Onde e Quanto Investir por mês para Ficar Milionário Rápido?

Onde e Quanto Investir por mês para Ficar Milionário Rápido?

By Tatiana Mallmann

Quer Aprender a Investir Melhor?

Receba semanalmente dicas exclusivas e ferramentas práticas para ajudá-lo a investir com sabedoria e ganhar dinheiro extra.

Onde e quanto investir por mês para ficar milionário o quanto antes

Como ficar rico? Ou, melhor dizendo, como ficar milionário? Quanto investir? Ao contrário do que o inconsciente coletivo conceitua, é perfeitamente possível chegar ao primeiro milhão partindo do zero (ou de algum capital acumulado). A história é pródiga em exemplos de investidores de origem humilde, que conquistaram sua independência financeira (ou, em alguns casos, muito mais do que isso!) com disciplina, paciência, aprendizado, educação financeira e uma ideia fixa em torno do sucesso patrimonial.

O exemplo nacional mais famoso é o de Luiz Barsi, que engraxava sapatos no centro de São Paulo, morou em cortiços no bairro paulistano do Brás e hoje é um dos maiores acionistas de empresas como Banco do Brasil, Klablin e Forjas Taurus. Ele queria o 1º milhão, mas ultrapassou faz tempo essa marca: a estimativa é que Barsi tenha em torno de R$ 1 bilhão investido na Bolsa de Valores. Em entrevista concedida a um veículo de imprensa, há 3 anos, um dos homens mais ricos do país afirmou que, assim como ele fez, “qualquer um pode ficar rico com ações.” A história dele não nos permite duvidar.

Esse cidadão comum, que descobriu como viver de renda e multiplicar seu patrimônio aproveitando as oportunidades do mercado financeiro pode inspirar o caminho de pessoas como você, que têm algum dinheiro, mas não sabem por onde começar, o que fazer para transformar “algum dinheiro” em uma sólida fortuna. Mas, por sorte, diferentemente de outros investidores ao redor do mundo, você mora em um país com as maiores taxas de juros do planeta. As opções do mercado são vastas e com conhecimento, paciência e um pensamento de longo prazo, chegar ao primeiro milhão é quase uma consequência natural.

Antes de seguir lendo este artigo quero te convidar a baixar o [EBOOK] Gestão de Riqueza. É um PDF para download gratuito que será enviado diretamente para sua caixa de e-mail. Neste ebook você vai poder compreender mais afundo sobre o assunto deste artigo com estratégias e dicas práticas para você usar no dia-a-dia como investidor.

Se você ainda não baixou faça agora, neste link.

Hoje vamos mostrar alguns exemplos de portfólios de investimento que podem ser montados para quem tem o sonho de chegar à aposentadoria sem depender do falido INSS ou da escuridão das previdências privadas. Confira!

 

Quanto investir: capital inicial de R$ 300 mil

Vamos simular algumas situações para mostrar como ações ousadas levam a resultados ousados. Neste primeiro contexto, vamos imaginar que você acabou de vender um apartamento que gerava um aluguel e pretende investir esse valor (R$ 300 mil) em uma aplicação, pensando no longo prazo.

Óbvio que para chegarmos a um resultado matematicamente exato, na maioria dos casos, teríamos que ter posse de uma extensa tabela com todas as variações de rentabilidade de um ativo ao longo de 10, 20, 30 anos (exceto no caso da compra de títulos prefixados, em que já se sabe previamente qual o rendimento do papel até o final do período). Embora não seja possível ter esse controle do futuro, iremos simular alguns percentuais com base em série histórica dos últimos 10 anos (120 meses), cuja base você poderá conferir aqui!

Pois bem. Dando uma olhada na tabela linkada acima, vemos que o CDI em 2015 ficou na casa dos 13,23%, em função do movimento de alta da Selic. Neste cenário de juros exorbitantes, uma opção interessante e de baixo risco para chegar ao 1º milhão seria apostar em títulos públicos prefixados. Ao dar uma checada na tabela de preços do Tesouro Direto, encontramos papéis do “Tesouro Prefixado com Juros Semestrais 2027 (NTNF)”, com taxas de 16,22% a.a.

Título escolhido, vamos utilizar uma calculadora online de aplicações, marcando como valor inicial os R$ 300 mil, com taxa de juros de 16,22% a.a. (ou 1,26% a.m.), além de prazo de 11 anos (já que estamos em 2016 e o vencimento dos papéis é 01/01/2027). Deixe o valor mensal em branco, já que contaremos, neste cenário, apenas com a compra de R$ 300 mil em títulos públicos. Perceba que chegaremos, no final da aplicação, a R$ 1.566.488,09.

