LCI e LCA: O Que São e Quando Investir em Renda Fixa Isenta de IR

LCI e LCA: Como Investir com Mais Rentabilidade?

By Tatiana Mallmann

Quer Aprender a Investir Melhor?

Receba semanalmente dicas exclusivas e ferramentas práticas para ajudá-lo a investir com sabedoria e ganhar dinheiro extra.

LCI_e_LCA_o_que_são_e_quando_investir_em_cada_um

Aplicações que têm seus rendimentos ligados à SELIC, como LCI e LCA se tornaram excelentes opções para investir nesse momento, proporcionando uma boa rentabilidade e acompanhado de um risco baixo.

Antes de seguir lendo este artigo quero te convidar a baixar o [EBOOK] Renda Fixa. É um PDF para download gratuito que será enviado diretamente para sua caixa de e-mail.

Neste ebook você vai poder compreender mais afundo sobre o assunto deste artigo com estratégias e dicas práticas para você usar no dia-a-dia como investidor.

Se você ainda não baixou faça agora, neste link.

Essa situação pode ser vista claramente pela alta procura dos títulos de LCI e LCA, títulos de renda fixa cada vez mais valorizados e que ainda têm diversas outras vantagens adicionais, como isenção de Imposto de Renda.

Mas o que são exatamente esses dois papéis? Quais são suas características? Preparamos um resumo completo explicando tudo sobre como investir desses dois ativos. Confira!

O que é LCI e LCA?

LCI é a sigla para Letras de Crédito Imobiliário e se trata de um título emitido por instituições financeiras composto por créditos imobiliários.

Na prática, a LCI é um empréstimo de dinheiro realizado pelo investidor a um banco ou financeira autorizados pelo Banco Central a fazer operações de financiamento de imóveis.

O valor captado pela LCI é utilizado pela instituição financeira para fomentar atividades no setor imobiliário — ou seja, o investidor empresta capital ao banco que repassa esse dinheiro para interessados em construir de imóveis, por exemplo.

Com isso, pode-se dizer que a LCI é um título lastreado em ativos imobiliários, tendo assim os próprios imóveis como garantia. Para a LCA (Letras de Crédito do Agronegócio), o funcionamento é o mesmo da LCI. A mudança é apenas em seu propósito: em vez de financiar imóveis, os seus recursos são destinados a fomentar o setor agropecuário.

 

Como funcionam os LCIs e LCAs?

Os títulos funcionam da seguinte maneira: são emitidos por bancos com o objetivo de captar recursos financeiros destinados a empréstimos, que serão oferecidos tanto para o setor imobiliário quanto para o agronegócio.

A grosso modo, você empresta dinheiro para que o banco possa emprestar dinheiro e, em troca disso, recebe o valor aplicado mais um rendimento pré-estabelecido na hora da compra deste título.

Ambos os títulos podem ser atrelados ao CDI, uma taxa de juros interbancária cujo valor tornou-se referência nacional para rendimentos diversos.

 

Quais as vantagens da LCI e LCA?

• Para quem busca um investimento com rentabilidade maior que o Rendimento da Poupança, a Letra de Crédito é um excelente produto.

• É muito interessante por não haver incidência de Imposto de Renda para pessoas físicas.

• Possui baixo risco.

• Possui proteção do FGC (Fundo Garantidor de Crédito) que protege até R$ 250 mil por CPF e por instituição financeira.

 

Quais as desvantagens da LCI e LCA?

• O prazo mínimo de emissão é de 90 dias. Ou seja, pra quem pretende resgatar o dinheiro em um prazo menor, esse investimento é inviável.

• A aplicação mínima é um pouco mais alta se comparada com outros investimentos mais tradicionais como, por exemplo, o Tesouro Direto ou até mesmo os CDB’s.

 

Como é a rentabilidade dos investimentos em LCI e LCA?

As rentabilidades de um investimento em LCI ou LCA costumam ser muito semelhantes, variando apenas de acordo com o banco que emite o papel e pelo lastro que o título tem.

O rendimento dos títulos é definido em contrato entre o investidor e instituição financeira, e podem ser pré-fixadas com um valor determinado até o vencimento, ou pós-fixada, tendo normalmente como base a rentabilidade do Certificado de Depósito Interbancário (CDI).

