Assessor de Investimentos - Vale a Pena? | Blog London Capital

Assessor de Investimentos – Vale a Pena?

By Tatiana Mallmann

5 motivos para contratar um planejador financeiro

Será que você precisa de um assessor de investimentos? Neste artigo, explicamos o escopo de trabalho do assessor e os benefícios para o investidor e as limitações da sua atuação.

Falamos também sobre a assessoria de investimentos independente, uma forma de atender que está revolucionando o mercado de investimentos no Brasil e no exterior.

O contexto particular da economia nacional e a falta de educação financeira no país fazem com que, para o brasileiro especificamente, o auxílio de um assessor de investimentos seja mais do que um mimo, mas sim uma necessidade de primeira ordem.

A falta de orientação especializada explica muitos dos assustadores dados socioeconômicos divulgados mensalmente.

GUIA DAS MELHORES

CORRETORAS DE VALORES 2019

UM GUIA COMPLETO DAS MELHORES CORRETORAS DE VALORES PARA VOCÊ INVESTIR SEU DINHEIRO EM 2019.

Estamos em um país em que 54,15% das famílias estão endividadas; em que 80% dos habitantes revelam não saberem controlar suas finanças; em que 75% da nação confessam não guardar dinheiro, sendo que, do restante, 88% não sabem o que é uma aplicação financeira fora da caderneta de poupança.

O percentual de brasileiros que fazem fortuna ainda é pequeno em comparação com outros países, mas a contradição inerente à nossa cultura esclarece parte dessa dificuldade: o brasileiro, em geral, aplica mal e tem dificuldade de poupar dinheiro, mas quando sugerida a necessidade de contratar ajuda especializada, acha que isso sim seria desperdício (o país do contrassenso!).

Ora, quando um indivíduo está doente, procura um médico ou tenta se curar sozinho?

Quando busca o Judiciário, atua em causa própria ou recorre ao conhecimento especializado de um advogado?

Por que então na hora de cuidar de seu patrimônio, não há a mesma preocupação em preservá-lo, buscando auxílio de um profissional?

O que é a assessoria de investimentos?

O assessor de investimentos é o profissional responsável por orientar os clientes em suas decisões de investimento.

Ele deve usar seus conhecimentos técnicos e práticos para avaliar os objetivos, expectativas e necessidades de cada cliente visando desenvolver e apresentar estratégias de investimento adequadas ao perfil do cliente.

Por isso, a assessoria de investimentos envolve, de um lado, as atividades de avaliação dos ativos financeiros e, de outro, a avaliação também das características dos clientes.

Assim, o assessor pode chegar a uma recomendação de carteira, composta por produtos e estratégias adequadas ao investidor.

assessoria de investimentos - assessor de investimentos vale a pena

O grande valor do serviço de assessoria é seu caráter independente.

Como o mercado financeiro tradicional pode apresentar muitas armadilhas para o investidor pessoa física, contar com um especialista isento pode fazer diferença, principalmente se você não tem tempo ou paciência para cuidar dos seus investimentos com a atenção que o assunto merece.

O grande valor da assessoria é o seu caráter independente, que visa proteger o investidor contra as armadilhas existentes num mercado repleto de asteriscos e letrinhas miúdas

Além disso, mesmo que você entenda bastante de investimentos, uma assessoria bem feita proporciona um olhar externo que aumenta sua segurança para tomar decisões de investimento e minimiza os riscos de cometer erros que possam lhe custar caro.

O que esperar de um Assessor de Investimentos?

Ao contratar uma assessoria de investimentos, você pode esperar um diagnóstico inicial dos seus investimentos, a otimização da sua carteira e o acompanhamento periódico dela.

  1. Diagnóstico inicial

O assessor deve ser capaz de apontar falhas na composição atual da sua carteira de investimentos, indicando possíveis caminhos para corrigi-las.

Os problemas mais comuns são:

  • Concentração excessiva em um determinado ativo ou classe de ativos
  • Investimento em produtos com custos elevados
  • Investimento em produtos inadequados ao perfil do investidor
  • Redundância de posições (fundos de instituições diferentes, mas com alta correlação entre os ativos investidos)
  • Contradição de posições (fundos com operações antagônicas: um comprado e outro vendido no mesmo ativo)

Se sua carteira estiver bem estruturada, valorize a sinceridade do assessor em reconhecer isso.

É uma opinião profissional. Em alguns casos, a escolha correta é continuar como está.

  1. Otimização da carteira de investimentos

Ao identificar as falhas em sua carteira, uma assessoria deve buscar otimizá-la, reduzindo riscos e ineficiências.

Para isso, o assessor deve sugerir uma composição diversificada em ativos de classes diferentes, com características complementares, com segurança e custos baixos.

