3 Dicas para quem está chegando perto da Aposentadoria | London Capital | O Seu Melhor Investimento

3 Dicas para quem está chegando perto da Aposentadoria

By Jonathan Camargo | 4. Chegando na Aposentadoria

Quer Aprender a Investir Melhor?

Receba semanalmente dicas exclusivas e ferramentas práticas para ajudá-lo a investir com sabedoria e ganhar dinheiro extra.

set 05
chegando na aposentadoria

Se você está chegando na aposentadoria e quer saber como juntar dinheiro, investir melhor, proteger sua família e ainda conseguir se aposentar, definitivamente você está no lugar correto, nesta página vou lhe explicar o que você deve fazer ao longo dos próximos 5, 10 ou 15 anos que antecedem a sua aposentadoria.

Antes de começar a apresentar o que deve fazer e o que você vai encontrar em nosso site, acho legal mostrar que estamos em quase todas as redes sociais como o FacebookLinkedInTwitterGoogle Plus e Youtube, levando conhecimento para quem quer alcançar uma aposentadoria tranquila como você.

Aproveite para nos seguir nas redes sociais e compartilhe com seus amigos ou conexões, o que você achar interessante, afinal difundir conhecimento financeiro é sempre bom.

 

Como investir a reserva financeira se estou chegando na aposentadoria?

Muitas pessoas acabam enfrentando problemas financeiros por não seguirem uma ideia simples: fazer uma reserva financeira (ou fundo de emergência). Alguns acham desnecessário, outros sequer pensaram nisso por desconhecimento, mas uma coisa é certa: fazer esta reserva pode tornar sua vida bem menos estressante e mais tranquila — e até mesmo mais prazerosa para você que está chegando na aposentadoria.

A função essencial da reserva, é a de ser uma disponibilidade em caso de qualquer problema urgente que demande um gasto imprevisível. Motivos que possam gerar altas despesas em curto prazo realmente não faltam:

  • Uma doença mais séria que precise de medicamentos caros;
  • Acidentes que envolvam a necessidade de aluguel de cadeiras de rodas e/ou muletas (e que podem fazer com que você tenha que se afastar do trabalho);
  • Problemas com o carro que envolvam compra de novas peças ou conserto por acidente;
  • Viagens inesperadas a negócios, por problemas de saúde com parentes, congressos etc.;
  • Visita inesperada de parentes ou amigos que vão ficar em sua casa e, consequentemente, demandam um maior gasto diário;
  • Cursos que sejam extremamente necessários para sua carreira;
  • Compras ou conserto de eletrodomésticos;
  • Pagamento de dívidas advindas de qualquer necessidade urgente etc.

 

Ou seja, uma reserva financeira serve para todo e qualquer motivo emergencial que possa surgir, evitando dívidas, necessidade de recorrer a empréstimos e/ou cheque especial – e a verdade: aliviando dores de cabeça futuras. Um outro ponto importante para o fundo de emergência é que ele pode ser extremamente útil em caso de perda de emprego, podendo ajudá-lo a manter as contas em dia até que se consiga uma nova vaga.

Neste vídeo, em nosso canal no Youtube, fala exatamente como fazer esta reserva financeira e quais investimentos fazem sentido para este tipo de situação.

Veja o vídeo: Onde investir uma Reserva Financeira?

 

Como proteger minha família com um seguro de vida?

Quando falamos em seguro de vida para quem está chegando na aposentadoria pensando na proteção familiar, o foco tem que estar na garantia de estabilidade financeira caso você, provedor ou provedora da renda familiar, vier a faltar. Essa falta não ocorre somente com sua morte, mas também em outras situações como invalidez permanente, doenças sérias ou doenças mais simples, mas que o impossibilitam de continuar trabalhando e que limitam sua renda.

É por isso que quando falamos no seguro de vida para proteger nossas famílias, temos que pensar em mais do que a cobertura de morte. Ainda mais para você que está perto da aposentadoria onde as probabilidades começam a não ficar mais a seu favor.

Alguns assuntos parecem difíceis de lidar, pois nos fazem pensar em coisas que ninguém gosta de pensar. Perguntas como “E se você ficar inválido? ” ou “E se você vier a falecer?” nunca são agradáveis de se ouvir. Porém, se você possui dependentes, como filhos, enteados e cônjuge, é imprescindível tratar desse assunto, pois se qualquer dessas coisas ocorrer, eles serão diretamente afetados podendo passar grandes apuros pela falta de renda. Por isso é importante termos coragem de pensar nesse assunto, com consciência e maturidade.

Coberturas para morte

Algumas perguntas ajudam a entender a importância desse seguro e quais coberturas ajudam dentro de cada circunstância.

Se você vier a falecer…

…sua família terá recursos para sobreviver nos próximos meses? 

…sua família terá recursos para pagar toda documentação, burocracias e funeral?

…a herança será liberada rapidamente?

E os impostos?

Coberturas em vida

O seguro de vida não garante a proteção de sua família apenas no caso de morte, também protege enquanto você está vivo. Muitas pessoas desconhecem essas informações e eu, as considero ainda mais importantes do que a cobertura de morte.

