Indústria da Preguiça - Entenda como o investidor brasileiro é preguiçoso e perde muito dinheiro com isso. | London Capital | O Seu Melhor Investimento

Indústria da Preguiça – Entenda como o investidor brasileiro é preguiçoso e perde muito dinheiro com isso.

By Jonathan Camargo | Planejamento Financeiro

Quer Aprender a Investir Melhor?

Receba semanalmente dicas exclusivas e ferramentas práticas para ajudá-lo a investir com sabedoria e ganhar dinheiro extra.

jun 14
preguiça

Artigo original de Maria Luíza Filgueiras, da Revista EXAME, atualizado e reformulado pela London Capital.

 

Se fosse preciso escolher um pecado para resumir o comportamento médio do investidor brasileiro, seria difícil decidir entre avareza e preguiça. Acostumados a décadas de retornos altos em investimentos seguros, os brasileiros poupam pouco e, quando poupam, aplicam mal seu dinheiro.

Funciona assim: quem recebe seu salário em determinado banco não pensa duas vezes e investe lá seu dinheiro. Não importa se as taxas cobradas por esse banco são altas, se os retornos são parcos, se há centenas de alternativas disponíveis.

O máximo que a preguiça permite é atender a ligação do gerente — muitos fogem de seus gerentes como criminosos —, ouvir sua “dica” e mudar de aplicação. Segundo a consultoria britânica Oliver Wyman, nada menos que 95% dos investidores brasileiros seguem, em linhas gerais, essa cartilha.

Antes de seguir lendo este artigo quero te convidar a baixar um dos nossos [EBOOKs LONDON] link aqui. É um PDF para download gratuito que será enviado diretamente para sua caixa de e-mail. Os assuntos são variados, desde aposentadoria a investimentos específicos, através destes conteúdos, procuramos passar estratégias e dicas práticas para você usar no dia-a-dia como investidor.

Se você ainda não baixou faça agora, neste link.

Nos Estados Unidos, só 4% dos poupadores aplicam no banco. É comum que os americanos procurem instituições especializadas em investimen­tos para aplicar o que têm. Nem sempre dá certo, claro, porque esse é o espírito da coisa. Mas a preguiça do brasileiro adiciona uma certeza ao incerto mundo das finanças pessoais: quem não presta atenção nas taxas que paga empobrece.

 

Como funciona essa indústria da preguiça?

Entrevistando gerentes de bancos, assessores financeiros e pesquisando os rendimentos e as taxas dos principais fundos do mercado, podemos tirar uma conclusão,  4,8 milhões de investidores estão jogando dinheiro fora — ou melhor, jogando dinheiro no bolso dos gestores que administram seus recursos.

É quase metade do total de cotistas de fundos do país. Em suma, essa gente toda paga taxas de administração muito mais altas do que o que seria razoável. Os consultores ouvidos para esta reportagem só recomendam a seus clientes fundos que cobrem, no máximo, 2% de taxa, com alguma variável sobre o desempenho (se o rendimento ficar acima do projetado, o gestor recebe parte do extra).

 

Fundos, taxas de administração e Patrimônio

 

Mas 4,8 milhões de brasileiros pagam a partir de 3% de taxas de administração, muitas vezes em fundos de renda fixa que deveriam cobrar menos de 1%. Pagar 2% só vale a pena se forem em fundos mais sofisticados.

fundos DI e fundos de ações passivos, em que o trabalho do gestor é seguir um índice de mercado, em que as taxas passam de 5% ao ano. Por quê? A justificativa dos gestores é que, se a aplicação mínima é baixa, o percentual cobrado precisa ser mais alto para cobrir as despesas administrativas, como o envio de extratos. Pode até ser verdade; mas haja preguiça para investir num fundo desses.

Lucros Bilionários anos após anos?

Para as instituições financeiras, o comportamento médio do investidor rende um dinheirão. O fundo DI mais caro do país é o Santander Classic Renda Fixa Ref. DI, do banco Santander, que cobra 5% de taxa de administração, e pasmem, patrimônio de 3,1 bilhões de reais. Em 12 meses, o fundo teve um rendimento líquido de apenas 8,59%, o que correspondeu a 0,8% a menos do que a inflação.

Já o banco recebeu 158 milhões de reais, como resultado da aplicação da taxa de administração sobre o patrimônio. Há dezenas de fundos DI com aplicações mínimas inferiores a 20 000 reais e taxas de administração menores do que 1%, inclusive nos grandes bancos. Mas, claro, é preciso pesquisar.

Veja alguns dos melhores fundos atualmente.

Como a postura média do investidor é aplicar o dinheiro e esquecer, ninguém pensa em quanto paga por ano a seu banco. “Se a taxa de administração chegasse num boleto único no fim do ano para o investidor pagar, ele teria uma postura diferente”, diz o americano Dan Ariely, um dos maiores especialistas em finanças comportamentais e professor da Universidade Duke, na Carolina do Norte.

Numa carteira de 300 000 reais, mudar de uma taxa de 2,5% para 2% significa economizar 1 500 reais ao ano.

