O Que São e Como Funcionam as Corretoras de Valores?

O Que São e Como Funcionam as Corretoras de Valores?

By Tatiana Mallmann

Quer Aprender a Investir Melhor?

Receba semanalmente dicas exclusivas e ferramentas práticas para ajudá-lo a investir com sabedoria e ganhar dinheiro extra.

Investir na Bolsa de Valores pode ser um grande negócio para quem tem paciência e não se preocupa tanto com a queda repentina dos preços de uma ação — o que é uma realidade no mercado. Nesse cenário, aparecem as corretoras de valores, instituições financeiras que atuam diretamente na Bolsa e podem auxiliar o investidor a ter o melhor retorno possível.

Antes de seguir lendo este artigo quero te convidar a baixar o [EBOOK] Bancos Médios. É um PDF para download gratuito que será enviado diretamente para sua caixa de e-mail. Neste ebook você vai poder compreender mais afundo sobre o assunto deste artigo com estratégias e dicas práticas para você usar no dia-a-dia como investidor.

Se você ainda não baixou faça agora, neste link.

O que são as Corretoras de Valores

As corretoras de valores são instituições financeiras indispensáveis para o investidor que quer apostar seu dinheiro na Bolsa. Elas têm a função de comprar e vender ações, além de também poderem negociar outros ativos. Elas ainda são responsáveis por intermediar a negociação entre o investidor e as ações. Portanto, para investir no mercado financeiro da Bolsa de Valores, é necessário primeiramente contratar uma correta.

Para fazer esse trabalho, as corretoras recebem uma autorização do Banco Central e são fiscalizadas pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), entidade criada para normatizar, fiscalizar, desenvolver e disciplinar todo o mercado financeiro relativo aos valores mobiliários. Esses são os títulos e contratos ofertados de forma pública que permitem ao investidor participar, criar uma parceria ou ser remunerado.

Processo de escolha das corretoras de valores

Ao decidir por investir na Bolsa de Valores, o investidor deve escolher e fazer uma conta junto a uma corretora de valores. A abertura dessa conta é semelhante ao processo de uma conta-corrente, mas ela servirá exclusivamente para a negociação de ações. Os documentos necessários são RG, CPF, comprovante de endereço e dados de conta-corrente. A assinatura do contrato com a corretora de valores é rápida e permite que o investidor possa negociar imediatamente.

Nesse momento, o investidor pode escolher entre uma corretora de valores independente ou uma que seja propriedade de algum banco. Basicamente, não existem grandes diferenças entre esses dois tipos, mas é importante que o investidor considere alguns aspectos no processo de escolha.

Um deles é o valor da corretagem. Como uma instituição financeira, a corretora cobra um preço por seu serviço, chamado de corretagem. Esse valor é cobrado a cada ação vendida ou comprada, por isso, é importantíssimo avaliar essa taxa antes de escolher a corretora de valores.

Outro ponto a ser considerado é que as corretoras de valores não devem indicar operações aos clientes, porque, como elas ganham por operação, isso torna-se um conflito de interesses. Assim, muitas vezes é mais interessante optar por uma corretora independente, porque seu ganho não está arrolado à corretagem. Então, a relação entre corretora de valores e cliente torna-se mais transparente e justa.

De toda forma, é importante ressaltar que, quando um investidor compra ações de determinada empresa, as ações não ficam sob a custódia da corretora, mas sim da Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia (CBLC).

Depois de avaliar essas questões, o investidor também deve considerar seu próprio perfil. Por exemplo, a maioria das operações será feita por internet ou telefone? O valor a ser investido e a frequência de investimentos também são elementos fundamentais para a escolha da corretora.

Por fim, os serviços oferecidos pela corretora de valores devem atender à demanda do investidor. Por exemplo, o investidor pode preferir obter informações sobre a Bolsa de Valores por meio da própria corretora ou optar por ler newsletters e relatórios de análise de ações.

Funções das corretoras de valores

Basicamente, as corretoras de valores têm o papel fundamental de orientar o investidor e sinalizar boas oportunidades de negócios, sempre baseando-se no perfil do cliente e naquilo que ele deseja conquistar de retorno. Assim, as atividades dessas instituições financeiras dividem-se em quatro papéis:

  • divulgação de informações sobre preços de ações e outros títulos;
  • orientação sobre quando é mais adequado comprar ou vender determinadas ações;
  • distribuição de produtos e serviços da Bolsa de Valores;
  • intermediação de negociações.

Assim, as corretoras de valores tornam-se fundamentais para adquirir e vender ações na Bolsa. Elas também repassam mais segurança ao investidor, que passa a ser amparado por um profissional e, devido a isso, tem menos chances de perder dinheiro com um investimento mal feito.

Dentro desse escopo, a corretora de valores oferece alguns serviços interessantes, como home broker (permite que o investidor negocie ações diretamente pela internet, acionando a corretora), gestão de recursos (como fundos, carteiras administradas etc.), relatórios analíticos sobre ações, entre outras possibilidades de o investidor fazer um investimento assertivo.

Como funcionam as corretoras de valores

Depois de assinar o contrato, o investidor já pode começar a negociar a compra e venda de ações. O primeiro passo é repassar à corretora o valor disponível para investir. Isso pode ser feito por meio do home broker ou por telefone.

No Brasil, as ações são negociadas pela Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). Existem três opções de compra:

  • Fundos de investimentos: o investidor tem uma cota correspondente a um percentual do total de ações que esse fundo de investimento possui. O fundo de investimento deve informar ao investidor sobre o risco de investir e apresentar a política de investimento, que deve ser aceita pelo investidor;
  • Clubes de investimentos: pode ser composto de três a 150 pessoas e não requer um gestor com certificação da CVM. Basta ter um representante que confirme à corretora a operação de compra ou venda.
  • Individualmente: o investidor controla todas as operações e recebe auxílio dos corretores para sanar dúvidas.

Dessa forma, as corretoras de valores são imprescindíveis para o processo de compra e venda de ações. Você, enquanto investidor, já escolheu a corretora ideal para o seu perfil e sabe qual o melhor investimento nesse momento de crise? Saiba como investir e obter bons ganhos em períodos de crise baixando o e-book Investimentos à Prova de Crise!

 

Quer Aprender a Investir Melhor?

Receba semanalmente dicas exclusivas e ferramentas práticas para ajudá-lo a investir com sabedoria e ganhar dinheiro extra.

About the Author

Tatiana Mallmann, Co-Fundadora do Blog London Capital, formada em Administração de Empresas, ingressou no mercado financeiro em 2006, acumulando experiência em varejo, planejamento financeiro e seguros corporativos em instituições como Banco do Brasil e Confiança Companhia de Seguros. Especialista em planejamento financeiro, gestão de risco, proteção do ativo humano, blindagem de patrimônio e sucessão empresarial.