Todos temos consciência de que um dia iremos falecer e de alguma forma nos preparamos para isso – mas quantas pessoas se precavem ou sequer pensam no risco de não poderem mais trabalhar ou de terem alguma doença grave? É essencial pensar nisso, ainda mais sabendo que um seguro de vida não custa caro.

Vamos ver alguns exemplos que deixam isso claro:

Como sua família ficará se…

…você não conseguir mais trabalhar permanentemente?

…ou você não conseguir trabalhar temporariamente?

…se você for diagnosticado por câncer ou alguma doença terminal?

Neste artigo,”Seguro de vida: como funciona e por que você precisa de um?”, escrevi bastante sobre o Seguro de Vida Resgatável onde você pode ter todas estas coberturas e se não utilizar, pode ter até 100% do valor pago no seguro de volta e ainda corrigido pela inflação mais uma taxa de juros, acredito que vale a pena a leitura.

 

Como preparar uma carteira de investimentos se estou chegando na aposentadoria?

A passagem da maturidade para a velhice traz consigo alguns fantasmas e o dinheiro pode estar envolvido em muitos deles. Garanto que você não vai querer estar preocupado com isso no momento da vida do qual você deveria estar desfrutando da vida.

Comece nos próximos anos a transformar sua carteira de investimentos com ativos geradores de renda.

Veja abaixo um pouco sobre os principais investimentos que você pode fazer para começar a transformar sua carteira de investimentos:

Ações

São investimentos indicados para o longo prazo. Desse ponto de vista, se você quiser manter seus investimentos em ações, deve procurar ações pagadoras de dividendos e uma diversificação global.

Outro ponto importante é que neste momento de desfrutar da vida, você não vai querer ter que ficar se preocupando em qual ação escolher, delegue este trabalho para um gestor profissional e faça este tipo de investimentos através de um fundo de ações.

Veja aqui dicas de como escolher o melhor fundo: Como escolher os melhores fundos de investimentos?

 

CDBs

CDBs ou Certificado de Depósito Bancário, são uma boa oportunidade para valores menores, procure um CDB que remunere no mínimo 100% do CDI. Você conseguirá encontrar isso em bancos menores e corretoras de valores. O Fundo Garantidor de Créditos garante até R$ 250 mil investidos, por CPF e por instituição por isso, por isso vale a pena sair dos grandes bancos.

Veja mais sobre o Investimento em CDB: quais são os riscos e as vantagens?

 

LCA e LCI

A partir de R$ 30.000,00, é possível fazer aplicações em LCIs (Letras de Crédito Imobiliário) ou LCAs (Letras de Crédito do Agronegócio) que pagam cerca de 95% do CDI. Como sobre esses papéis não incide IR, a aplicação rende na prática, 112% do CDI. Tem prazo mínimo para sacar, conforme cada contrato, indo de 90 dias a 36 meses.

Aqui você encontra como funcionam as LCI e LCA: o que são e quando investir em cada um

 

Previdência privada

A taxa de administração deve ficar abaixo de 1% ao ano se for 100% de renda fixa e abaixo de 2% se houver algum nível de renda variável. Você deve negociar para não pagar taxa de carregamento, que ‘come’ um pedaço da aplicação. O PGBL é bom para quem faz a declaração de IR completa. Já o VGBL só cobra IR sobre os rendimentos. Se escolher a tributação regressiva, o IR pode cair para 10% após 10 anos. Mas, se sacar antes de 2 anos, o IR é de 35%.

Veja este artigo: PREVIDÊNCIA PRIVADA – O GUIA MAIS COMPLETO

 

Tesouro Direto

A partir de R$ 100, é possível investir em títulos públicos do governo que acompanham a taxa de juros básica da economia, que pagam juros mais inflação (ver abaixo) e que pagam uma taxa de juros combinada anteriormente. É o chamado Tesouro Direto. É considerado uma das alternativas mais atraentes atualmente.

Títulos indexados à inflação

O Tesouro Nacional emite NTN-Bs, que são títulos que pagam, no vencimento, um rendimento fixo mais a inflação. Para fazer a poupança do filho é interessante comprar papéis que vão vencer quando ocorrer o resgate. Dessa forma, você foge da chamada marcação a mercado, que faz o preço oscilar bastante e pode assustar os mais inexperientes

Veja este artigo: TESOURO DIRETO – O GUIA MAIS COMPLETO

 

Boa sorte nesta fase de mudanças e conte conosco para o que precisar.

Quer Aprender a Investir Melhor?

Receba semanalmente dicas exclusivas e ferramentas práticas para ajudá-lo a investir com sabedoria e ganhar dinheiro extra.

Follow

About the Author

Jonathan B. Camargo, empreendedor, planejador e educador financeiro, formado em Administração de Empresas, certificado como Agente Autônomo de Investimentos pela CVM (2012), pelo Programa de Qualificação Operacional - PQO, como Profissional Financeiro Ambima Serie 20 – CPA 20. Especialista em investimentos e planejamento financeiro, ingressou no mercado financeiro em 2010, com passagens por instituições como Bradesco (Corporate Bank) e XP Investimentos. Trabalha com o intuito de transferir conhecimento aos seus clientes e ajudar a transformar seus objetivos em realidade.