Aprenda como investir em dólar | London Capital

Aprenda como investir em dólar e ter sucesso com isso

By Tatiana Mallmann | 3. Cuidando dos Filhos

Quer Aprender a Investir Melhor?

Receba semanalmente dicas exclusivas e ferramentas práticas para ajudá-lo a investir com sabedoria e ganhar dinheiro extra.

nov 20
Aprenda como investir em dólar e ter sucesso com isso

Com o início da provável “temporada de rebaixamentos” da nota do Brasil nas agências de classificação de risco (tal como confirmado no último mês de setembro pela Standard & Poor’s), o agravamento da crise política no país e as dificuldades do governo em realizar o ajuste fiscal, o processo maciço de fuga de dólares (já em curso desde o ano passado) foi apenas acentuado, valorizando ainda mais a moeda norte-americana frente ao Real. As sucessivas intervenções do Banco Central conseguem, no máximo, frear o ímpeto de alta, mas não são capazes de mudar uma tendência que parece incontrolável.

Diante desse cenário, muitos brasileiros que conseguiram acumular um capital nos últimos anos começam a olhar com atenção para a possibilidade de efetivar aplicações “menos ortodoxas”, como negociação de moeda estrangeira ou investimentos em ações na Bolsa de Nova York. Hoje vamos nos ater, especificamente, ao primeiro caso: vale a pena investir em dólar? Como fazê-lo? Quais são os riscos envolvidos?

Não deixe a volatilidade do dólar tirar proveito de você

Até o último dia 21 de outubro, o dólar acumulava uma valorização de nada menos 48,31% no ano, o que coloca a moeda norte-americana no rumo de fechar 2015 com a maior alta desde2002. Entretanto, é preciso ter em mente que moeda estrangeira é um ativo de renda variável e dos mais arriscados quando tratamos de flutuações de mercado. Isso porque as movimentações na cotação do dólar são impactadas por eventos mundiais, 24 horas por dia e, basta uma simples declaração de algum ator político ou econômico, em qualquer canto do planeta, para o dólar corrigir uma tendência de alta, intensificar um movimento ascendente ou, simplesmente, despencar.

Em resumo, o dólar costuma ser um ativo de difícil operação até mesmo para especialistas. Não se aventure nesses mercados sem o auxílio de um profissional especializado.

Demanda e tipo de operação são molas propulsoras do câmbio

Já ouviu falar em lei de oferta e demanda? Pois, em linhas gerais, é desse contraponto que se originam as flutuações do dólar (além do tipo de operação realizada, como mercado comercial ou turismo). Em um momento de crise como o atual, as incertezas com relação ao futuro fazem muitos investidores retirarem dólares do país, migrando seus investimentos para mercados mais sólidos, o que desequilibra a relação entre oferta x demanda (já que, nesse cenário, passamos a ter menor oferta do que procura). Essa matemática joga o câmbio às alturas.

Por outro lado, em um momento de estabilidade econômica e confiança dos investidores (como em meados de 2005), a injeção de capital estrangeiro no país torna a oferta de dólares maior do que a procura, derrubando a cotação.

Investir em dólar significa mais do que apenas compra de moeda em espécie

Se você tem um patrimônio acumulado, quer diversificar sua carteira e olha para o dólar com boa perspectiva, é preciso, antes de tudo, compreender as muitas formas de ter rentabilidade com esse ativo — direta e indiretamente. Algumas das possibilidades:

Fundos cambiais

Tratam-se de fundos de investimentos que têm por objetivo concentrar a maior parte dos recursos em títulos relacionados à variação de câmbio ou a uma taxa de juros denominada cupom cambial. Como as demais formas de aplicação em moeda estrangeira, sugere cuidados (no máximo 10% de seu capital devem ser direcionados a esses ativos), além de ser necessário ter em mente de que a variação dos preços de compra e venda, as taxas de administração (que costumam ser elevadas) e o Imposto de Renda, reduzirão patrimônio líquido do fundo.

