CDB - Certificado de Depósito Bancário - Como Investir Com Mais Rentabilidade | Blog London Capital

CDB – Certificado de Depósito Bancário – Como Investir Com Mais Rentabilidade

By Tatiana Mallmann

Invista Melhor | Acumular, Rentabilizar e Proteger

Junte-se aos aos nossos milhares de investidores inteligentes e seja o primeiro a receber as nossas novidades e dicas de como acumular mais recursos, rentabilizar melhor seus investimentos e proteger seu patrimônio.

cdb-certificado-de-depósito-bancário

Certamente, se você já teve algum dinheiro sobrando em sua conta-corrente, o seu gerente de conta deve ter te ligado ou conversado pessoalmente sobre a possibilidade de um investimento em CDB (Certificado de Depósito Bancário), mas você sabe o que é isso?

O CDB é uma das modalidades de investimento que está no portfólio exclusivamente dos bancos, pois apenas eles podem realizar a emissão desses certificados.

Será que é um investimento seguro? Com relação à rentabilidade, é mais vantajoso do que outros modelos? Vamos conhecer as respostas para essas e outras perguntas.

Antes de seguir lendo este artigo quero te convidar a baixar o [EBOOK] Renda Fixa. É um PDF para download gratuito que será enviado diretamente para sua caixa de e-mail.

Neste ebook você vai poder compreender mais afundo sobre o assunto deste artigo com estratégias e dicas práticas para você usar no dia-a-dia como investidor.

Se você ainda não baixou faça agora, neste link.

 

O que é CDB – Certificado de Depósito Bancário?

CDB é uma sigla que designa um título bastante conhecido na renda fixa brasileira, o Certificado de Depósito Bancário. Essa aplicação é oferecida por corretoras e bancos para captação de fundos e rende juros prefixados ou pós-fixados, superiores à poupança.

O CDB rende mais do que a poupança, mas é difícil definir o quanto, já que essa aplicação oferece juros variados em cada título, dependendo da instituição financeira, do prazo de vencimento, do período de carência e do montante mínimo.

Esse investimento oferece dois tipos principais de rendimento, o prefixado, com um juro anual definido antes da compra, e o pós-fixado, que é atrelado à variação do CDI (Certificado de Depósito Interbancário, que é o título de empréstimo entre os bancos e instituições financeiras).

Calma, são dois termos diferentes: CDB é o investimento sobre o qual estamos falando, e CDI é usado na divulgação de aplicações como um índice de referência, ou seja, um benchmark para definir rentabilidades.

Para o investidor, o importante é saber que o CDI segue de perto a Taxa Selic, que são os juros básicos da economia definidos pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central. Simplificando bastante, a Selic é quanto o governo paga de juros pelos títulos da dívida pública, que são adquiridos em sua maioria pelos bancos.

Então, se um título CDB promete retorno de 100% do CDI, ele vai pagar praticamente a variação da Selic. Em 2016, o CDI foi de 14%. Isso quer dizer que uma aplicação com retorno de 100% do CDI teve rendimento de 14% no ano passado.

 

Como funciona o CDB?

Nessa modalidade de investimento, basicamente o que ocorre é que ao investir, empresta-se dinheiro aos bancos para que eles possam emprestar a outras pessoas que necessitam.

O banco não pode fazer isso com todo o dinheiro que está depositado à vista (conta-corrente), mas a prazo sim , que são os investimentos em CDB, LCI, LCA, LC ou LF.

O CDB funciona assim: você escolhe uma corretora ou um banco de investimentos, abre uma conta, pesquisa os melhores títulos e aqueles que mais se encaixam no seu perfil e depois faz um aporte inicial com o valor desejado para a aplicação.

Na data de vencimento do título, você recebe o valor original de volta acrescido de todo o rendimento do período. Lembre-se, porém, de que há Imposto de Renda no CDB: o IR aqui varia de 22,5% a 15%, dependendo do tempo de aplicação.

Além do IR, quem deixa o dinheiro no CDB por menos de 30 dias tem que pagar ainda o IOF, que é um imposto mais agressivo, que chega a 96% para um dia de aplicação.

Se por um lado o CDB tem tributos envolvidos, por outro não cobra taxas de administração, performance ou custódia. Além disso, entre suas vantagens, estão o rendimento atraente para a renda fixa e a proteção do Fundo Garantidor de Crédito, que garante o saldo da aplicação até um teto de R$ 250 mil por CPF por instituição financeira.

Os bancos definem as taxas de juros que pagarão aos clientes na modalidade pré-fixado, e apresentam outra opção pós-fixada. No segundo caso, não há espaço de negociação, pois dependerá de algo futuro, mas no primeiro, quanto mais dinheiro você tiver investido, maior poder de barganha para negociar as taxas com seu gerente.