O CDI que é a taxa de juros cobrada pelas operações financeiras realizadas entre os próprios bancos diariamente, e seu valor acompanha a taxa básica de juros da economia.

Com isso, podemos dizer que o rendimento de uma LCI ou LCA pré-fixada será melhor se a perspectiva da taxa de juros no futuro for de baixa. Da mesma forma, uma aplicação pós-fixada será mais vantajosa se a taxa de juros estiver alta e com perspectiva crescente.

Como e quando investir em LCI ou LCA?

1) Escolha um banco ou corretora autorizada a intermediar a compra e venda de LCI e LCA

Os bancos geralmente vendem as LCI emitidas pela própria instituição. Já muitas corretoras distribuem LCI e LCA de vários bancos – então a chance de encontrar papéis mais rentáveis é maior.

Ao decidir pelo investimento em LCI/LCA, a primeira medida é disponibilizar a quantia necessária para a aplicação. O valor mínimo exigido pode variar de uma instituição para a outra, porém, diversos bancos e financeiras costumam estabelecer uma quantia de pelo menos R$ 50.000,00.

Porém, algumas instituições, como corretoras, oferecem uma acessibilidade maior a esse tipo de investimento, permitindo a realização de aplicações com valores mais baixos, por volta de R$ 5.000. Normalmente, as LCAs são mais caras e menos populares que as LCIs, sendo oferecidas apenas por bancos mais tradicionais e exigindo valores maiores para a aplicação.

 

2) Pesquise o tipo de título que vai comprar

Existem as LCI ou LCA prefixadas e as pós-fixadas. Compare e veja qual se adéqua melhor a suas necessidades e qual oferece uma remuneração mais atrativa.

As LCI e LCA prefixadas são mais difíceis de encontrar no mercado e geralmente valem a pena se os juros caíram ao longo do período de aplicação. Como isso é muito difícil de prever, geralmente os papéis pós-fixados são mais interessantes.

Após definir o valor a ser investido, escolha pelo LCI ou LCA de sua preferência (pré-fixada ou pós-fixada), abra a conta numa corretora, e aplique diretamente no papel desejado.

Não se esqueça de avaliar fatores como o prazo mínimo pedido para resgate — que costumam ser rígidos, e confira a data de vencimento do título. Analise a relação de custo-benefício entre prazo e rentabilidade do papel, pois quanto maior o prazo de aplicação, menor será a sua liquidez, e maiores serão os rendimentos.

Confira também como diversificar seus investimentos em Renda Fixa.

3) Respeite o limite de R$ 250 mil

A garantia do FGC se limita a aplicações de até R$ 250 mil por instituição financeira. Por isso, respeite esse limite para investir com mais segurança. Caso queria investir mais do que isso em LCI ou LCA, opte por dividir o dinheiro entre bancos diferentes.

Quais os riscos de investir em LCI ou LCA?

Todos os títulos LCI e LCA contam com a garantia do Fundo Garantidor de Crédito (FGC). Por meio desse sistema, o investidor estará protegido até o valor de 250 mil para cada aplicação em LCI e LCA por instituição financeira. Isso confere às LCI e LCA um risco baixíssimo para quem não ultrapasse esse limite.

Com isso, o principal perigo é investir acima de 250 mil reais em instituições sem muita solidez financeira. Se o caso de falência acontecer, o banco talvez não terá capacidade de pagar sua obrigação, prejudicando assim o investidor.

Qual a liquidez do investimento em LCI e LCA?

A liquidez desse tipo de investimento variará de acordo com o tipo de contrato firmado e com a instituição financeira que emitiu o papel. Normalmente, as LCI e LCA só permitem o resgate do dinheiro investido na data de vencimento, limitando a liquidez da aplicação e tornado esse tipo de investimento desvantajoso. Por isso, recomenda-se outros tipos de investimentos para períodos de curto prazo.

Entretanto, algumas instituições financeiras oferecem opções para aumentar a liquidez desse tipo de aplicação, permitindo o resgate do valor parcial ou total do papel depois do tempo mínimo. Além disso, como a transferência de titularidade é permitida, o proprietário pode conseguir reaver a quantia investida mais seus rendimentos se conseguir comercializar o ativo para outros investidores.

Quais os custos e impostos ao investir em LCI e LCA?