Vale destacar que – apenas para fins didáticos – estamos somando todo o patrimônio do nosso investidor hipotético e o direcionando para uma única aplicação. Evidentemente que, em um cenário real, a diversificação seria priorizada, a fim de dar maior segurança ao aplicador e proteger o capital. Há de se levar em consideração também que estamos falando de valor nominal (e não real, pois, neste caso, teríamos que descontar a inflação). O imposto de renda também deve ser subtraído desse montante.

Quanto investir: aporte inicial de R$ 200 mil + possibilidade de aplicações mensais de R$ 1.000,00

Aqui, temos uma variável, a possibilidade de incrementar o montante inicial com aplicações mensais e sucessivas. Nesta situação, poderíamos trabalhar na aplicação de LCI 95% do CDI (mais conservador), que apresentou rentabilidade anual de 15,19% (1,18% a.m.), acumulando 201,04% nos últimos 10 anos, de acordo com a tabela referenciada acima. Vamos fixar essa rentabilidade mensal para efeitos didáticos.

Nesta situação, poderiam ser destinados R$ 200 mil para aplicação inicial em LCI, com a compra sucessiva de títulos com os R$ 1 mil mensais disponíveis, por um período de 10 anos. Conforme cálculo que pode ser feito na calculadora mostrada acima, ao final do período, teríamos em torno de R$ 1.078.893,27 (valor nominal). Viu como ficar milionário não é tão impossível quanto as pessoas imaginam?

Quanto investir: aporte inicial de R$ 100 mil + possibilidade de aplicações mensais de R$ 3.000,00

Para essa configuração, um investimento em CDB 90% do CDI, que pague em torno de 1% a.m., já seria suficiente para alcançar o 1º primeiro milhão em um prazo de 120 meses (10 anos). Neste caso, o montante final, a essa taxa, chegaria a R$ 1.020.154,76.

Valor real x valor nominal

Montamos 3 cenários pensando apenas no valor nominal, mas o poder de compra do R$ 1 milhão de amanhã não é o mesmo do de hoje. Se quiséssemos chegar a R$ 1 milhão mantendo o valor real (valor de hoje), deveríamos ter um rendimento acima da inflação do período. Suponhamos que tenhamos uma inflação anual de 7% a.a. (próximo ao teto da meta do governo) durante a próxima década. Neste caso, um fundo multimercado que 12% a.a. nos daria 5% a.a. (líquido) ou 0,40% líquido ao mês, conforme pode ser calculado aqui. Com um aporte inicial de R$ 300 mil e aplicações mensais de R$ 3 mil, esses 0,40% de juros líquidos mensais resultariam em R$ 1,8 milhão nominal daqui a 11 anos (ou em 1.028.440,70, transpondo para o valor de hoje). Nada mal, não?

Luiz Barsi estava certo, não? Ficar milionário envolve investimentos contínuos, renúncia, educação financeira e persistência extrema. Mas é possível a todos. Esse caminho é encurtado e torna-se mais seguro quando se tem o auxílio de um assessor de investimentos, que irá lhe auxiliar a encontrar opções de mercado mais rentáveis e que se encaixem em seus objetivos, favorecendo resultados mais sólidos.

Agora que você mudará para sempre seus objetivos de vida em busca do tão sonhado 1º milhão, seu primeiro passo deverá ser assinar nossa newsletter, a fim de se manter sempre ligado nas oportunidades do mundo do capital, ok? Afinal, tomando os ensinamentos de Henry Ford, “há um punhado de homens que conseguem enriquecer simplesmente porque prestam atenção aos pormenores que a maioria despreza.” Sucesso e olho no mercado!

Ah e não esquece de baixar o [EBOOK] Gestão de Riqueza.

Quer Aprender a Investir Melhor?

Receba semanalmente dicas exclusivas e ferramentas práticas para ajudá-lo a investir com sabedoria e ganhar dinheiro extra.

About the Author

Tatiana Mallmann, Co-Fundadora do Blog London Capital, formada em Administração de Empresas, ingressou no mercado financeiro em 2006, acumulando experiência em varejo, planejamento financeiro e seguros corporativos em instituições como Banco do Brasil e Confiança Companhia de Seguros. Especialista em planejamento financeiro, gestão de risco, proteção do ativo humano, blindagem de patrimônio e sucessão empresarial.