5 dicas para um controle financeiro pessoal eficiente | London Capital

5 dicas essenciais para ter um controle financeiro pessoal eficiente

By Jonathan Camargo | Planejamento de Despesas

Quer Aprender a Investir Melhor?

Receba semanalmente dicas exclusivas e ferramentas práticas para ajudá-lo a investir com sabedoria e ganhar dinheiro extra.

out 04
Dicas essenciais para ter um controle financeiro pessoal eficiente

A pesquisa Educação Financeira do Brasileiro, realizada recentemente pelo SPC, constatou o que todos nós já desconfiávamos: aproximadamente 40% dos brasileiros não possuem um bom controle financeiro pessoal. O mais importante é notarmos que, mesmo quando a renda familiar é alta, muitos ainda enfrentam dificuldades para realizar investimentos bem estruturados e ver o dinheiro crescer, normalmente por apostarem excessivamente nos supérfluos ou em bens que não agregam ao patrimônio familiar. Em outras palavras, o brasileiro se adapta à sua situação financeira, gastando mais quando percebe uma remuneração maior, sem nenhuma preocupação com o futuro.

Se você pretende conquistar algum objetivo ambicioso, como comprar a casa própria ou ampliar o capital social do seu negócio, ou tem ambições menores, como investir para ter uma aposentadoria mais tranquila, é preciso controlar as suas finanças para começar a investir desde já. Por isso, é importante mudar alguns hábitos e adotar algumas estratégias para garantir um futuro próspero para toda a família e ver os seus sonhos se tornarem realidade. Calma, vamos explicar tudo neste post. Confira, logo a seguir, as principais dicas para que você tenha um controle financeiro pessoal eficiente!

Elaborando uma planilha financeira

Toda empresa que tenha o mínimo de organização financeira elabora uma planilha de fluxos de caixa. Sua função principal é monitorar a entrada e a saída de recursos financeiros da organização para que o gestor tenha informações relevantes na hora de tomar decisões. Não é muito diferente quando fazemos um controle financeiro doméstico.

Basicamente, devemos estabelecer uma planilha com todas as entradas e saídas de recursos previstos para o mês, identificando claramente cada um dos itens — para que possamos identificar se existem gastos que podem ser cortados ou reduzidos, por exemplo. Atualmente, existem ferramentas e softwares destinados especificamente para o controle financeiro doméstico, apresentando gráficos interativos, indicando investimentos, entre outras soluções.

Além disso, é fundamental que adotemos uma certa prudência ao prevermos essa entrada e saída de recursos. E o que isso significa? Se a renda familiar é variável (se o provedor recebe no modelo de comissão, por exemplo), é preciso estabelecer uma média coerente para que se possa prever a entrada de recursos e, dessa forma, cumprirmos com nossos gastos mensais. Em outras palavras, jamais devemos superestimar as receitas ou subestimar as receitas, fazendo previsões realistas!

Estabelecendo metas e prioridades

Talvez, uma das maiores dificuldades para que as pessoas passem a economizar seja a dificuldade de enxergar os benefícios dessa ação. Por isso, é importante definir sempre alguma meta a ser atingida com a economia. Quais serão os planos para o futuro? Viajar? Investir para conseguir uma receita extra? Trocar de carro? Fazer um upgrade no imóvel? Quando visualizamos nossos planos para o futuro, nos sentimos mais motivados a economizar e cumprir um planejamento financeiro pessoal.

Ao definir a sua meta, estipule de maneira clara em quanto tempo pretende atingi-la para que seja possível definir exatamente o quanto será necessário poupar para conseguir realizar o seu sonho. Novamente, as planilhas financeiras exerceram um papel muito importante para essa tarefa, sendo feitas no Excel ou por um software especializado, uma vez que será mais fácil organizar as finanças para o futuro.

Cortando e reduzindo gastos desnecessários

Outra função da planilha financeira é definir exatamente o quanto é gasto por mês com a manutenção do lar, além dos gastos pessoais de cada um dos membros da família. Com isso, fica muito mais fácil identificarmos quais despesas estão sendo feitas desnecessariamente. Por exemplo, será mesmo preciso ter um carro, mesmo que tenhamos que pagar o IPVA, o seguro, a gasolina e a manutenção? E as compras domésticas mensais, será que estão sendo feitas de forma racional, sem supérfluos desnecessários, que afetem a saúde financeira da família?

Se você já tem definido o quanto pretende gastar com as compras do mês e o quanto deveria gastar com transporte, por exemplo, saberá exatamente se o carro vale a pena ou se aquele cereal matinal caríssimo realmente deveria estar no lugar do pão de forma. São simples medidas, mas que nos ajudam a ver um saldo positivo no final do mês, que poderá ser remanejado para investimentos ou outras finalidades mais essenciais.

Economizando e investindo o seu dinheiro

Normalmente, muitos consultores financeiros recomendam que ao menos, 10% da renda familiar seja destinada a uma reserva para futuros investimentos. Muitas pessoas não conseguem poupar esse montante por se descontrolarem financeiramente ou por viverem em um padrão de vida acima da renda mensal liquida da família — é o famoso caso que já citamos, quando as pessoas costumam se adaptar à renda, gastando mais do que podem.

Acontece que é fundamental desenvolver esse autocontrole. Para ter uma ideia, um investimento de apenas 170 reais mensais feito em uma conta poupança pode gerar uma economia de aproximadamente 640 mil reais após 30 anos. E esse é o investimento menos rentável! Se consideramos outros modelos igualmente conservadores, porém mais lucrativos, poderemos ver esse dinheiro render ainda mais, como LCIs (Letras de Crédito Imobiliário), CDBs (Certificado de Depósito Bancário), entre outros.

Quando apostar nos planejadores financeiros?

Se você já conseguiu equilibrar a sua renda familiar ao ponto de conseguir formar economias e começar a investir, é fundamental contar com o suporte de um planejador financeiro. Isso porque esse tipo de profissional pode ajudar a impulsionar as suas economias da forma mais eficiente possível. Ele pode apontar todas as possibilidades, das mais conservadoras às mais lucrativas, para que a sua família tenha as informações necessárias na hora de decidir como aplicar o seu dinheiro.

Vale lembrar, ainda, que muitas vezes é fundamental variar o tipo de investimento para conseguir mais conforto e tranquilidade no que diz respeitos às finanças. Muitas vezes, pode ser importante dividir o dinheiro entre investimentos de longo e curto prazo de retorno para não comprometer imediatamente toda a reserva da família. Enfim, não há uma resposta genérica sobre como devem ser conduzidos os investimentos, e é justamente por esse motivo que o planejador deve avaliar o seu caso particular para obter a melhor resposta possível!

E você? O que faz para organizar as suas finanças domésticas e manter um bom controle financeiro? Conte a sua experiência nos comentários!

 

Quer Aprender a Investir Melhor?

Receba semanalmente dicas exclusivas e ferramentas práticas para ajudá-lo a investir com sabedoria e ganhar dinheiro extra.

Follow

About the Author

Jonathan B. Camargo, empreendedor, planejador e educador financeiro, formado em Administração de Empresas, certificado como Agente Autônomo de Investimentos pela CVM (2012), pelo Programa de Qualificação Operacional - PQO, como Profissional Financeiro Ambima Serie 20 – CPA 20. Especialista em investimentos e planejamento financeiro, ingressou no mercado financeiro em 2010, com passagens por instituições como Bradesco (Corporate Bank) e XP Investimentos. Trabalha com o intuito de transferir conhecimento aos seus clientes e ajudar a transformar seus objetivos em realidade.