Para pessoas físicas, não existe cobrança de Imposto de Renda para os rendimentos obtidos em LCI e LCA. Com isso, a taxa de juros oferecida por esses papéis é líquida, se tornando assim bem mais atraente do que aplicações em um CDB, por exemplo, que é tributado.

Porém, alguns custos podem existir no momento em que a aplicação é feita. Cobranças como taxa de custódia pelo papel podem ser efetuadas, mas a sua incidência desse custo, assim como sua existência ou não, vai variar de uma instituição para outra.

Por que investir em LCI e LCA?

As Letras de Crédito Imobiliárias e de Agronegócio são alternativas interessantíssimas no mercado de investimentos brasileiro. Saem na frente de outros investimentos por não haver incidência de imposto de renda para pessoas físicas, por apresentar baixo risco e garantia assegurada pelo governo.

Porém, o valor mínimo de aplicação tende a ser mais alto se comparado com outros investimentos mais tradicionais de renda fixa.

A restrição de liquidez também pode se tornar um empecilho, tornando a LCI e LCA inapropriada para aplicações em curto prazo. Entretanto, tudo indica que o momento agora é de deixar um pouco de lado os demais tipos de investimentos e focar na renda fixa. E dentre todos as alternativas disponíveis, a melhor acaba sendo mesmo as LCI e LCA.

 

Como investir em LCI e LCA, com mais rentabilidade?

Quando pensamos em investimentos ou temos um capital que gostaríamos de investir, lembramos, naturalmente, dos grandes bancos. Isso porque muitas vezes achamos que são mais seguros e pela praticidade de investir no mesmo banco que temos conta corrente, antes mesmo de analisarmos os serviços que são prestados.

O que acontece é que dentro dos bancos você não encontra muitas oportunidades de diversificação de seus investimentos, estratégia que é essencial para seu sucesso.

O cliente que investe dinheiro no banco em que tem conta, tem acesso somente a títulos daquele próprio banco. Com isso, acaba ficando um pouco “engessado”, pois são poucas as opções e nem sempre as mais rentáveis.

Por exemplo: No Banco do Brasil, você só encontra a LCI Banco do Brasil, e não a LCI Caixa, a LCI Itaú ou a LCI do BTG Pactual, e elas podem apresentar melhores rendimentos.

Por isso é interessante investir através de uma corretoras de valores, onde você encontra títulos de diversas instituições financeiras e com rentabilidades diferenciadas de acordo com seu porte e necessidade. Muitas vezes as menores instituições oferecem as maiores rentabilidades.

 

Simulador LCI e LCA

Faça simulações de investimento em LCI e LCA utilizando este novo simulador online. As instituições financeiras que vendem esse tipo de investimento costumam informar a sua rentabilidade com base em um percentual do CDI.

Não é nada intuitivo dizer que a rentabilidade da LCI 80% do CDI ou 90% do CDI. Isso obriga o investidor a fazer um cálculo para descobrir quanto representa esse percentual do CDI na data de hoje.

O simulador desta página facilita esse cálculo. Você também ficará sabendo qual será a rentabilidade mensal e diária do seu investimento, caso o CDI se mantenha o mesmo entre a compra e o vencimento do LCI ou LCA.

Para acessar o Simulador de LCI e LCA use este link.

 

Como usar o simulador LCI e LCA?

Veja como preencher e o que significa cada campo do simulador.

1) Valor aplicado: Informe quanto você pretende investir. É importante lembrar que LCI e LCA são títulos privados. Cada título LCI e LCA possuem um preço definido por cada instituição. Dessa forma, existe um valor mínimo a ser investido ao adquirir cada título.

2)  Data da aplicação: Data em que você pretende comprar a LCI ou LCA.

3) Data de Hoje ou Resgate: Data final da aplicação. A instituição financeira sempre informará a data de vencimento da LCI ou LCA.

4) Quantidade de dias corridos: O simulador irá calcular quantos dias corridos existem entre a data inicial e final do investimento.

5) Taxa DI (ao ano): Você deve visitar o site www.cetip.com.br para descobrir qual é a taxa DI atual. Essa taxa está bem destacada no topo da primeira página do site.

6) Percentual do CDI (% do CDI): As instituições informam a rentabilidade da LCI ou LCA através de percentuais do CDI (taxa DI). Exemplo: 95% do CDI. Informe esse percentual aqui.