O trabalho de otimização pode ser baseado apenas na percepção e experiências do assessor, ou pode ser construído em cima de uma metodologia objetiva.

O uso de uma metodologia técnica e isenta é o modelo que acreditamos ser o mais adequado, principalmente num mercado como o nosso, onde os papéis e incentivos de cada profissional nem sempre estão claros.

  1. Acompanhamento periódico

O trabalho da assessoria não termina com a recomendação da carteira adequada.

É necessário um acompanhamento periódico para rebalanceamento e revisão.

No rebalanceamento, o assessor deve lhe orientar a vender um pouco dos ativos que mais se valorizaram e comprar um pouco mais dos que se desvalorizaram ou se valorizaram menos, para voltar à configuração planejada da carteira.

Na revisão, ele deve atualizar as suas informações pessoais porque, assim como os ativos mudam de preço, você também muda de perfil com o passar dos anos.

Gerentes de banco NÃO são Assessores de Investimentos

Esse é um ponto importante, e nunca é demais enfatizá-lo.

No Brasil, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) é responsável pelo credenciamento de assessores. Gerentes de banco não são assessores de investimento.

Os gerentes de contas, em geral, são mais próximos dos produtos do que dos clientes: sua principal função é vender; sejam investimentos, seguros, empréstimos, financiamentos ou planos de capitalização em linha com as necessidades do banco e não com as suas necessidades.

Contar com o gerente da sua agência bancária para cuidar dos seus investimentos é como esperar que um atendente da farmácia faça sua avaliação cardíaca no balcão e recomende o remédio adequado.

Assim como o gerente do banco, ele tem um papel ligado à venda do produto, e não ao diagnóstico do cliente, tampouco está autorizado a receitar o medicamento.

Contar com o gerente do seu banco para cuidar dos seus investimentos é como esperar que um atendente da farmácia faça sua avaliação cardíaca no balcão e receite o remédio adequado

Ficou clara a diferença entre gerente do banco e assessor de investimento? O caráter independente do primeiro é um grande diferencial, mas isso não significa que o modelo de assessoria esteja livre de limitações.

Limitações da Assessoria de Investimentos

  1. Impossibilidade de entregar uma solução com comodidade

Embora os assessores possam fazer diagnósticos e recomendações, eles não podem entregar a solução completa para o cliente, pois a regulamentação da CVM não autoriza que eles mesmos executem a estratégia recomendada ao cliente, comprando e vendendo os ativos por sua vontade.

Nesse caso, há três caminhos possíveis:

  • O próprio cliente corre atrás de cada produto recomendado;
  • O cliente procura um gestor de investimentos para realizar a estratégia pretendida ao bel prazer do gestor;
  • O assessor utiliza produtos como fundos, renda fixa, renda variável ou carteira administrada das quais tem parceria para distribuir.
  1. Subjetividade

E a segunda limitação da assessoria de investimentos é a subjetividade, característica de qualquer serviço que dependa fortemente de pessoas.

Quando você conversa com um assessor, expõe suas vulnerabilidades, expectativas e percepções.

Se por um lado isso é importante que ele lhe conheça bem, por outro isso pode enviesar as respostas que ele deveria lhe dar de forma técnica.

Já ouvimos de alguns assessores que não adianta discordar do cliente. Com essa justificativa, alguns acabam confirmando opiniões equivocadas, simplesmente para não perder o cliente.

Se isso não parece tão errado, imagine que você está consultando um advogado pra mover um processo judicial.

Ele sabe que suas chances de êxito são muito pequenas (ou nulas), mas percebe que você tem expectativas equivocadas sobre o possível resultado.

Ele pode ser mais firme em lhe alertar de que você terá gastos desnecessários, ou ele pode atender sua vontade e seguir em frente na aventura jurídica, cobrando honorários para tocar o processo.

Na primeira hipótese, ele agiu corretamente e ficou sem os honorários. Na segunda, ele não foi ético, mas faturou.

Qual postura você esperaria do advogado? E do assessor?

A ascensão das Assessorias de Investimentos

Nos Estados Unidos e Europa, por exemplo, o modelo de assessoria de investimentos é difundido há décadas. Toda família ou indivíduo de classe média tem acesso a um assessor, a quem eles chamam de advisor.

No Brasil, devido aos custos, até pouco tempo atrás esse serviço em geral era restrito a pessoas ou famílias que precisem gerenciar fortunas e recorrem às empresas que aqui são conhecidos como family offices ou private banking.

No país, existem atualmente milhares de assessores ajudando seus clientes a melhorarem a vida financeira. É o caso da New York Capital.

