fundos de investimentos também pode ser complicado. 

Por isso, vamos ajudar você a entender mais sobre o assunto para tomar a melhor decisão, baseada nas suas metas de vida. 

Considere a taxa de administração

Independentemente do risco, os fundos de investimentos têm uma cobrança de taxa de administração. Dependendo do valor dessa taxa, o investimento em um fundo de ações pode ser mais ou menos atrativo.

Se o fundo tiver boa rentabilidade, mas elevada taxa de administração, por exemplo, boa parte dos seus lucros vai acabar servindo para esse pagamento, o que diminuirá a rentabilidade do seu investimento.

Nesse sentido, portanto, o melhor é procurar opções com uma taxa de administração mais em conta e que consuma menos dos seus rendimentos.

Saiba qual é a taxa de performance

Outro fator a se considerar é a taxa de performance de um determinado fundo de investimento. Ela funciona da seguinte maneira: o fundo estabelece um indicador de resultado, conhecido como benchmark.

Caso a rentabilidade dos fundos ultrapasse esse valor, é cobrada uma taxa de performance sobre o excedente.

Se um determinado benchmark era de 11% e o fundo de investimento teve uma performance de 16%, então há um excedente de 5%. Se a taxa de performance é de 10%, então além do pagamento da taxa de administração há um acréscimo de 0,5%.

Nem todos os fundos têm essa taxa e os que possuírem devem deixar claro o valor e a cobrança para que você possa fazer a avaliação. Assim como a taxa de administração, o desejável é que essa taxa seja a menor possível.

Analise o valor da aplicação inicial

Encontrou a opção perfeita de fundo para você? Então é hora de analisar o valor da aplicação inicial. Isso é importante porque funciona como o investimento mínimo exigido.

Se você não tiver essa quantidade de recursos disponíveis, então sua participação no fundo não será possível.

Se você for iniciante nos fundos de investimento é melhor escolher fundos com aplicação inicial mais baixa. Com mais conhecimento nesse modelo, você poderá investir em fundos com aplicação inicial mais altas e mais rentáveis.

Faça comparação entre fundos da mesma categoria

Como dissemos, existem diferentes tipos de fundos e como cada um deles possui um foco diferente, é natural que os resultados, incluindo custos e retornos, também sejam distintos.

Diferentes tipos de fundos possuem diferentes tipos de ativos, e existem milhares de fundos para escolher.

Por isso, comparar os dados de fundos semelhantes pode te ajudar a tomar uma decisão mais eficiente. 

Assim, se você quiser comparar fundos mútuos, deve restringir seu foco de modo que esteja apenas procurando fundos de um tipo semelhante, por exemplo: 

Fundos em diferentes categorias, ou que investem em diferentes tipos de empresas, terão custos e perfis de risco completamente diferentes associados a eles.

Você pode encontrar todos os principais tipos de fundos de investimentos neste artigo:

Fundos de Investimentos – O que São, Como e Onde Investir [Guia Definitivo]

Compare a rentabilidade dos fundos

Você pode se deparar com uma infinidade de fundos oferecendo vários benefícios no investimento. No entanto, quando se trata de fundos de uma categoria semelhante, o desafio de tomar uma decisão assertiva aumenta.

Portanto, é de extrema importância que você, enquanto investidor, analise detalhadamente a rentabilidade de cada fundo que despertou o seu interesse de investimento. 

Para ajudar nessa avaliação, você pode considerar alguns fatores:  

  1. Rentabilidade – esse fator é importante e faz parte do processo, mas não é a razão definitiva para a tomada de decisão. Verifique como o fundo conseguiu manter a performance dele ao longo dos anos. Esse passo é importante porque o fundo pode estar valorizado hoje, mas ter passado por uma baixa no mercado anteriormente.  Então, o ideal é fazer uma análise do desempenho do fundo por um período que inclua, pelo menos, os últimos três anos.
  2. Fique atento à variações recentes – Foque em avaliar com mais mais cautela a rentabilidade nos períodos mais recentes. Se um fundo rendeu muito nos últimos anos, mas vem decaindo nos últimos 12 meses, ele pode estar passando por algumas adversidades e, por isso, pode não ser uma escolha muito interessante.
  3. Veja qual o benchmark mais adequado e avalie o fundo – O benchmark é uma ferramenta valiosa e indispensável na hora de decidir em qual fundo investir. Se a rentabilidade não superar, pelo menos, o índice de referência – Ibovespa, CDI, Selic ou qualquer outro -, risque da sua lista. 
  4. Procure observar qual fundo teve o melhor desempenho dentro de um mesmo período – Estude diferentes fundos de investimento e separe aqueles que tiveram melhor desempenho no período. Contudo, tente entender a origem desses resultados, para garantir que sejam orgânicas e sustentáveis. 

