Conheça as Vantagens e Desvantagens de 5 Tipos de Investimentos

Conheça as Vantagens e Desvantagens de 5 Tipos de Investimentos

By Tatiana Mallmann

Quer Aprender a Investir Melhor?

Receba semanalmente dicas exclusivas e ferramentas práticas para ajudá-lo a investir com sabedoria e ganhar dinheiro extra.

Conheça as vantagens e desvantagens de 5 tipos de investimento

Quando os investidores pensam em aplicar o dinheiro economizado como forma de obter ganhos adicionais e realizar sonhos futuros, há uma lista enorme com vários tipos diferentes de aplicação. Na prática, não existem investimentos bons ou ruins. O que cada investidor deve fazer é analisar as vantagens e desvantagens dos tipos de investimentos a que ele tem acesso e escolher a melhor de acordo com o seu perfil, que está ligado ao prazo para resgate dos valores investidos, à capacidade de poupança mensal e à propensão ao risco que ele possua.

Antes de seguir lendo este artigo quero te convidar a baixar o [EBOOK] Desmistificando Investimentos Financeiros. É um PDF para download gratuito que será enviado diretamente para sua caixa de e-mail. Neste ebook você vai poder compreender mais afundo sobre o assunto deste artigo com estratégias e dicas práticas para você usar no dia-a-dia como investidor.

Se você ainda não baixou faça agora, neste link.

Vamos ver alguns tipos de investimentos mais comuns no Brasil, apresentando as vantagens e desvantagens de cada um deles. Acompanhe:

Fundos multimercados

Os fundos multimercados alocam os valores investidos em várias modalidades distintas, oferecendo mais liberdade aos gestores, pois podem investir em taxas de juros, ações, taxas de juros, DI, dentre outros, podendo investir até 20% do patrimônio total em ativos financeiros localizados no exterior — o que para a diversificação dos ganhos é muito vantajoso.

Vantagens

Além da diversificação por poder investir em tipos diferentes de ativos, alguns usam derivativos para hedge (proteção), garantindo, em alguns casos, o capital inicial aplicado.

Desvantagens

Esse tipo de fundo não é garantido pelo FGC. Sendo assim, é importante ter certeza sobre a credibilidade da instituição gestora do fundo. Possuem mais risco, pois podem alocar os recursos em ativos de maior risco. Para o caso de fundos multimercado de ações, mesmo para valores inferiores a R$ 20 mil há a incidência de imposto de renda. Caso o investimento seja feito diretamente em ações, esse valor é isento.

CDB

Assim como o investimento em renda fixa, o CDB é uma modalidade de investimento que apresenta um risco relativamente baixo para o investidor. O FGC também garante os recursos em caso de quebra do banco em que os recursos estão investidos até o valor de R$ 250 mil.

Esse tipo de investimento só pode ser comercializado pelos bancos que, na prática, pegam o dinheiro depositado pelos investidores para emprestarem a quem se interessar. Os ganhos variam de acordo com o CDI e, por regra geral, quanto menor o banco, maior poderá ser o ganho obtido com juros, mas o prazo é maior do que a renda fixa para realização, podendo chegar a 2 anos.

Vantagens

Os bancos menores costumam pagar bem mais que 100% do CDI como juros e, caso quebrem, o FGC garante o recurso investido.

Desvantagens

O prazo de realização, dependendo do plano que o investidor tenha ingressado, pode ser grande, inviabilizando o investimento de curtíssimo prazo no CDB por algumas vezes.

Títulos públicos

O Tesouro Direto é o responsável pela comercialização dos diversos tipos de títulos de dívida pública federal no país. O cliente deve abrir uma conta em uma corretora e os custos operacionais são bem baixos, além dos valores mínimos para investimento, a partir de R$ 30.

Há 3 modalidades de investimento no Tesouro Direto: títulos pré-fixados, títulos pós-fixados pela taxa básica de juros (SELIC) e títulos pós-fixados pela inflação oficial (IPCA). Na dúvida de qual investir, uma boa alternativa é dividir parte em pré-fixado e parte em pós-fixado.

Se a inflação se eleva demais, por exemplo, você perderá um pouco no pré-fixado, mas ganhará se tiver uma parte em títulos atrelados à inflação. Essa é uma maneira de diversificar os investimentos dentro do Tesouro Direto, evitando perdas.