Quer saber quanto rende os CDBs e como melhorar os seus rendimentos? Vou te ajudar logo abaixo:

 

Quanto rende o CDB?

Para esse investimento podemos conseguir uma maior remuneração observando a situação do mercado e avaliando indicadores econômicos como:

• Taxa de Juros

• Inflação do país

Assim é possível avaliar e escolher o melhor título para aquele cenário, uma vez que eles podem ser de três tipos:

 

A) Pós-fixado

Nesse título você vai acordar com o banco alguma taxa referência para receber pelo “empréstimo” que está fazendo. Geralmente essa taxa é atrelada à taxa SELIC ou ao CDI.

Dessa forma você escolhe o título e ao final do período combinado vai descobrir qual o seu rendimento exato. Lembrando que a escolha deve ser feita levando em consideração diversos fatores, como o cenário econômico e as perspectivas futuras para o prazo da aplicação.

► Este é o tipo mais seguro de CDB.

 

B) Prefixado

Nessa modalidade prefixada o rendimento dos seus investimentos é acordado no momento da aplicação.

É como se você fosse até o seu assessor e combinasse com ele que iria emprestar o dinheiro, mas que gostaria de receber esse valor daqui a 2 anos com uma taxa já predeterminada de 14% ao ano.

► Esse tipo de aplicação é indicada num momento em que você acha que os juros irão cair e quer garantir que vai receber a atual taxa mais alta por mais tempo.

 

C) Híbrido

O título híbrido nada mais é do que a união do pré e do pós-fixado. Nessa modalidade você irá receber uma parte da rentabilidade prefixada e a outra parte como pós-fixada.

Exemplo: Você investe seu dinheiro e recebe 7% ao ano de juros prefixados + o IPCA (índice de preços do consumidor), o que pode ser extremamente interessante dependendo do cenário que estamos observando.

 

Qual o CDB mais rentável?

Os títulos mais rentáveis geralmente são aqueles emitidos por instituições de menor porte, pois como elas possuem menor visibilidade no mercado precisam pagar taxas melhores para atrair os investidores.

Através de uma corretora de valores você encontra títulos de CDB de diversos bancos e com as melhores rentabilidades.

Lembrando que até R$250.000,00 o FGC tem cobertura para essa aplicação, então o risco é o mesmo para investir no maior ou no menor banco.

E qual a melhor maneira de se investir?

Imagine se para cada título que você for investir, você precisasse abrir uma conta no banco ou instituição emissora do mesmo. Seria complicado, não?

A melhor maneira de acessar diferentes títulos é através das corretoras de valores independentes. Através de uma corretora você tem acesso a títulos de vários bancos sem precisar abrir conta neles, pois você pode emprestar a cada banco possuindo uma só conta, fazendo com que você economize tempo, pague menos taxas e ganhe mais dinheiro.

Como obter uma boa rentabilidade no CDB?

Uma boa dica é investir nos bancos menores. Embora eles representem maior risco de falta de liquidez e consequente quebra, há a garantia do limite de R$ 250 mil pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito) para investimentos realizados em CDB. Se você pretende investir valores menores do que esse, pode procurar bancos menores sem receio.

A principal vantagem desses bancos é que eles pagam bem mais do que 100% do CDI, que é um indexador para os rendimentos em CDB. Se você pretende iniciar com valores maiores, mesmo um banco maior poderá te oferecer percentuais superiores a 100% do CDB e fazer com que o seu investimento apresente menos risco de problemas de liquidez por parte do banco.

Melhore seus rendimentos com o CDB

Neste artigo vou ajudar você a ganhar até 50% mais do que a poupança e até 30% mais do que o seu investimento em CDB …e com a mesma segurança!

Isso porque todo investimento em CDB é garantido pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito) em até R$ 250.000,00 por instituição financeira, a mesma garantia da Poupança!

Assim todos estão garantidos. Mesmo que você tenha mais de R$ 250.000,00 para investir, pode dividir seu investimento em mais de um banco e assim ter um rendimento muito superior.

Se quiser que os autores do nosso blog te ajudem a otimizar seus investimentos em CDBs, basta usar este link aqui ao lado: http://londoncapital.com.br/converse-conosco

 

Como negociar os rendimentos do CDB?

Procure não ficar muito longe do que o governo paga com o Tesouro Direto e utilize esses valores como referência para negociar a rentabilidade, mas tenha em mente que os gerentes têm pouco poder para definir altas rentabilidades — a não ser que você apresente elevados valores para serem investidos.

Como funciona a tributação do CDB?

Quando mais tempo você deixar o dinheiro aplicado, maior será o benefício tributário, pois a alíquota de imposto de renda inicia com 22,5% para os depósitos retirados nos 6 primeiros meses, caindo para 15% para valores retirados em tempo superior a 2 anos.

 

Quais são os custos operacionais do investimento em CDB?