Ao fazer uma avaliação cautelosa sobre cada um desses fatores,você terá uma base sólida para escolher o fundo que mais indicado aos seus objetivos e que poderá trazer um bom retorno à sua carteira de investimentos.

Compare os números básicos dos fundos

Aqui, o ideal é analisar os números do histórico de desempenho de cada fundo para determinar a consistência dos retornos financeiros.

Depois, procure selecionar um fundo que supere consistentemente o seu benchmark e que tenha resistido a algumas desacelerações do mercado e mitigado os riscos.

Compare a Volatilidade e escolha a mais adequada ao seu perfil de investidor

O desempenho de um investimento é, em última análise, a coisa mais importante. Mas, ao avaliar um investimento em potencial, também é fundamental entender a volatilidade. 

Em essência, a volatilidade refere-se à faixa de retornos de investimento, ou quanto de desempenho varia ao longo do tempo. Também é referido como desvio padrão e geralmente é medido como porcentagem, com base em uma fórmula estatística.

Se o preço de uma ação ou outro investimento sobe e desce rapidamente em um curto período de tempo, é porque tem alta volatilidade. Se o preço raramente sofre alteração, tem baixa volatilidade.

A volatilidade é o indicador que vai ajudar a calcular a estratégia de riscos de um investidor, para tentar minimizar a chance de perda. Apesar dos riscos, se você é um investidor agressivo, a volatilidade pode ser uma aliada. 

Conheça o Índice de Sharpe

O índice de Sharpe foi desenvolvido pelo economista William F. Sharpe – ganhador do Prêmio Nobel – , e é usado para ajudar os investidores a entender o retorno de um investimento em relação ao seu risco. 

O índice avalia a relação entre risco e retorno de um determinado investimento: 

  • Índice Positivo – o risco foi compensado pelo retorno do investimento
  • Índice Negativo – o risco não foi compensado e pode haver prejuízo

Então, o fundo que apresentar o maior valor no Índice Sharpe tende a ser a melhor opção para montar a sua carteira de investimentos. Mas, é preciso ressaltar que esse valor pode sofrer oscilações ao longo do tempo. 

Nesse caso, o ideal é analisar o índice de um fundo, desde o início, mas dando atenção especial nos últimos 12 meses. 

Compare a quantidade de cotistas atual e sua evolução no tempo

Se um fundo tem muitos cotistas, isso é um indicador positivo. Mas, por outro lado, se o número de cotistas de um fundo está cada vez menor, pode significar que não estão entregando os resultados. 

Existe também a possibilidade de um fundo ter tido excelentes resultados e isso ter atraído a atenção de uma grande quantidade de investidores, até chegar ao ponto de não poder aceitar mais investidores. Nesse caso, o fundo aparece parcialmente estagnado no gráfico, devido ao forte crescimento. 

Compare a evolução do patrimônio do fundo

Muitos investidores estão sendo atraídos por fundos com patrimônio líquido crescente. Enquanto isso, os com patrimônios decrescentes estão ficando cada vez menores, por causa da grande quantidade de resgates feitos pelos clientes que estão descontentes com o fundo. 

Sendo assim, vale ressaltar que os fundos crescentes além de atrair cada vez mais investidores, estão crescendo o patrimônio dos investidores atuais. Atualmente, o Brasil conta com mais de 16 milhões de contas ativas.

 Compare o Drawdown dos fundos

Na análise técnica financeira, um drawdown é um índice usado para mensurar o risco financeiro de um investimento. Simplificando, é a extensão ou da perda de um ativo financeiro e o tempo que levou para recuperar essas perdas.  

A análise de drawdown pode ser uma excelente maneira de rastrear investimentos. Se você não tem o perfil de um investidor que suporta correr riscos e aguenta a oscilação das aplicações, pode acabar perdendo dinheiro. 

Os levantamentos são importantes para medir o risco histórico de diferentes investimentos, comparando o desempenho dos fundos. 

Ao analisar o gráfico histórico, o investidor consegue observar se o fundo teve perdas e quanto tempo levou para se recuperar. Com base nessas informações é possível estudar os riscos envolvidos ao investir. 

