Por que o rendimento da poupança é ruim na crise econômica atual? | Blog London Capital

Por que o rendimento da poupança é ruim na crise econômica atual?

By Tatiana Mallmann

Invista Melhor | Acumular, Rentabilizar e Proteger

Junte-se aos aos nossos milhares de investidores inteligentes e seja o primeiro a receber as nossas novidades e dicas de como acumular mais recursos, rentabilizar melhor seus investimentos e proteger seu patrimônio.

Por que o rendimento da poupança é ruim na crise atual?

Em uma época em que a palavra crise entrou definitivamente para o rol das mais citadas, manter investimentos tornou-se uma tarefa difícil para aqueles que pretendem aumentar seu capital e continuar galgando degraus mais altos, independentemente das circunstâncias externas.

Antes de seguir lendo este artigo quero te convidar a baixar o [EBOOK] Investimentos à Prova de Crise. É um PDF para download gratuito que será enviado diretamente para sua caixa de e-mail. Neste ebook você vai poder compreender mais afundo sobre o assunto deste artigo com estratégias e dicas práticas para você usar no dia-a-dia como investidor.

Se você ainda não baixou faça agora, neste link.

Nesse cenário, a Poupança — o mais célebre e popular investimento das últimas décadas — viu seu rendimento despencar, e rapidamente se transformou em um sinônimo de mau negócio. O que, porém, causou essa reviravolta? Por que o rendimento da Poupança não para de diminuir? Por que guardar dinheiro na Poupança deixou de ser uma boa tática para aqueles que pretendem enriquecer?

As respostas para essas e outras perguntas você conhecerá a partir de agora neste artigo, e descobrirá como proteger o seu dinheiro de um investimento que por mais que antes tenha sido próspero, agora é arcaico e pouco interessante. Acompanhe:

Novos tempos requerem novas estratégias

2015 foi um ano de sucessivos recordes negativos para a economia brasileira e, no cerne de todos os gráficos e apontamentos que dominaram os noticiários, estava a inflação. Girando em torno dos 10% (número que está cerca de 60% acima da meta estipulada pelo Governo Federal) ao longo de todo esse ano, ela corroeu os planos daqueles que tradicionalmente faziam os mesmos investimentos e, por consequência, colhiam os mesmos resultados.

A recessão trouxe consigo novos desafios, muitos deles inéditos aos investidores mais jovens, acostumados a períodos positivos para a economia nacional. Investir em um país que cresce quase 5% ao ano, como aconteceu entre 2006 e 2010, definitivamente não é a mesma coisa de investir em uma nação que vê seu PIB diminuir a cada mês.

Economistas e analistas são unânimes ao afirmar que 2016 será mais um ano de retração econômica e inflação alta no Brasil. Quem deseja ver seu dinheiro crescer, portanto, já não pode mais se basear em antigas regras, e precisa estar atento às novas peculiaridades. Adaptar-se ao cenário de crise não é uma demanda passageira, mas uma necessidade de longo prazo.

É através desses levantamentos e previsões que é possível desmascarar a principal inimiga do rendimento da Poupança: a inflação. Na “queda de braço” entre elas, a última sempre levará a melhor e você vai descobrir por que reconhecer isso pode afetar diretamente as suas finanças.

Poupança X inflação: esse duelo já tem uma vencedora

Se por um lado a inflação não parou de crescer, por outro, o rendimento da poupança se manteve estático. Há quem diga que o rendimento da Poupança diminuiu, mas essa não é a verdade, pois ele apenas “congelou”, deixando de acompanhar o ritmo da inflação. Em suma, em um mundo cada vez mais caro, a Poupança se tornou refém de sua própria estabilidade e não propicia mais aos seus investidores o retorno necessário para dar lucro.

Faturar abaixo da inflação é perder dinheiro, pois — conforme qualquer ida ao supermercado mais próximo pode atestar — os valores de antes já não são mais os de hoje, e o crescimento da inflação requer um investimento que, no mínimo, consiga superá-la.