Não há custos operacionais para investir em CDB. O banco tomará os seus recursos, eles permanecerão à sua disposição atrelados ao seu saldo de investimentos e você poderá acompanhar a evolução do saldo diariamente, sabendo exatamente quanto pagará de imposto de renda de acordo com a data desejada para saque.

Sempre procure definir uma meta para o dinheiro quando você fizer qualquer investimento e isso inclui o CDB. Sem uma meta definida para ele, pode ser que você não fique totalmente satisfeito com os resultados alcançados na data do resgate dos valores.

 

Como investir no Certificado de Depósito Bancário

Para investir nestes títulos de Renda Fixa, o passo a passo é muito simples:

1. Primeiro você precisa estabelecer seus objetivos. É muito importante determinar antecipadamente qual o valor que você pretende investir, o prazo que você poderá deixar o seu capital aplicado e quais metas deseja atingir.

2. O segundo passo é abrir uma conta de investimentos. Ao abrir sua conta em uma corretora, você terá acesso à títulos de diversas instituições, com diferentes prazos e rentabilidades.

3. Escolher o título mais adequado de acordo com o seu planejamento inicial. Tendo em vista o seu capital e o prazo que pretende resgatá-lo, você terá diferentes opções de título, então é preciso compará-los e verificar qual deles lhe trará a melhor rentabilidade e as melhores condições.

4. Proteja seu patrimônio. É muito importante respeitar o limite de proteção do FGC, de até R$250 mil. Caso deseje investir uma quantia maior que essa, uma dica interessante é dividir o seu capital em títulos de diferentes bancos.

5. Por fim, aplique o seu dinheiro. E então é só acompanhar o desempenho do seu investimento e aguardar seus lucros.

 

CDB x Poupança

Em 2015 a remuneração da poupança ficou em torno de 8,00% ao ano (TR+0,5 ao mês), enquanto a inflação girou em torno de 9%. Ou seja, todo mês você perde poder de compra ao invés de ganhar dinheiro.

É como deixar o seu capital num móvel coberto por cupins que pouco a pouco vão corroendo seu dinheiro.

Quem investiu seu capital em um Certificado de Depósito Bancário, por outro lado, compara-se ao dono de uma criação de coelhos, em que seus investimentos conseguem se multiplicar exponencialmente.

Quem investiu em um CDB em 2015 pôde alcançar mais que o dobro da rentabilidade de quem investiu a mesma quantia na poupança.

Imagine só o que você está perdendo deixando de procurar investimentos melhores!

LCI x CDB: Qual o melhor?

A melhor maneira de escolher entre as opções de investimento que o mercado oferece é avaliando além dos possíveis cenários econômicos, como essa opção é tributada.

LCI, CDB ou Poupança: Para escolher o melhor investimento é preciso avaliar não só a rentabilidade, mas os possíveis cenários econômicos para ela.

Certificado de Depósito Bancário é um investimento tributado pelo imposto de renda e por esse motivo muitas vezes poderá ser menos atraente do que outras opções onde não existe a incidência de imposto.

Portanto, agora iremos ensiná-los a avaliar em quais momentos uma LCI ou LCA (opções isentas de imposto de renda) pode ser mais ou menos rentável.

Para avaliarmos se é mais rentável investir em um CDB ou uma LCI, precisamos fazer um cálculo bem prático:

1) Subtrair de 1 o Imposto de Renda para o respectivo prazo

2) Dividir a rentabilidade líquida da LCI pelo resultado da subtração anterior

Ou seja: Taxa ÷ (1 – IR do período)

Para facilitar iremos fazer dois exemplos práticos a seguir.

Exemplo 1

Para comparação vamos utilizar os seguintes dados:

  • LCI que rende 92% do CDI
  • CDB que rende 122% do CDI

Vamos imaginar, nesse caso, o cenário onde o imposto seria de 22,5% sobre o lucro (investimento entre 0 a 6 meses). Caso fique 5 meses com a LCI você irá receber a seguinte taxa:

92 ÷ (1 – 0,225) = 119% do CDI de rentabilidade

Ou seja: Ganhar 92% do CDI líquido (isento de IR) é como ganhar 119% do CDI tributado à alíquota de 22,50%.

Nesse cenário, mesmo isenta de imposto de renda a LCI se torna uma opção menos atrativa do que o CDB, porém vão existir cenários onde será o contrário.

Exemplo 2

Para fixarmos a forma de comparação entre as duas opções vamos agora fazer um exemplo de um investimento com tributação de 15% de imposto de renda (aplicações com mais de 2 anos):

  • LCI que rende 90% do CDI
  • CDB que rende 104% do CDI

Mais uma vez:

90 ÷ ( 1 – 0,15) = 106% do CDI de rentabilidade

Ou seja: Ou seja: Nesse exemplo a LCI é mais atrativa que o CDB, pois apresenta maior rentabilidade.

