Clube de Investimentos: O Que É e Por Que Participar de Um?

Clube de Investimentos: O Que É e Por Que Participar de Um ?

By Jonathan Camargo | 1. Aprendendo a Investir

Quer Aprender a Investir Melhor?

Receba semanalmente dicas exclusivas e ferramentas práticas para ajudá-lo a investir com sabedoria e ganhar dinheiro extra.

mar 26
Clube_de_investimento_o_que_é_e_porque_participar

Procurar por boas oportunidades de investimento é uma atividade essencial para quem está em busca do sucesso financeiro. Neste post vamos abordar uma das melhores opções para quem está pensando em entrar no mercado de ações: os clubes de investimentos. Por meio dele, é possível participar da Bolsa de Valores mesmo sem ter muito conhecimento ou dispor de um capital elevado para aplicar.

Antes de seguir lendo este artigo quero te convidar a baixar um dos nossos [EBOOKs LONDON] link aqui. É um PDF para download gratuito que será enviado diretamente para sua caixa de e-mail. Os assuntos são variados, desde aposentadoria a investimentos específicos, através destes conteúdos, procuramos passar estratégias e dicas práticas para você usar no dia-a-dia como investidor.

Se você ainda não baixou faça agora, neste link.

Quer entender mais sobre essa forma de investimento cada vez mais popular no Brasil? Confira!

 

O que é clube de investimentos?

Um clube de investimentos é um condomínio composto por investidores para a aplicação de capital em títulos e valores mobiliários. Normalmente, os clubes são compostos por grupos de amigos, colegas, familiares ou pessoas com afinidades em comum, que se reúnem para aplicar suas economias no mercado de capitais. Para isso, elas realizam encontros e discussões periodicamente para debater as melhores oportunidades de investimento, garantindo participação e controle das políticas para todos.

Os clubes de investimentos são uma modalidade que também funciona como uma ferramenta de aprendizado para o pequeno investidor. Muitas vezes, ele é uma pessoa que não tem capacidade financeira e nem acesso a investimentos mais avançados. Porém, por meio do clube, o cotista passa a poder operar no mercado financeiro de uma forma mais completa, tendo recursos suficientes para formular e aplicar estratégias decidindo quanto e em qual ação investir.

Como funciona um clube de investimentos

O clube é registrado sob a forma de condomínio — ou seja, cada participante tem direito a cotas —, e seu funcionamento é regulado pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), obedecendo também às normas da Bovespa e ao seu regimento interno (Estatuto Social).

A administração de um clube de investimento ficará por conta de uma instituição também autorizada pela CVM, que será a responsável pelo registro e por toda parte burocrática. Será também a corretora que administrará o cadastro e identificação dos participantes e cuidará da execução dos investimentos definidos pelo clube e de todas as transferências financeiras realizadas.

Quanto às regras gerais de um clube de investimentos:

  • Deverão ter no mínimo de 3 participantes e máximo de 50 — exceto para clubes formados por funcionários de uma mesma empresa, onde poderão participar até 150 investidores;
  • A carteira de um clube de investimentos deverá ser composta por no mínimo 51% de seu capital em ações, sendo o restante destinado a aplicações em renda fixa e derivativos;
  • Nenhum cotista poderá ter mais de 40% das cotas do clube;
  • A gestão do clube ficará a cargo de um profissional autorizado pela CVM;
  • Anualmente, os participantes deverão se reunir em uma Assembleia Geral Ordinária, podendo ser de forma não presencial (por meio eletrônico, por exemplo);
  • Os clubes de investimentos são obrigados a seguir as práticas e normas contábeis em suas operações, mensurações, relatórios de despesas, classificação de ativos, passivos, entre outros.

Vantagens de um clube de investimentos

  • Os membros têm poder de administração e influência direta na gestão da carteira;
  • O clube de investimentos é mais flexível e pode ajustar mais facilmente seus investimentos ao perfil de seus participantes;
  • As taxas de administração e manutenção do clube são mais baixas;
  • A estrutura de gestão do clube é mais horizontal e menos enxuta que a de um fundo de investimentos;
  • Em um clube não existem custos com auditorias, encargos de fiscalização da CVM, e dispensa a necessidade de detalhamento e informes aos cotistas sobre suas operações.