Compare a evolução da volatilidade dos fundos

Como você pode notar no gráfico acima, a volatilidade não é um indicador constante ao longo da duração de um ativo. Existem diversos fatores que contribuem para que volatilidade aumente e diminua: 

  • Mudanças de Estratégia 
  • Mudanças de Gestão 
  • Eventos relacionados à política e economia, entre outros

Fazer uma análise de evolução da volatilidade de um fundo, permite ter uma noção sobre como a gestão desse fundo está evoluindo e se os riscos são altos, moderados ou baixos. 

Conclusão sobre como escolher fundos de investimento

Os fundos de investimento são uma ótima modalidade de investimento. 

Eles possibilitam uma bom nível de diversificação com gestão profissional, o que pode ser uma grande vantagem, sobretudo para investidores iniciantes que possuem menos recursos e experiência. 

Contudo, existem diferentes tipos de fundos de investimento no mercado, e antes de colher qual o melhor fundo de investimento para você, alguns fatores devem ser avaliados. 

Avalie sua tolerância ao risco. Todo investimento traz algum nível de risco, mas alguns investimentos são mais arriscados do que outros. Fundos que oferecem maiores recompensas em potencial também tendem a ter os mais altos níveis de risco.

Decida quanto tempo você pretende manter seus investimentos. O período de tempo que você pretende manter investindo em um fundo, desempenha um papel importante na sua tolerância ao risco. Isso também afeta o tipo de fundo que você pode escolher.

Feito isso, você poderá começar a estudar de fato os fundos de investimento disponíveis no mercado. Você pode seguir nossas dicas de como escolher fundos de investimento, para escolher aqueles com chances de retornos mais altos. 

Apesar de todas as informações que você encontrou ao longo deste guia, pode ser que ainda tenha alguma dúvida! Por isso, abaixo você encontrará uma lista com as principais dúvidas sobre “Como escolher Fundos de Investimentos”. 

FAQ com as principais questões sobre fundos de investimento

  • Qual é o melhor fundo de investimento?

Não existe uma resposta única  ou correta para essa questão. O melhor fundo para você investir é aquele que está alinhado com o seu perfil de investidor e com o seu objetivo financeiro.

Procure observar a rentabilidade, liquidez, taxas e estratégias do fundo de investimento que te atraiu. 

  • O que é taxa de administração de fundos e como ela é cobrada?

É o custo para remunerar os serviços dos gestores do fundo de investimento, para que ele administre a sua carteira. Normalmente é debitado um valor percentual % (anualmente) sobre o patrimônio líquido do fundo investido. 

  • O que é o Patrimônio Líquido de um fundo de investimento? 

É o resultado da soma do valor de todos os ativos que constituem os investimentos do fundo, descontando as obrigações, inclusive aquelas relativas à sua administração. 

  • O que é a cota de um fundo de investimento? 

É uma pequena fração de um fundo. Somar as cotas de todos os investidores resulta no valor do patrimônio do fundo, e o valor da cota é o resultado da divisão desse patrimônio.  

  • Quais são as vantagens de investir em Fundos de Investimento?

São várias as vantagens, mas vamos citar as principais: Redução de custos, já que o investimento é coletivo; redução de burocracia; praticidade na hora de diversificar os investimentos; menos riscos para quem quer sair da zona de conforto, mas ainda não quer arriscar tanto; possibilidade de investir com pouco dinheiro – com R$ 100 é possível investir em um fundo.

  • Quais são as desvantagens de investir em Fundos de Investimento?

Uma das principais desvantagens é a falta de flexibilidade para alocar os ativos, já que é o gestor quem decide onde o fundo vai investir. Então se o investidor não gostar de um ativo que compõe a carteira, ele precisa resgatar todo o dinheiro do fundo. Ou seja, o investidor não tem poder de escolher ativos específicos para investir. 

  • O que é prazo de cotização?

Suponha que você comprou cotas de um fundo de investimento, e agora quer resgatar, a cotização é o tempo que leva entre a solicitação de resgate que o investidor faz e a conversão dessas cotas em dinheiro. 

  • O que é a Taxa de Performance? 

É a taxa que o investidor para ao gestor do fundo caso a rentabilidade supere o índice de referência do fundo. O lado negativo é que se o investimento vai bem, o gestor cobra a taxa, mas se o desempenho for ruim, você como investidor não é indenizado. 

  •  O que é um fundo de renda variável? 

É o tipo de investimento cuja rentabilidade ou retorno não pode ser calculado no momento da aplicação. Como não tem juros pré ou pós fixados, o lucro ou prejuízo depende da volatilidade do mercado.