7) Dias úteis: O seu investimento será rentabilizado nos dias úteis com base em uma taxa diária equivalente a taxa anual. Neste campo, calculamos uma estimativa de quantos dias úteis existirão entre a compra e a venda da LCI ou LCA.

8) Taxa DI (por dia útil): O simulador descobrirá qual será a rentabilidade diária equivalente da taxa de juro anual do CDI.

9) Rentabilidade por dia útil: Esta será a rentabilidade diária que o banco irá aplicar no seu dinheiro todos os dias úteis.

10) Rentabilidade por mês: Esta será a rentabilidade mensal.

11) Rentabilidade por ano: Esta será a rentabilidade anual.

12) Rentabilidade no período: Esta será a rentabilidade acumulada entre a compra e o vencimento da LCI ou LCA.

13) Valor aplicado atualizado: Isto é quanto você terá no final do investimento. É importante considerar que variações na taxa DI influenciam imediatamente na rentabilidade do investimento.

Se ocorrer uma mudança na taxa DI no dia de hoje, no dia seguinte, a sua rentabilidade já será diferente. Se a taxa DI subir, a rentabilidade irá subir. Se a taxa DI cair, sua rentabilidade irá cair no dia seguinte. É por isto que se trata de um investimento pós-fixado. Você só saberá a rentabilidade final, no último dia do investimento, depois que ocorrem variações na taxa DI entre a compra e a venda.

Por este motivo, o valor deste campo mostra quanto você teria se a taxa DI continuar a mesma entre a compra e a venda da LCI.

14) Valor do Rendimento Líquido: Mostra quanto você ganhará de juros em todo período;

15) % rendimento líquido: Sua rentabilidade no final do investimento.

 

Como declarar LCI e LCA no Imposto de Renda?

Apesar de não ser tributado, o investimento em LCI e LCA precisa ser declarado, junto com os demais investimentos na sua declaração anual.

Todo contribuinte deve enviar anualmente para Receita Federal sua declaração de Imposto de Renda. Mas fique tranquilo! A sua corretora ou banco entrega um informe de rendimentos que só precisa ser copiado na declaração e não é preciso pagar nenhuma DARF e nem preencher nenhum formulário especial.

Para declarar seu título, você deve seguir duas etapas:

  1. Declarar a posse do título no campo ‘Bens e Direitos’.
  2. Declarar os rendimentos do título (caso você tenha resgatado), no campo ‘Rendimentos Isentos e Não Tributáveis’.

Se você não tiver resgatado o seu investimento, você só precisará preencher o primeiro campo, mas caso você tenha efetuado o resgate, você terá que preencher ambos.

Agora que você entendeu como funciona essa modalidade de investimento, conheça outras formas de fazer seu capital trabalhar para você

 

LCI e LCA x CDB

Os CDBs (Certificado de Depósito Bancário), assim como as Letras de Crédito Imobiliário e do Agronegócio, também são títulos de renda fixa com alto grau de segurança para quem investe.

Para entender melhor, os CDBs funcionam da seguinte maneira: para poder emitir empréstimos diariamente, os bancos precisam, também, tomar dinheiro emprestado, e investir em um CDB é emprestar, a prazo, dinheiro aos bancos.

Eles utilizam esse dinheiro em suas operações e retornam ao investidor o mesmo valor + a taxa de juros a qual esse título está atrelado, podendo ser pré ou pós fixada.

Sendo os rendimentos de um CDB também subordinados ao CDI ou a uma taxa fixa anual, assim como as LCIs e LCAs a escolha entre esses dois investimentos depende do perfil do investidor e de suas necessidades.

Isso porque a maior diferença entre eles é que a maioria dos CDBs possuem liquidez diária, diferentemente das LCIs e LCAs, então se você precisar do dinheiro investido em curto prazo, um CDB pode ser a melhor opção.

Assim como as LCIs e LCAs, o CDB também é garantido pelo FGC em até R$250.000,00 por CPF e Instituição.

Além disso, em aplicações como o CDB, o Imposto de Renda sobre os rendimentos é de 22,5% a 15%, de um tempo de aplicação inferior a 180 dias a um superior a 720 dias, enquanto LCI e LCA são isentas de IR.