Lembrando que outro ponto crucial para decisão entre a LCI e o CDB é que esta Letra não possui liquidez diária e o seu prazo mínimo é de 90 dias. Ou seja, o capital fica preso pelo prazo contratado na aplicação, o que acaba inibindo em alguns momentos a vantagem que a isenção de imposto pode oferecer.

 

Meu gerente ofereceu um CDB. Vale a pena investir?

Antes de tudo, entenda que as instituições financeiras têm todo o interesse que você adquira CDBs —títulos que os bancos emitem para captar dinheiro das pessoas e emprestar a outras por juros altos. Assim, quanto maior for a necessidade do banco de se capitalizar, maior será a taxa de retorno oferecida a quem compra um CDB, para atrair investidores.

É por isso que esses títulos privados podem oferecer remunerações maiores que a poupança e até mesmo que o Tesouro Direto. Mas há uma variação imensa de taxa de retorno oferecida pelas instituições e, em geral, bancos pequenos e financeiras independentes remuneram melhor do que os grandes bancos de varejo.

No site ou aplicativo rendafixa.rocks (disponível para sistemas Android e iOS), você pode comparar as remunerações oferecidas por algumas instituições.

Se a taxa de retorno do seu banco não estiver disponível facilmente na internet, não hesite em perguntá-la ao gerente. O brasileiro tem o hábito errado de casar com o seu banco. Mas, mesmo cliente de um, pode ser melhor comprar o CDB de outro lugar.

Não importa o banco escolhido, os CDBs contam com a garantia do Fundo Garantidor de Crédito (FGC), que, em caso de quebra da instituição, reembolsa aos seus investidores perdas de até 250 mil reais por CPF. Logo, são uma alternativa “inofensiva” de investimento, focada em investidores conservadores, assim como a poupança.

Mas afinal, o que é um CDB com boa taxa de retorno?

Lembra quando falamos que você precisa conhecer o produto para saber se ele rende mais do que a poupança? Pois bem, nem todo CDB é igual.

Eles podem ter duas formas de remuneração diferentes: pré-fixada, quando o CDB rende a uma taxa de juros fixa e você sabe exatamente quanto dinheiro receberá no final, por exemplo, 10% ao ano; e pós-fixada, quando ele é indexado à taxa DI (CDI), o que significa que eles pagam ao investidor certo percentual dessa taxa, atualmente em 14,13% ao ano, muito próxima à Selic.

A maioria dos CDBs disponíveis no mercado são pós-fixados. Apesar de serem aparentemente mais arriscados, eles garantem o poder de compra do investidor. Ou seja, não importa o que aconteça com a economia do país e a taxa de juros, o investidor estará protegido. É por isso que os CDBs pré-fixados são mais indicados para quem quer investir no longo prazo ou não sabe quando pretende usar o dinheiro.

É possível encontrar CDBs no mercado que pagam mais ou menos do que 100% da taxa DI, qualquer rendimento abaixo de 85% do CDI não compensa em relação à rentabilidade da poupança.

Isso porque a poupança é isenta de Imposto de Renda, enquanto o rendimento do CDB é tributado com alíquota que varia entre 22,5% e 15%, conforme o tempo de aplicação. Quanto mais longo o prazo, menos você paga de imposto. Na prática, o que você vai ganhar não é a taxa de retorno prometida. É preciso descontar o IR.

E o que é uma boa taxa para um CDB pré-fixado que não é atrelado ao CDI? Teoricamente, qualquer valor acima da inflação prevista para o ano, descontando IR. Ou seja, supondo que você aplique por um ano, a taxa precisa ser, no mínimo, de 10% ao ano.

Muitos CDBs oferecem liquidez diária, ou seja, permitem o resgate do valor investido a qualquer momento. No entanto, as melhores remunerações são obtidas nos CDBs de longo prazo.

 

Você já investe ou já pensou em investir em CDB? Ainda tem dúvidas sobre essa modalidade? Conte-nos sobre suas experiências!

 Ah e não esquece de baixar o [EBOOK] Renda Fixa.

Quer Receber Mais Conteúdos Como Este?

Junte-se aos aos nossos milhares de investidores inteligentes e seja o primeiro a receber as nossas novidades e dicas de como acumular mais recursos, rentabilizar melhor seus investimentos e proteger seu patrimônio.

About the Author

Tatiana Mallmann, Co-Fundadora do Blog London Capital, formada em Administração de Empresas, ingressou no mercado financeiro em 2006, acumulando experiência em varejo, planejamento financeiro e seguros corporativos em instituições como Banco do Brasil e Confiança Companhia de Seguros. Especialista em planejamento financeiro, gestão de risco, proteção do ativo humano, blindagem de patrimônio e sucessão empresarial.