Vantagens

São de fácil comercialização, pois o Governo recompra os títulos a qualquer momento. A rentabilidade também acompanha os índices oficiais, garantindo o capital do investidor. Apenas em caso de quebra do Governo Federal é que os investidores ficarão sem os recursos, e o risco é baixíssimo.

Desvantagens

Podem ser comprados títulos para 2 anos, 5 anos ou até 45 anos de vigência. O ideal é que se mantenham até o fim, pois o resgate antecipado pode gerar perdas para o investidor.

Letras de crédito imobiliário e agropecuário (LCI/LCA)

Esses investimentos têm um atrativo principal do que a isenção do imposto de renda sobre a rentabilidade e ausência de IOF. Eles são negociados pelas instituições financeiras e os recursos obtidos serão utilizados em projetos para o desenvolvimento imobiliário e agropecuário.

Possuem a rentabilidade negociada diretamente com a instituição gestora, também podendo ser pré-fixada ou pós-fixada. Os pagamentos pós-fixados são baseados no CDI e os pré-fixados negociados com a instituição gestora.

Vantagens

Isenção de imposto de renda e IOF, trazendo vantagens no longo prazo.

Desvantagens

Como há várias modalidades e prazos, deve-se preocupar com os prazos mínimos para resgate, além das condições aplicadas para que perdas sejam evitadas. Aqui, o ideal é que o investimento fique até o final do prazo acordado aplicado.

Ações ou fundos de ações

Investir no mercado de bolsa é mais arriscado do que em qualquer outro tipo de investimento, mas pode trazer rendimentos bem maiores também. Nesse caso, tanto ações quanto fundos de ações terão os recursos aplicados em empresas de capital aberto.

No caso das ações, os recursos são aplicados diretamente nas empresas, tendo o retorno dos juros sobre o capital próprio e dos dividendos de maneira periódica, conforme o estatuto social da empresa. Já nos dos fundos de ações, várias empresas receberão investimentos e a diversificação é maior, pois no caso de uma empresa em específico apresentar mau desempenho, outras poderão compensar essas perdas.

Os fundos têm uma taxa de administração maior do que as ações, mas garantem àqueles que não possuem muita intimidade com o mercado de capitais uma maior diversificação e uma quantidade de recursos menor para ser investida.

No longo prazo, normalmente são bons investimentos, gerando mais retorno para os investidores. Requerem um prazo superior a 5 anos para a sua realização, pois poderão compensar eventuais perdas.

Vantagens

A possibilidade de ganhos é maior e a rentabilidade é diária. Dependendo da empresa ou do grupo de empresas investido, é possível acompanhar os preços das ações em tempo real e vendê-las ou comprá-las instantaneamente. Para valores mais elevados, as taxas de administração são atraentes.

Desvantagens

Se investido para longo prazo, o capital pode ser seriamente corroído e sem possibilidade de retorno. As empresas a serem investidas devem ser estudadas com profundidade para que as perdas possam ser minimizadas, mas o passado não é garantia de retorno futuro.

Há muitos tipos de investimentos no Brasil e qualquer modalidade pode ser boa para um investidor, desde que ele tenha uma meta estabelecida, além de conhecimento de onde está aplicando seu dinheiro. O perfil do investidor também é algo que deve ser traçado de maneira prévia, indicando como serão distribuídos os investimentos, formando a carteira do investidor.

Qual tipo de investimento é mais adequado para o seu perfil? Deixe um comentário para nós!

Ah e não esquece de baixar o [EBOOK] Desmistificando Investimentos Financeiros.

Quer Aprender a Investir Melhor?

Receba semanalmente dicas exclusivas e ferramentas práticas para ajudá-lo a investir com sabedoria e ganhar dinheiro extra.

About the Author

Tatiana Mallmann, Co-Fundadora do Blog London Capital, formada em Administração de Empresas, ingressou no mercado financeiro em 2006, acumulando experiência em varejo, planejamento financeiro e seguros corporativos em instituições como Banco do Brasil e Confiança Companhia de Seguros. Especialista em planejamento financeiro, gestão de risco, proteção do ativo humano, blindagem de patrimônio e sucessão empresarial.