Gestão de riscos: como aplicar nos seus investimentos?

Como aplicar uma gestão de riscos nos seus investimentos?

By Tatiana Mallmann

Quer Aprender a Investir Melhor?

Receba semanalmente dicas exclusivas e ferramentas práticas para ajudá-lo a investir com sabedoria e ganhar dinheiro extra.

Como aplicar uma gestão de riscos nos seus investimentos?

Em diversas áreas da nossa vida precisamos enfrentar riscos, e no mundo dos investimentos isso não é diferente. Sejam baixos, controláveis ou mais altos e assustadores, todo investimento apresenta riscos, e eles estão diretamente relacionados à sua chance de obter o retorno que deseja. Ciente disso, um investidor atento precisa gerenciá-los para diminuir as chances de perder ativos.

Antes de seguir lendo este artigo quero te convidar a baixar o [EBOOK] Gestão de Riqueza. É um PDF para download gratuito que será enviado diretamente para sua caixa de e-mail. Neste ebook você vai poder compreender mais afundo sobre o assunto deste artigo com estratégias e dicas práticas para você usar no dia-a-dia como investidor.

Se você ainda não baixou faça agora, neste link.

A gestão de riscos representa a blindagem dos seus investimentos e do seu patrimônio, isto é, sua proteção. Ela considera diversos aspectos do mercado financeiro e seu comportamento, portanto, se você vai entrar no mercado de investimentos, é aconselhável que procure orientação de um especialista, que lhe dará as devidas orientações sobre o risco inerente a cada modalidade — mesmo que eles sejam bem pequenos.

Toda forma de investimento tem riscos

Se você pensa em investir ou se já se aventura pelo mercado das finanças, sabe que toda decisão de compra envolve riscos. O risco é uma parcela imprevista do investimento, e mesmo quando o retorno é determinando com antecedência você não estará livre deles. Mas uma boa gestão pode reduzi-los ao máximo e proteger melhor seu patrimônio.

Imagine, por exemplo, que você tenha feito um investimento em CDBs (Certificados de Depósitos Bancários). Mesmo que a quantia tenha sido superior a R$ 250 mil, valor que garante retorno ao investidor por causa do FGC (Fundo Garantidor de Crédito), caso o banco em que você aplicou seu dinheiro venha a quebrar, você receberá apenas o seu dinheiro de volta. Nenhum real a mais ou a menos. O risco desse investimento é considerado pequeno, afinal, você não perdeu nada, mas, por outro lado, deixou de ganhar.

Se você pensa em investir, tenha isso em mente: você precisará gerenciar riscos — inevitavelmente. Se um profissional especializado for o responsável por calcular esses riscos, o que é o mais recomendado, ainda assim as responsabilidades sobre eles é totalmente sua, afinal, o que um planejador financeiro faz é orientar suas decisões e não decidir por você.

A orientação mais comum para reduzir riscos é a diversificação de investimentos. Assim, se você não obtiver êxito em uma aposta que fizer no mercado, terá mais chances de se dar bem em outras e, em média, poderá conseguir bons retornos.

Outra recomendação importante é que você busque informações sobre o mercado financeiro, seus conceitos e comportamento. Tire o máximo de dúvidas com seu planejador financeiro, queira saber o que significa volatilidade, taxa de câmbio, preço das commodities, etc. Todos esses fatores podem influenciar no aumento ou na diminuição dos riscos que você vai assumir, por isso, eles são importantes para você.

Tipos de riscos mais comuns

Risco de mercado

Representa a possibilidade de perdas em função da flutuação das mudanças de mercado, como variação cambial e taxa de juros.

Risco do ativo

Está relacionado ao risco peculiar de cada investimento. Se você investir na Petrobrás, terá que acompanhar o valor do petróleo, por exemplo, que influenciará no rendimento das suas ações.

Risco de crédito

Quando você compra debêntures de uma empresa, isso significa que você está emprestando dinheiro a ela. Caso ela quebre, você corre o risco de perder parte ou até a totalidade de seus investimentos.

Risco de liquidez

O termo liquidez significa o custo do seu investimento. Caso você tenha comprado um imóvel e precise imediatamente do dinheiro, corre o risco de se frustrar, afinal, o imóvel precisa ser vendido para você ver seu dinheiro de volta.

É importante salientar que qualquer pessoa pode se tornar um investidor, independentemente do dinheiro que tem disponível para isso. É preciso, entretanto, procurar um profissional capaz de instruí-lo ao menos na sua primeira imersão. Gerenciar riscos demanda conhecimentos específicos do mercado financeiro e o planejador financeiro é um profissional tarimbado nesse assunto.

Administre riscos de acordo com seu perfil de investidor

Existem diferentes perfis de investidores e a maneira mais rápida de identificá-los é por meio da sua capacidade de assumir riscos:

Perfil conservador

Não gosta de assumir riscos, mesmo ciente de que sua rentabilidade será inferior a outros investimentos. Tem o hábito de tentar resgatar seus recursos em curto prazo. O perfil conservador geralmente faz investimentos em poupança, títulos do governo e renda fixa, onde encontram garantia de rentabilidade.

Perfil moderado

Está mais disposto a assumir riscos e não visa ao retorno financeiro no curto prazo. Geralmente, aposta em mais de um tipo de investimento, aumentando suas chances de obter lucro. Títulos de empresas sólidas e títulos de crédito privado são as opções de investimento mais comuns para quem tem o perfil moderado.

Perfil dinâmico

Assume riscos com facilidade e não está interessado no resgate imediato dos valores aplicados. O perfil dinâmico é mais habituado ao mercado e suas oscilações e realiza investimentos com foco em grandes resultados. A estratégia de gestão de riscos mais comum desse investidor é apostar em diversas empresas a fim de que o sucesso inesperado de uma delas cubra os custos dos demais investimentos, diminuindo assim os riscos de perder dinheiro.

Caso seu perfil seja conservador, não procure investir onde estão os maiores riscos. E se você é dinâmico, com certeza não está apostando em renda fixa. É importante ouvir as recomendações do planejador financeiro, até porque sem a ajuda dele você nem sequer saberá qual seu perfil de investidor.

Uma boa gestão de riscos se alia a profissionais

Seria um erro intransponível arriscar todo o seu patrimônio sem ouvir um especialista. Você pode até ser um investidor experiente, mas um profissional da área sempre pode te ajudar a melhorar ainda mais suas ideias, otimizar suas decisões e diminuir o risco de perder investimentos.

Independentemente do seu perfil e do capital que possui para investir, a receita básica da gestão de riscos pode servir para todo investidor: tenha uma cartela diversa de investimentos, não aposte todo seu dinheiro em apenas um ativo. Certamente, essa dica também estará presente na orientação profissional do seu planejador financeiro.

Tem mais conhecimentos sobre como aplicar uma gestão de riscos eficaz nos investimentos? Compartilhe suas ideias nos comentários!

Ah e não esquece de baixar o [EBOOK] Gestão de Riqueza.

Quer Aprender a Investir Melhor?

Receba semanalmente dicas exclusivas e ferramentas práticas para ajudá-lo a investir com sabedoria e ganhar dinheiro extra.

About the Author

Tatiana Mallmann, é formada em Administração de Empresas. Ingressou no mercado financeiro em 2006, acumulando experiência em varejo, planejamento financeiro e seguros corporativos em instituições como Banco do Brasil e Confiança Companhia de Seguros. Como empreendedora e educadora financeira, trabalha para ajudar pessoas e famílias a obter tranquilidade financeira.