Com a queda dos juros — e o fato de aplicações de maior risco, como ações e imóveis, estarem rendendo cada vez menos —, olhar o quanto se paga a bancos, gestoras e corretoras para investir é ainda mais importante. Se a bolsa valoriza mais de 40% num ano, como ocorreu em 2007, pagar 5% para uma corretora intermediar a compra dos papéis não faz tanta diferença.

Se a expectativa é ganhar pouco mais de 10%, esse custo se torna relevante. Quando a bolsa cai, então, vira questão de honra. A mesma coisa vale para os fundos DI: na época em que os juros estavam em 25% ao ano, muitos investidores nem percebiam que pagavam 5% de taxa de administração. Ainda sobrava um rendimento de cerca de 20%. Hoje, sobra menos que a inflação.

Gerentes de bancos x Assessoria de Investimentos

Alguns gestores dizem que cobram caro porque investem melhor. Mas será mesmo? Segundo uma pesquisa da empresa de investimentos XP, todos os fundos mais caros do mercado renderam menos que a média de suas categorias nos últimos 12 meses. Um exemplo impressionante é o fundo de ações da gestora BBM Investimentos, que cobra 6% de taxa de administração.

Por esse preço, era de esperar um desempenho à Warren Buffett. Mas o fundo da gestora BBM perdeu 7,51% em 12 meses, enquanto os top 10 fundos da categoria tiveram rendimento de 14,55%. Quem comprou cotas do fundo BOVA11, que segue o índice Ibovespa e cobra mísero 0,54% de taxa, também perdeu, mas 2,14%.

O levantamento da XP também mostra que produtos caros não são exclusividade dos bancos. O segundo fundo de ações mais caro é do Itaú, que cobra taxa de 5,5%. Na outra ponta, um multimercado de altíssimo desempenho, o fundo XP Long Biased FIC FIM, gerido por João Luiz Braga, cobra 2% de taxa e rendeu 50,78% em 12 meses

Há, por aí, muitos caminhos para enriquecer — mas não se tem notícia de alguém que tenha dado esse salto seguindo dicas de investimento de seu gerente de banco. O problema, certamente, não é de falta de alternativa.

Hoje, há uma variedade de fundos e novas opções na renda fixa, como títulos ligados a infraestrutura e papéis do setor imobiliário, todos isentos de imposto de renda, que são pouco conhecidos pelos investidores. E são ignoradas pelos gerentes de grandes bancos.

Visitando agências de Banco do Brasil, Itaú, Bradesco e Caixa, os quatro maiores bancos do país, e pedi orientação onde aplicar 300 000 reais por um prazo superior a cinco anos. Em linhas gerais, os gerentes consultados recomendaram colocar a maior parte do dinheiro em fundos de previdência, e o restante em fundos DI.

Nenhum falou de fundos multimercados que aplicam parte do patrimônio no exterior, uma categoria que está rendendo bem, ou de ações. Um gerente deu uma dica bizarra: aplicar tudo, os 300 000 reais, numa letra crédito imobiliária (LCI) que vence em dois anos e paga 88% do juro de mercado (CDI), o equivalente hoje a 12,43%.

Fazer isso é aproveitar mal esse dinheiro. Para quem está disposto a deixar o dinheiro aplicado por cinco anos, há outras opções na renda fixa que pagam muito mais. É o caso de uma debênture lastreado no contrato de concessão da Rodovias do Tiête com rating Aa2.br pela Moodys (baixo risco de crédito), que rende 8,5% ao ano mais a inflação isento de imposto de renda (em torno de 17,89% hoje).

O que fazer?

Não há saída a não ser pesquisar. Assessorias financeiras especializadas, como a London Capital, além de lhe ajudar a montar um planejamento financeiro adequado as sua reais necessidades futuras, prometemos fazer a pesquisa para os clientes, enviando e-mails ou telefonando a cada “oportunidade” que surge, como CDBs de ban­cos médios ou títulos de renda fixa. Desta forma deixando você sempre atualizado das melhores oportunidades e lhe ajudando a dobrar o seu patrimônio em pouco tempo.

Ah e não esquece de baixar um dos nossos [EBOOKs LONDON] link aqui.

Quer Aprender a Investir Melhor?

Receba semanalmente dicas exclusivas e ferramentas práticas para ajudá-lo a investir com sabedoria e ganhar dinheiro extra.

Follow

About the Author

Jonathan B. Camargo, empreendedor, planejador e educador financeiro, formado em Administração de Empresas, certificado como Agente Autônomo de Investimentos pela CVM (2012), pelo Programa de Qualificação Operacional - PQO, como Profissional Financeiro Ambima Serie 20 – CPA 20. Especialista em investimentos e planejamento financeiro, ingressou no mercado financeiro em 2010, com passagens por instituições como Bradesco (Corporate Bank) e XP Investimentos. Trabalha com o intuito de transferir conhecimento aos seus clientes e ajudar a transformar seus objetivos em realidade.