 

LCI e LCA x Poupança

A poupança é o investimento mais procurado pelos brasileiros. Apesar de em 2016, pelo segundo ano consecutivo, os saques terem superado os depósitos, ao final do ano os recursos investidos chegavam a quase R$ 665 bilhões.

Por ser muito seguro e difundido culturalmente, o investimento em poupança nem sempre passa por uma análise criteriosa e muitos investidores não sabem o quanto estão deixando de ganhar ao investir em uma poupança e não em títulos de renda fixa.

O rendimento da poupança está sempre atrelado a taxa Selic, que é a taxa de juros básica no Brasil. Se a Selic ultrapassar 8.5% ao ano, o rendimento da poupança estará em 6% a.a. + Taxa Referencial (TR).

Tanto LCI e LCA como a poupança são isentas de IR e apresentam a mesma garantia do FGC.

 

LCI e LCA x Tesouro Direto

Tesouro Direto é o programa do Tesouro Nacional criado com o objetivo de tornar mais democrático o acesso aos investimentos em títulos públicos por parte dos cidadãos. O funcionamento é muito parecido com o de títulos privados, mas, nesse caso, ao invés de emprestar dinheiro a um banco, você empresta ao próprio governo, que usa esses investimentos para financiar programas de desenvolvimento do país e dívidas públicas.

O atrativo dos títulos do Tesouro Direto está no fato de serem todos ativos de renda fixa de maior segurança do mercado, sendo todos 100% garantidos pelo Tesouro Nacional. E mais: você pode começar a investir com apenas R$30,00!

Assim como os demais fundos de renda fixa, os títulos do Tesouro podem ser pré ou pós fixados, e podem ser indexados a diferentes taxas. São eles:

Tesouro Selic

O Tesouro Selic nada mais é que um título público pós-fixado cuja rentabilidade está sempre ligada a taxa SELIC.

Sua liquidez é diária, mas seus rendimentos tendem a ser os menores da carteira de títulos do Tesouro Nacional.

 

Tesouro Prefixado

O Tesouro Prefixado é um investimento mais conservador, onde o investidor sabe exatamente qual será o valor do seu resgate no dia de seu vencimento. Mas ainda diferente dos títulos prefixados privados.

Funciona da seguinte maneira: mantendo o dinheiro aplicado até seu vencimento, cada título valerá R$1.000,00 (ou o proporcional disso caso você tenha adquirido apenas uma fração de título), e sua rentabilidade estará representada pela diferença entre esse valor e o que foi pago em sua compra.

Vale a pena quando a taxa prefixada estabelecida na compra do título se mantém maior que a taxa de juros básica às quais os outros títulos públicos estão atrelados, caso contrário, seu rendimento será menor.

 

Tesouro IPCA

Esse título tem como atrativo garantir o poder de compra do seu dinheiro por estar sujeito ao índice IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), ou seja, a variação da inflação. Sua rentabilidade está atrelada, ainda, a uma taxa de juros contratada prefixada.

O Tesouro IPCA é um título recomendado a quem deseja um investimento de longo prazo, como aposentadoria e outros.

 

LCI e LCA possuem Taxa de Administração?

Nem LCIs e nem LCAs possuem taxas de administração.

Isso porque, sendo os títulos empréstimos que você faz às instituições financeiras, não seria justo cobrar pela administração desse dinheiro, não é mesmo?

 

Conclusão

Com essas informações em mãos, fica mais fácil aplicar em LCI e LCA. Ficou alguma dúvida sobre o assunto? Quer compartilhar alguma informação? Deixe um comentário e participe!

Ah e não esquece de baixar o [EBOOK] Renda Fixa.

Quer Aprender a Investir Melhor?

Receba semanalmente dicas exclusivas e ferramentas práticas para ajudá-lo a investir com sabedoria e ganhar dinheiro extra.

About the Author

Tatiana Mallmann, Co-Fundadora do Blog London Capital, formada em Administração de Empresas, ingressou no mercado financeiro em 2006, acumulando experiência em varejo, planejamento financeiro e seguros corporativos em instituições como Banco do Brasil e Confiança Companhia de Seguros. Especialista em planejamento financeiro, gestão de risco, proteção do ativo humano, blindagem de patrimônio e sucessão empresarial.