A XP Investimentos lidera esse movimento com uma rede de quase 3.000 assessores. Muitos desses profissionais carregam no currículo anos de atuação em grandes instituições financeiras, inclusive em áreas como o Private Banking — serviço disponível apenas para clientes multimilionários.

Motivos para contratar um Assessor de Investimentos

A rentabilidade negativa da poupança obriga os brasileiros a saírem da “falsa” comodidade

Nem é preciso ser especialista para perceber que, se a taxa selic está baixa.  e a poupança não rende mais do que 7% a.a., você está perdendo dinheiro deixando suas economias se decomporem nessa caderneta!

Gestão de riscos: fundamental para proteger seus esforços

Acumular algum recurso custa um esforço de décadas. Você arriscaria todo esse trabalho lidando com o mercado financeiro sem apoio especializado? Será que essa economia vale a pena?

Os custos são menores do que a rentabilidade adquirida

Um assessor de investimentos poderá aconselhá-lo a remontar totalmente sua vida financeira, sendo responsável pela montagem de um portfólio de investimentos em estrita sintonia com seu perfil e objetivos de vida.

O resultado desse processo de reorganização completa implica em uma rentabilidade líquida muito mais alta do que no caso de tentar se aventurar sem ajuda profissional.

Ter acesso a todos os produtos do mercado financeiro

Diferente de outros profissionais (como seu gerente de banco, que só está apto a “empurrar” produtos do próprio banco, ainda que não lhe sejam rentáveis), um assessor de investimentos dispõe de todas as opções do mercado e irá escolher juntamente com você as opções mais interessantes, gerindo riscos e monitorando os resultados, visando gerar riquezas no longo prazo.

Como Funciona na Prática a Assessoria de Investimentos?

O primeiro contato do cliente com o assessor é uma reunião para entender os seus objetivos financeiros.

Traçado um perfil completo, o assessor o auxilia a escolher uma carteira de investimentos adequada, que reforce a rentabilidade respeitando os riscos que o cliente gostaria de assumir.

A partir desse momento, o investidor acompanha os resultados e tem o profissional à disposição para novos esclarecimentos e dicas.

Muitos investidores têm trocado seu banco pelo acompanhamento de assessoria. Isso porque o assessor atua com uma oferta de produtos muito mais extensa do que a existente nos bancos, já que consegue apresentar as soluções disponíveis em várias instituições financeiras de uma única vez.

Com a taxa de juros do país a 6,5%, o momento é ainda mais propício para a busca por um acompanhamento profissional.

Para garantir uma melhor rentabilidade, o investidor brasileiro, muito acostumado com renda fixa, precisará pensar em outros ativos, alguns que talvez nem passem por sua cabeça.

Se a assessoria para investimentos ainda é um assunto relativamente novo no Brasil, ela já está plenamente consolidada em outros mercados. Nos Estados Unidos, mais de 90% das pessoas que investem contam com um distribuidor independente.

Na XP Investimentos, a instituição financeira que conta com a maior rede de assessores do Brasil, a prateleira de produto traz cerca de 500 opções para investir, com centenas de alternativas em renda fixa e variável.

Trata-se da maior diversidade do mercado com distribuição de produtos que vão desde CDBs até COEs. Entre os fundos de investimento estão alguns dos maiores nomes em gestão de recursos, incluindo Verde Asset, SPX e Adam Capital.

Conclusão

O mercado de investimentos é enorme e as dificuldades e inseguranças dos investidores também. Espero que este artigo tenha ajudado você a entender um pouco mais sobre o serviço de assessoria de investimentos, suas características, benefícios e fragilidades.

A assessoria de investimentos já é uma realidade no exterior, à qual pessoas já estão confiando bilhões de dólares em troca de um serviço sofisticado, prático e sem custo.

Estamos vivendo uma revolução que irá resultar em qualificação, aumento da transparência e melhores serviços para o cliente final, que é o que realmente importa.

Você sabia que a New York Capital é uma assessoria de investimentos credenciada na CVM e isso inclui também a função de assessoria de investimentos?

Trabalhamos de forma alinhada, construímos uma carteira de investimentos que atenda às suas necessidades, e praticamos uma política de investimentos transparente.

Para conhecer mais sobre o trabalho da New York Capital, acesse aqui.

assessoria de investimentos new york capital

PUBLICIDADE

About the Author

Tatiana Mallmann, Co-Fundadora do Blog London Capital, formada em Administração de Empresas, ingressou no mercado financeiro em 2006, acumulando experiência em varejo, planejamento financeiro e seguros corporativos em instituições como Banco do Brasil e Confiança Companhia de Seguros. Especialista em planejamento financeiro, gestão de risco, proteção do ativo humano, blindagem de patrimônio e sucessão empresarial.