Compra e venda de papel-moeda

Modalidade mais conhecida de aplicação em moeda estrangeira. Embora seja mais uma alternativa para diversificar seus investimentos, é preciso estar atento aos riscos de guardar dinheiro em espécie, além do fato de que, no interstício entre a compra e a venda, seu capital ficará parado, quando poderia estar gerando lucro em alguma aplicação.

Atente-se também à constatação de que obter rentabilidade por meio da compra e venda de papel-moeda envolve, necessariamente, a realização de operação visando o médio e o longo prazo. Isso porque a diferença entre os preços de aquisição e venda do dólar dificulta a geração de lucro no curto prazo. Especular com moeda estrangeira no curtíssimo prazo? Péssimo negócio.

A negociação de moeda em espécie é mais indicada a quem pretende viajar, tenha algum negócio no exterior ou queira fazer compras em algum país que aceite o dólar como moeda. Nesse caso, duas recomendações: a primeira é que a compra seja feita em períodos distintos, visando obter melhor cotação média; a segunda é buscar a orientação de um planejador financeiro com expertise em flutuações de câmbio.

Fundos multimercados

Opção mais segura para trabalhar com dólar. São fundos que objetivam alocar seus recursos em modalidades de investimento distintas, diluindo os riscos e dando maior segurança à operação. Tais fundos podem englobar, além de moeda estrangeira, ações, índices, DI, Selic (juros), etc.

Ações de empresas brasileiras que têm público-alvo no exterior

Até agora estávamos falando sobre como investir em dólar diretamente. Mas é possível também obter rentabilidade com a flutuação da moeda norte-americana, só que de forma indireta. Um exemplo é adquirir ações de empresas brasileiras que vivem de exportação, tais como a Vale (mineração), Suzano e Fibria (papel e celulose). Já parou para pensar que todos os negócios dessas empresas são feitos em contratos norteados por dólar, sujeitos ao câmbio do momento? Uma eventual valorização cambial, portanto, multiplicaria exponencialmente suas receitas, gerando dividendos mais robustos e alta no valor das respectivas ações.

Ações de empresas estrangeiras, através de BDRs

Outra maneira indireta de lucrar com o câmbio: comprar ações de empresas norte-americanas! Isso é possível sim e pode ser feito com a compra direta de ações, através de BRDs – Brazilian Depositary Receipt (certificados de depósitos, emitidos e negociados no Brasil, mas ligados a valores mobiliários de emissão de companhias estrangeiras). A operação direta é permitida apenas em aplicações superiores a R$ 1 milhão, e para quem tem valor menor, é possível participar de fundos de investimentos que possuam BDRs em seu portfólio.

Ações diretamente da Bolsa de Nova York

Os altos custos tornam essa opção interessante apenas para quem tem um bom capital acumulado (a partir de US$ 100 mil). Nesse caso, é necessário abrir uma conta de investimentos em uma corretora de valores situada no exterior (com ou sem filial no Brasil), fazer a remessa de valores e negociar a compra e venda de ativos por meio do Home Broker da corretora. Com a alta do dólar, um pequeno lucro pode se tornar um grande feito ao investidor. Mas lembre-se de que o contrário também é verdadeiro.

Dúvidas sobre como investir em dólar? Deixe-nos uma mensagem abaixo e teremos prazer em lhe orientar! Ah, quer aprofundar mais seus conhecimentos do mercado financeiro? Então a dica do dia é baixar o e-book “Investimentos à prova de crise“, um manual definitivo sobre tudo o que você precisa saber para gerenciar seus recursos com rentabilidade independente da turbulência econômica. Sucesso!

 

Quer Aprender a Investir Melhor?

Receba semanalmente dicas exclusivas e ferramentas práticas para ajudá-lo a investir com sabedoria e ganhar dinheiro extra.

About the Author

Tatiana Mallmann, é formada em Administração de Empresas. Ingressou no mercado financeiro em 2006, acumulando experiência em varejo, planejamento financeiro e seguros corporativos em instituições como Banco do Brasil e Confiança Companhia de Seguros. Como empreendedora e educadora financeira, trabalha para ajudar pessoas e famílias a obter tranquilidade financeira.