Conheça as vantagens e desvantagens de 5 tipos de investimentos.

Tributação de clubes de investimentos

Os rendimentos obtidos nas operações dos clubes será definido de acordo com os tipos de investimento que ele decidir fazer. Se o clube quiser investir mais em renda variável, cujo acesso se dá por meio do resgate de cotas de seus investidores, são tributados em 15%. A responsabilidade do recolhimento desse imposto é do administrador do clube, e deve acontecer no terceiro dia útil da semana após o pedido de resgate.

Caso a carteira do clube de investimento não seja composta em sua maioria por ações — ou seja, não tenha pelo menos 67% em ações negociadas na Bovespa —, deve-se aplicar a mesma tributação da renda fixa. Será descontada uma alíquota de 15% a cada seis meses, e, se necessário, uma taxa que variará de acordo com o tempo entre a aplicação e o resgate.

Como montar ou participar de um clube de investimentos?

Para montar um clube de investimentos é preciso, antes de tudo, reunir um grupo de pelo menos 3 interessados. A partir disso o grupo deverá encontrar um administrador — que poderá ser uma corretora, um banco de investimento ou uma distribuidora de valores.

Após aberta a conta, será estruturado junto com os participantes do clube um estatuto interno, onde estarão definidos alguns pontos, como:

  • Valor de aplicação inicial para cada participante;
  • Política e valores de aportes mensais;
  • Prazo de funcionamento do clube;
  • Políticas de investimento (tipos de operações permitidas, preferências de investimentos, parcela de alocação a ser aplicada em ações, renda fixa, entre outros);
  • Existência ou não de taxa de administração e sua respectiva base de cálculo;
  • Tipo de remuneração do administrador da carteira;
  • Cláusulas de dissolução ou encerramento do clube;
  • Política de conduta dos participantes e procedimentos em ocasião de morte ou incapacitação dos cotistas;
  • Critérios de cálculo da cota;
  • Detalhes de como se darão as reuniões e decisões do clube, assim como as convocações de assembleias.

O clube fornecerá o nome que escolher e aplicará seu estatuto para que a CVM aprove sua fundação. Após isso, o aporte inicial de cada um dos cotistas participantes é transferido para o clube e se transforma em cotas. Essas cotas serão proporcionas ao capital aplicado por cada um, logo, quanto mais o investidor aportar, mais cotas terá.

Com o clube criado, basta convidar novos interessados para entrar no clube, por meio da abertura de uma conta e da aquisição de novas cotas.

Por que participar de um clube de investimentos?

Clubes de investimentos são ótimas ferramentas para a popularização dos investimentos em ações. Participar de um clube significa que o investidor conhecerá mais sobre tomada de decisões sem comprometer muito o seu capital, contribuindo assim para seu aprendizado e aumentando sua responsabilidade e comprometimento com o dinheiro.

Se você está interessado em começar a investir na Bolsa, mas não sabe qual o melhor investimento, participar de um clube pode ser a alternativa certa para você!

Gostou das nossas dicas? Ficou interessado em participar de um clube de investimentos? Ficou alguma dúvida ou quer compartilhar alguma informação? Deixe um comentário!

Ah e não esquece de baixar um dos nossos [EBOOKs LONDON] link aqui.

Quer Aprender a Investir Melhor?

Receba semanalmente dicas exclusivas e ferramentas práticas para ajudá-lo a investir com sabedoria e ganhar dinheiro extra.

Follow

About the Author

Jonathan B. Camargo, empreendedor, planejador e educador financeiro, formado em Administração de Empresas, certificado como Agente Autônomo de Investimentos pela CVM (2012), pelo Programa de Qualificação Operacional - PQO, como Profissional Financeiro Ambima Serie 20 – CPA 20. Especialista em investimentos e planejamento financeiro, ingressou no mercado financeiro em 2010, com passagens por instituições como Bradesco (Corporate Bank) e XP Investimentos. Trabalha com o intuito de transferir conhecimento aos seus clientes e ajudar a transformar seus objetivos em realidade.