Usando uma visão simplista, o extrato de uma Poupança mostrará que o valor ali depositado cresceu, mas, quando analisado juntamente aos indicadores econômicos da atualidade, tal valor se mostrará muito aquém das demandas exigidas por esse país em recessão.

Crescer abaixo da inflação é tão inútil quanto receber um aumento abaixo do crescimento do salário mínimo. Isoladamente, os números vão te mostrar enriquecimento, mas quando contextualizados, eles te mostrarão um grande problema!

Quando a inflação ganha, a poupança perde (e muito!)

Com seus índices abaixo da inflação, o rendimento da Poupança perdeu:

Poder de compra

Com a vida cada vez mais cara, seus ganhos na caderneta podem se mostrar frustrantes quando comparados ao preço dos seus objetivos. Esse panorama é ainda mais cruel para aqueles que investem na Poupança com metas de longo prazo ou simplesmente com a intenção de acumular riqueza, pois, com a inflação derrotando diariamente o rendimento, seu dinheiro pode “desaparecer” gradativamente.

Status

Há alguns anos, em uma era em que a informação estava longe de ser tão facilmente difundida quanto agora, ter uma Poupança era sinônimo de planejamento, estabilidade e riqueza. Hoje, porém, diversos investidores individuais já perceberam que existem outras formas mais rentáveis e seguras de se alcançar esses mesmos objetivos. Essa é uma das explicações para a enorme perda de clientes e recursos sofrida pela Poupança esse ano.

Relevância

Parecida com o item anterior, a relevância é, de acordo com o dicionário, sinônimo de “pertinência, valor, mérito ou vantagem”. Todas essas palavras um dia fizeram parte do rendimento da Poupança, mas o abandonaram no atual cenário.

Como se preparar para o que está por vir?

Todas essas perdas não passaram despercebidas por uma grande parcela do público, que já encerrou suas cadernetas de Poupança e partiu em busca de investimentos mais rentáveis — o que fez até mesmo com que alguns fugissem dos bancos e participarem do movimento de desbancarização. Ao mesmo tempo, muitos também têm contratado gestores de patrimônio com o objetivo de obter mais crescimento e menos preocupação.

Como toda e qualquer tendência baseada em fatores sólidos, essas prometem vir para ficar e movimentar todo o mercado. As perdas da Poupança continuarão sendo constantes enquanto a inflação e a crise econômica não forem inteiramente controladas pelo setor público, uma realidade que ainda está distante.

Encontrar novos tipos de investimento e identificar oportunidades mais seguras e rentáveis, portanto, são a chave para aqueles que desejam ver seu patrimônio continuar a crescer. Nessa hora, a coragem de abraçar a diversificação — e abandonar os arcaicos conceitos de status e relevância vistos nos itens acima — vai separar os que serão derrotados pela inflação dos que se manterão prosperando apesar dela.

E você? Já tinha ciência do triunfo da inflação sobre o rendimento da Poupança? Já tomou alguma medida prática para manter seu patrimônio em constante crescimento? Já descobriu como driblar as dificuldades do atual cenário econômico? Compartilhe a sua trajetória no universo dos investimentos deixando um comentário aqui no blog!

Dúvidas e questionamentos também são bem-vindos e podem auxiliar não apenas você, mas todos aqueles que desejam continuar avançando sem deixar sua riqueza para trás!

Ah e não esquece de baixar o [EBOOK] Investimentos à Prova de Crise.

Quer Receber Mais Conteúdos Como Este?

Junte-se aos aos nossos milhares de investidores inteligentes e seja o primeiro a receber as nossas novidades e dicas de como acumular mais recursos, rentabilizar melhor seus investimentos e proteger seu patrimônio.

About the Author

Tatiana Mallmann, Co-Fundadora do Blog London Capital, formada em Administração de Empresas, ingressou no mercado financeiro em 2006, acumulando experiência em varejo, planejamento financeiro e seguros corporativos em instituições como Banco do Brasil e Confiança Companhia de Seguros. Especialista em planejamento financeiro, gestão de risco, proteção do ativo humano, blindagem de patrimônio e sucessão empresarial.